Anael - 20 de novembro de 2011

Clique aqui para comentar esta publicação




~ VALE A PENA LER DE NOVO ~
sugestão de releitura: Lucia Montaño Ferrer


ÁUDIO mp3 ORIGINAL

Eu sou ANAEL Arcanjo.
Bem amados Filhos da Luz e bem amadas Sementes de Estrelas, que a Comunhão, a Graça, o Amor, a Verdade e a Unidade estejam em vocês e em nós.

Eu não tenho comunicação específica a estabelecer, em nome do Conclave, hoje.
Eu tenho, entretanto, enquanto primeiro interveniente, que especificar diferentes objetivos referentes a diferentes Consciências que irão intervir depois de mim.
No que se refere ao Melquizedeque do Ar, SRI AUROBINDO, ele virá entregar-lhes elementos importantes referentes à evolução da personalidade em meio ao Supramental, tal como se revela, hoje, e tal como deve levar esta personalidade (que é a sua, aqui, encarnado) a se modificar.
Não através da aplicação de regras, mas, sobretudo, através da observação das modificações da personalidade sob a ação do Supramental.
No que se refere à intervenção das Estrelas, NO EYES irá especificar para vocês o que é a Visão do Coração e como transformar a visão dos planos intermediários (denominados astrais) a fim de permitir penetrar mais adiante no Estado de Ser, na Visão do Coração, e no que se refere, justamente, ao acesso à Unidade.
MARIA, em seguida, virá pedir-lhes para se prepararem para o encontro Vibratório mais importante, com relação ao conjunto das Consciências envolvidas, na Terra como no Céu, na transformação da humanidade, que está em via de finalização.
E como Arcanjo, eu venho, hoje, enquanto Ser e Consciência que vem responder às suas perguntas e interrogações, referentes, não aos seus caminhos pessoais, mas, bem mais, ao caminho da humanidade atual.
E assim, então, instaurar, com vocês, além do meu papel de Arcanjo do relacionamento, um espaço de Comunhão, de Coração a Coração, através das respostas que eu darei às suas perguntas.
Dessa maneira, eu estou então à sua disposição, pela Vibração, pelas palavras e pela minha própria Presença, para tentar avançar, com vocês, no que nos aproxima, agora, cada vez mais.
Bem amadas Sementes de Estrelas, eu as escuto.

***



Pergunta: no processo que está chegando, nós iremos, realmente, perder o corpo físico?

Bem amado, o que você denomina perder?
Através, até mesmo, do intitulado da sua pergunta, você considera que deixar esse corpo é uma perda.
Não há qualquer perda.
A Consciência é Una, qualquer que seja a presença ou o desaparecimento desse corpo.
A Unidade é um estado que transcende a apropriação de um corpo, a identificação com um corpo (qualquer que seja, quer seja este, ou ainda a apropriação em um único corpo, pertencente a uma vida passada) porque vocês são bem além, em Consciência, além desse corpo.
Enquanto vocês considerarem que há algo a perder, vocês não irão encontrar a Unidade.
Isso não faz ignorar o corpo, nem rejeitá-lo, mas, bem mais, transformá-lo, a fim de que ele se torne, por síntese, o corpo de Estado de Ser.
O desdobramento da Luz, como a ativação das diversas Portas, presentes nesse corpo, são, justamente, os meios que lhes foram oferecidos para sintetizar de novo, de algum modo, mesmo a palavra não sendo apropriada, o corpo de Estado de Ser (ndr: ver a seção “protocolos a praticar”) (1).
Deste modo, a Consciência vivendo a Unidade, não se importa com esse corpo, porque esse corpo é um Templo no qual se realiza a ‘alquimia’, mas ele é apenas um despojo quando o corpo e a Consciência tornarem-se unificados.
Assim, então, não há paradoxo, há simplesmente que verificar, por vocês mesmos, que o trabalho apenas pode ser realizado, para vocês que estão encarnados, nesse corpo, que é um Templo e um receptáculo.
Mas, a um dado momento (ilustrando, assim, o que lhes disse o Comandante) (ndr: O.M. AÏVANHOV), tornar-se uma borboleta necessita da abertura da lagarta, da rachadura do envelope do Coração e da passagem em meio à Nova Consciência.
Enquanto existir um apego, enquanto existir um medo, com relação a esse corpo, ele não pode se transformar.
Não há, então, perda do corpo, no sentido em que vocês podem entendê-lo, com a visão limitada da personalidade.
Há Transfiguração e Ressurreição.
Isso não é, realmente, a mesma coisa.

***


Pergunta: a Ascensão, concretamente, é uma saída consciente do corpo?

Bem amada, há tantas Ascensões quanto seres humanos.
O mecanismo individual da Ascensão faz de vocês um ser profundamente diferente, cuja Consciência não está mais limitada e cujo corpo não está mais limitado.
O que corresponde a uma transformação total, porque, eu os lembro, vocês estão nesse corpo, prisioneiros, limitados, pelo nascimento e pela morte.
Nos mundos Unificados, não existe morte.
Esse corpo, por Essência, é o Templo, mas há a particularidade, também, de ser perecível, e isso vocês sabem, mesmo se o ego e a personalidade recusarem encarar o fato de que esse corpo é perecível, de uma maneira ou de outra.
Isso participa das leis do confinamento e das leis do isolamento deste mundo.
Reencontrar a Unidade apenas pode ocorrer quando houver uma desidentificação total com relação a esse corpo.
Vários místicos, em todas as tradições, exprimiram-lhes isso, certamente muito melhor do que eu, através das suas experiências, que eles vivenciaram em diferentes épocas da história da humanidade.
Agora, o que é o real e o que é o concreto?
Enquanto você considerar que o real e o concreto referem-se a esta Dimensão, não pode ali haver acesso à Unidade.
Crer que o mundo melhor corresponde, simplesmente, neste mundo, a mudança de regras, substituir alguns seres por outros seres, apoiando o destino da humanidade, é estritamente contrário ao princípio da Unidade.
Não pode ali haver Unidade enquanto houver a aplicação de determinados princípios existentes neste mundo, e resultantes do princípio de falsificação.
Enquanto existir uma estrutura, um ser, evoluindo pelo poder sobre esta consciência, não há Unidade.
Obviamente, a personalidade vai debater sem fim nesta ideia de medo, nesta ideia de ter que soltar alguma coisa ou que abandonar alguma coisa.
Há diferentes modos de apreender o mecanismo, mas há apenas um modo de compreendê-lo, que é vivê-lo.
Dessa maneira, enquanto houver uma projeção através dos diferentes mecanismos de Ascensão que lhes foram detalhados a pouco tempo, vocês não vivem a Ascensão, mas vocês vivem a projeção do seu próprio mental através das interrogações ligadas aos medos subjacentes, quaisquer que sejam esses medos.
O princípio da Unidade é a transcendência do conjunto dos medos, a liberação de todos os apegos, e a transformação de tudo o que está ligado ao confinamento.
Quando a Consciência vive a Unidade, na realidade e na Verdade, não no plano concreto da realidade deste mundo, mas no plano real, além da ilusão deste mundo, não pode se colocar qualquer questão quanto ao futuro desse corpo, porque, naquele momento, a Consciência compreende e vive que ela não é esse corpo.
*

Enquanto houver um medo e uma ressonância, presentes na estrutura física ou na estrutura emocional ou mental, não pode ali haver acesso completo à Unidade.
Nenhuma lógica, e isso lhes foi explicado ontem, pode explicar, racionalmente, o que acontece, no momento da Ascensão.
Apenas a Vibração, e uma série de marcadores correspondentes ao acesso à Unidade (que lhes serão explicados por SRI AUROBINDO) (ndr: intervenção nesse mesmo dia) (2), correspondem à realidade da vivência.
A Ascensão não é um mecanismo mental.
A Unidade não é a adesão a um dogma, não é uma crença.
Enquanto vocês estiverem na crença, há projeção e não há Unidade.
A única maneira de viver o mecanismo é parar o seu tempo pessoal, bem além da simples meditação, alinhar-se na Vibração, viver a Comunhão e a Graça.
Naquele momento, vocês irão viver a Verdade.
Enquanto vocês estiverem confinados pelos seus medos, ou pelas projeções, quaisquer que sejam, não pode ali haver Liberação.
O conjunto dos mecanismos Vibratórios que se verte sobre esta Terra, através da Luz dita Unitária ou Vibral, desde 1984, permitiu desenvolver e elaborar uma série de processos, visando amortecer o que SRI AUROBINDO chamou de ‘choque da humanidade’, há apenas um ano, permitindo-lhes viver, a partir do momento em que vocês se abandonarem à Luz, a partir do momento em que vocês renunciarem a todas as ações da personalidade, o efeito transformador da Luz.
Mas enquanto vocês insistirem em querer aprisionar a Luz, vocês não podem ser Transparentes e vocês não podem viver a Luz, na totalidade.
As experiências de Alinhamento que vocês vivem (quer seja às 19 horas (hora francesa) ou no momento em que vocês decidirem), as experiências de Vibrações, de Comunhão e da Graça, que vocês podem apreender em não importa qual momento, são o reflexo direto e real, a saber, da Inteligência da Luz.
*

Agora, retenham, também, que lhes será feito muito exatamente segundo a sua própria Vibração.
Se existir um medo de perder o que quer que seja, então, vocês serão, não confrontados com este medo, em última análise, mas no momento coletivo da humanidade, vocês serão simplesmente conduzidos ali onde vocês levam a sua Vibração.
Nenhum artifício mental, nenhuma imaginação, nenhum medo poderá, de modo algum, alterar o que vocês são.
Mas o que vocês são é em função, não das suas crenças, mas da expansão, mais ou menos intensa, da sua Consciência.
Vocês ficam na consciência limitada, fragmentada, ou vocês penetram os espaços da Consciência Unificada, ali onde tudo é Alegria, ali onde tudo é Luz, ali onde não existe qualquer medo, nem qualquer projeção em um futuro qualquer?
Eu especifico que, durante este período, a intensidade dos seus questionamentos, Interiores e exteriores, apenas corresponde, de fato, a olhar-se, face a face, permitindo-lhes, se tal for o desejo da sua Consciência, mesmo fragmentada, passar a Porta Estreita ou não.
Não haverá qualquer julgamento, nem de vocês mesmos, nem de qualquer autoridade exterior.
O princípio da Luz é respeitar a Graça e a Liberdade.
Cabe a vocês decidir, não mentalmente, mas pela Vibração, se vocês desejam colocar-se segundo o princípio da Ação da Graça, ou segundo o princípio da Ação / Reação.
Lembrem-se do que lhes dizia CRISTO: “aqueles que desejarem salvar a sua vida, irão perdê-la”.
Os Quatro Pilares do Coração são os próprios fundamentos da aceitação e da vivência da Unidade.
Não há outro elemento que possa intervir.

***


Pergunta: os corpos estando conectados à Terra, eles irão ascensionar ao mesmo tempo que a Terra?

Bem amado, eu apenas posso responder o que eu já respondi.
Existem tantas Ascensões quanto seres humanos.
Há uma semana, uma das Estrelas lhes comunicou os diferentes modos possíveis da Ascensão.
Cada ser humano, quer queira ou não, será respeitado na sua liberdade Vibratória.
Agora, alguns irão ascensionar com esse corpo, outro sem esse corpo.
É a Consciência (liberada desse corpo, enquanto estando nesse corpo) que irá decidir, não é o mental, nem as projeções, nem os desejos.
Assim, vocês não se preocupem com os mecanismos da sua própria Ascensão, mas vivam, desde agora, o que lhes é oferecido, através tanto da Merkabah Interdimensional coletiva, como da Merkabah Interdimensional da Terra.
Deixando-se viver, nos seus espaços Interiores (de Alinhamento, de Vibrações, de meditações), estados Vibratórios específicos, levando-os à Unidade.
Se, no entanto, vocês se Abandonarem, nesses momentos, à Luz, se vocês não buscarem assumir o controle da Luz, nem deixarem atuar a personalidade, nesses momentos de Alinhamento.
Porque não existe melhor preparação do que esses momentos.
Não existe melhor preparação Vibratória do que os momentos de Comunhão ou da Graça, tal como lhes foram comunicados, para realizar, em vocês, entre vocês, entre as Dimensões, entre os seres e as Consciências povoando as outras Dimensões.
A instauração e a instalação do Canal Mariano são, muito exatamente, o que lhes permitem encontrar o fio condutor da Vibração, ligando-os à Unidade.
O desdobramento das Portas Vibrais, no nível desse corpo, são os pontos de ancoragem da Luz.
Bem além do Canal do Éter, bem além das Coroas Radiantes, da Lareira do Sacro, permitindo à Luz penetrar e fusionar, diretamente, o conjunto das suas células desse corpo, mas, também, a sua Consciência.

***


Pergunta: se algumas lagartas se transformam em borboletas, aquelas que não se tornarem borboletas iriam continuar a viver nesta Dimensão?

Nesta Dimensão não quer dizer neste mundo, já que este mundo onde vocês estão vai ascensionar, definitivamente.
A Terra, chamada de 3ª Dimensão, não vai mais existir.
Será necessário, então, para essas Consciências que fizeram a escolha de permanecer nesse corpo de carbono, experimentar a Liberação, face a face, e a Vibração com a Luz Unitária, a fim de se reconectar com a Luz.
Cada Consciência (e não cada personalidade) é totalmente livre para estabelecer-se na Dimensão que for a sua, ou na sua origem estelar, ou na sua origem Dimensional.
Mas pode também decidir, com total Liberdade, continuar a experiência, não da separação, mas do que foi denominado, então, 3ª Dimensão, mas Unificada.
Naquele momento, a Consciência será limitada, mas não estará mais confinada.
Ela irá depender de um corpo, e irá decidir, no momento que lhe for próprio, libertar-se deste conceito de densidade, chamado de 3ª Dimensão.
A Multidimensionalidade exprime-se a partir do momento em que a Consciência não for mais dependente, nem de um corpo, nem de um tempo, nem de um espaço.
Mas isso, o seu mental, o seu cérebro, não pode compreender, porque ele tem o hábito de funcionar em meio a uma localização, em um corpo e em um espaço determinados.
Como isso foi dito: vocês estão localizados no tempo e no espaço.
Nos Universos Unificados e nos estados Multidimensionais do ser, não existe qualquer localização, tal como vocês podem concebê-la e vivê-la neste mundo.
Da mesma forma que vocês podem decidir ir a tal lugar, para viver tal coisa, sobre este mundo, aí onde vocês estão atualmente: vocês decidem o local aonde vocês vão no que vocês chamam de férias, vocês decidem (se as condições da Ação / Reação lhes permitirem) estabelecer-se em tal lugar.
Tudo isso será profundamente diferente, a partir do momento em que o lugar onde vocês irão querer se estabelecer não existir mais, muito simplesmente.
Então, o que será de vocês?
A irrupção do Supramental, a densificação do Supramental, neste mundo (que vocês vivem, de maneira individual, e cujas etapas anteriores foram, como lhes disse o Arcanjo MIGUEL, a Desconstrução e, depois, a transformação final que vocês estão prestes a viver), faz com que vai chegar um momento em que tudo irá desaparecer.
Tudo o que é ilusão vai desaparecer, completamente.
Se vocês quiserem manter alguma forma de localização, através de uma estrutura de carbono denominada Unificada, será preciso, efetivamente, naquele momento (seja com esse corpo ou sem esse corpo), estabelecer-se no que é chamado de 3ª Dimensão Unificada.
Isso não poderá acontecer em um lugar que, Vibratoriamente, não vai mais existir.

***


Pergunta: o que aconteceu no dia 10 de novembro, entre MIGUEL e URIEL?

Bem amada, a nova Tri-Unidade, durante essa passagem, foi constituída pela Vibração e pela Consciência de MIGUEL, de CRISTO, ou, então, de CRISTO / MIGUEL e de MARIA.
Isso foi denominado Nova Eucaristia ou Nova Aliança, permitindo realizar a Tri-Unidade, então, a sua própria Unidade de Consciência, em meio à nova Dimensão.
 O que aparece é o papel da Transparência, ligado, como vocês sabem, ao Anjo METATRON, que entregou as Chaves Metatrônicas da Liberação e da Liberdade para vocês.
No que se refere a URIEL, Anjo da Presença e da Reversão, ele permite a Última Passagem e o Último Salto que possibilita a Reversão e a Passagem, da personalidade egotista, ao Coração.
Não em um conceito, não em uma ideia, não em uma emoção, mas na Verdade do que é para viver.
A passagem da Tocha é, então, uma passagem Vibratória, permitindo alinhar-se na nova gama de frequências, a título individual, e preparando, assim, deste modo, a passagem para o coletivo.
Pelo seu trabalho (como isso foi dito, em várias ocasiões) de ancoragem e de semeação da Luz, vocês realizam o assentamento da Nova Jerusalém, nesta Terra, permitindo à Consciência passar (sem desgastes, sem medo, e em total Liberdade) em meio aos Mundos Unificados.
Eu os lembro, para ilustrar isso, de que o conjunto dos seres humanos que vivenciaram uma experiência às portas da morte, ou que vivenciaram um acesso ao Estado de Ser, disse, muito exatamente, para a maioria deles, a mesma coisa: o inferno é aqui.
Em outros lugares há a Liberdade.
Em outros lugares há o Amor.
O amor tal como vocês o vivem, sobre este mundo, não é o Amor.
Ele é apenas o confinamento, em um relacionamento, em um afeto, em uma necessidade de ‘vontade de bem’, mas ele não é a Liberdade e, ainda menos, a Liberação.
O Amor é uma Vibração, refletindo-se pelo que nós chamamos de Fogo do Coração, que é o Fogo do Espírito e que torna Livre e que os liberta de todo confinamento.
*

Agora, a Luz jamais irá obrigá-los a juntar-se à Luz.
Mas vocês não podem pretender ser a Luz e manter qualquer ilusão.
Isso era ainda possível no período das Núpcias Celestes e até ainda a pouco tempo.
Quanto mais os dias transcorrerem, mais a sua Consciência individual vai dar-se conta, através das suas próprias experiências, de que se aproxima um momento chamado de dissolução ou de estase [catalepsia].
Há momentos em que vocês penetram as esferas do Estado de Ser, pela Vibração e pela Consciência.
Naquele momento, vocês não estão mais neste mundo.
Isso é uma ilusão?
Isso é uma Verdade?
Tudo depende do seu ‘ponto de vista’.
E são vocês que irão decidir, na sua alma e na sua consciência, podemos dizer, estabelecer-se em tal gama de frequências, ou em tal outra gama de frequências.
Ninguém virá ajudá-los a passar a Porta.
Ninguém pode substituir o que vocês são, para viver a Unidade.
A Última Passagem, que está prestes a se realizar, corresponde à passagem da Porta Estreita, mas antes de passar esta Porta Estreita, é preciso Liberar-se, por completo, Interiormente e em consciência, de tudo o que é obstáculo para a leveza, de tudo o que é obstáculo para a Unidade.
Mais uma vez, a Unidade não é um conceito, ela é um estado de Consciência, mas este estado de Consciência irá se tornar cada vez mais incompatível com a consciência fragmentada da personalidade.
 É sobre isso que vários de vocês vão fazer a experiência.
Agora, se vocês não fizerem a experiência, bem, não se coloquem questões, contentem-se em prosseguir a sua vida e em viver o que vocês têm que viver.
O momento final, coletivo, da humanidade, irá permitir-lhes encontrar a Luz e se estabelecer, naquele momento, na Vibração na qual vocês estão.
Não há, então, qualquer medo a manifestar.
Há, apenas, uma preparação a realizar e esta preparação é Vibratória.
Ela não se refere mais, agora, às circunstâncias de vida (o fato de afastá-los de tal ou tal região, de juntá-los com tal ou tal pessoa) porque a Inteligência da Luz está, na totalidade, trabalhando, quer vocês aceitem isso ou não.
Isso os coloca frente ao seu próprio Ser, no seu futuro, no seu Ser profundo, e na realidade da sua Consciência, ou seja, segundo o seu próprio ponto de vista.

***


Pergunta: uma escolha feita em consciência pode ser contrariada por uma escolha da alma?

Bem amado, você poderia especificar o que você chama de escolha feita em consciência?
Onde se situa a Consciência?
Na personalidade ou no Estado de Ser?
Existe uma consciência da personalidade.
Existe uma consciência da alma.
E existe uma consciência do Espírito ou do Estado de Ser.
São três gama Vibratórias completamente diferentes e contraditórias.
Assim, quando você diz: “fazer uma escolha em consciência”, de qual consciência você está falando?
Todo ser humano, sobre o planeta, desde que existe uma abordagem espiritual, é claro, quer a Luz.
Mas será que querer a Luz é Ser a Luz?
Ser a Luz é Abandonar, justamente, toda a vontade.
É apagar-se, tornar-se o menor, tornar-se o mais humilde e o mais simples.
A característica, essencial e principal, da personalidade, é recusar a simplicidade, é recusar a evidência e recusar a Luz, porque a Luz implica, para ela, no medo da dissolução, no medo do desaparecimento desse corpo, no medo de todas as projeções da consciência, com relação ao que vocês chamam, por exemplo, de casal, de filhos.
E, no entanto, quando vocês deixam esse corpo, pela Porta da morte, o que resta dos seus apegos, senão as suas crenças, já que o apego real não pode mais existir, tal como existe neste mundo?
Então, qual é a escolha, em consciência, que foi relatada?
As escolhas da alma pertencem à matriz.
A alma é uma criação da matriz.
Isso foi explicado, muito longamente, pelo IRMÃO K, com relação à alma voltada, justamente, para a encarnação, para a matéria, e não para o Espírito.
Quando o Espírito se revela e é vivido, o corpo e a alma não existem, tão simplesmente, mais.
Crer que a alma vai conduzi-los, sobre este mundo, para alguma Liberação, é uma ilusão que foi chamada, pelo IRMÃO K, de Luciferiana (ndr: intervenção do IRMÃO K de 7 de julho de 2011) (3), nada tendo a ver, é claro, com Lúcifer, redimido desde muito tempo.
Mas isso corresponde ao Eixo, alterado e falsificado, da Luz, denominado ATRAÇÃO / VISÃO.
O alojamento da alma, relacionado com a Porta AL (chakra de enraizamento da alma) está em contato direto com o que é chamado de Porta VISÃO, situada no nível do fígado (ndr: ver a coluna “protocolos a praticar”) (1).
Enquanto existir uma projeção da Consciência, no exterior, neste mundo, enquanto vocês crerem ser dependentes de um karma, de um passado, qualquer que seja, mesmo ontem ou em uma vida passada, vocês não são Livres.
E vocês não irão encontrar a Liberdade por esse viés.
Isso resulta, diretamente, de um conjunto de mecanismos associados às leis da Matriz, às leis da alma, que não são as leis do Espírito.
As leis deste mundo não são as leis dos Universos Livres.
Toda sutileza das forças de confinamento foi fazê-los crer, e fazê-los aderir, a esses diferentes princípios.
O princípio de reencarnação, que vários seres na busca espiritual aceitaram como uma evidência (ou porque era uma crença muito útil para explicar os seus problemas, ou porque eles tinham acesso, realmente, à memória das suas vidas passadas), é apenas um confinamento.
Não pode existir qualquer Liberação enquanto o Espírito não for revelado.
A alma tem o belo papel, de alguma forma, de fazê-los crer que vocês dependem de contratos, que vocês dependem de afeição, que vocês são dependentes dos erros que vocês cometeram no passado.
Quando vocês alcançarem o Espírito, e quando vocês viverem o Espírito, tudo isso vai desaparecer, porque isso é apenas a cortina de fumaça colocada diante da tela da Consciência.
Mas se sua crença, e se sua vivência, estiverem ligadas a esses contratos de alma, a esses impulsos da alma voltados para a matéria, então, vivam isso.

***


Pergunta: todas as manifestações sobre a nova Terra serão necessariamente ilimitadas?

Sim.
Na medida em que, uma vez transpostas as Portas da 3ª Dimensão dissociada (que é, eu os lembro ainda, a sua Dimensão de experiência, seja qual for o seu acesso ao Estado de Ser), não existe mais qualquer confinamento possível, nem em um corpo, nem em uma forma, nem em um tempo, nem em um espaço, nem em uma Dimensão, nem em meio ao Sistema Solar.
A Consciência vive a Liberdade total.
O Espírito é imaterial porque não presente nesta Dimensão.
É o próprio princípio do confinamento.
Quando vocês vivem o Espírito, vocês são o conjunto da criação e o conjunto das criaturas, quaisquer que sejam.
É a consciência fragmentada da personalidade confinada e da própria alma que faz crer que existem leis, regras, hierarquias ou o que quer que seja, privando-os da Liberdade.
O Espírito é Livre, de toda Eternidade.
Ele não tem nem início, nem fim.
Ele não tem necessidade de qualquer evolução já que ele é perfeito, de toda Eternidade.
Somente a alma e a personalidade creem, neste mundo, que existe necessidade de evoluir, necessidade de se aperfeiçoar.
O Espírito não pode crer nessas coisas porque ele é a Verdade da Consciência que é perfeita, de toda Eternidade.
Então, como vocês podem conceber, ou mesmo crer, que vocês têm necessidade de evoluir ou de buscar o que quer que seja, já que a Unidade está presente, de toda Eternidade?
Simplesmente, é o acesso à sua Unidade que foi restringido por uma série de princípios de confinamento, tendo-os, cada vez mais, confinados em meio à personalidade.
Não há razão alguma para manter qualquer personalidade, qualquer alma, nos mundos da Verdade, porque vocês absolutamente não estão mais limitados pelo que quer que seja.
Não existe mais barreira, não existe mais partição, não existe mais fragmentação.
Essa é a sua Essência.
Essa é a sua natureza.
Essa é a sua Verdade.

***


Pergunta: a Terra já vivenciou vários desaparecimentos em massa, Ascensões...

Não foram Ascensões.
Foram processos de extinção maciça das vidas reproduzindo a matriz.
O que acontece, atualmente, nada tem a ver com isso.
A Atlântida não vivenciou a Ascensão.
A Atlântida vivenciou a sua destruição e o confinamento de novo na matriz.
A prova: vocês ainda estão aí e vocês foram aqueles que estavam na Atlântida.
O processo atual não é uma extinção, nem a reprodução de um quadro matricial confinante.
É a Liberdade e a Liberação.
Mas, é claro, aquele que está confinado na personalidade, e que deseja ali permanecer, irá chamar isso de destruição e de morte.
Mas isso é apenas o ponto de vista dele.

***


Pergunta: poderia falar do estado que consiste em se tornar observador de si mesmo?

Bem amada, tornar-se observador de si mesmo não é se colocar como um observador, simplesmente, que iria observar deslocar-se e atuar na vida.
É um mecanismo da Consciência que é muito mais sutil.
É o momento em que vocês tomam consciência, real e concretamente, de que vocês não são nem esse corpo, nem os seus apegos, nem os seus filhos, nem os seus pais, nem este papel, nem esta profissão, de que vocês são muito mais do que isso.
Naquele momento, e somente naquele momento, vocês se tornam os verdadeiros observadores, porque vocês não estão mais submissos a esta consciência fragmentada.
Vocês não estão mais sob o controle do seu próprio mental, das suas próprias emoções, das suas próprias mágoas e das suas próprias crenças, porque vocês não são mais nada disso.
Vocês vivem, naquele momento, real e concretamente, a Unidade.
Isso não é, portanto, um exercício para praticar, no sentido em que vocês poderiam entender, mas, sim, uma Reversão da consciência que os faz tomar consciência da ilusão deste mundo.
Por mais que vocês digam que este mundo é ilusão, e que o repitam durante 50.000 anos, ele não irá se mover um iota.
Ele estará sempre aí.
É a consciência que deve se transformar.
E a consciência se transforma, para um número cada vez mais considerável de seres humanos, através do que nós lhes demos, revelamos, e chamamos sua atenção e sua consciência sobre o que acontecia nesse corpo.
Porque esse corpo, como eu disse, é o Templo no qual se realiza a ‘alquimia’.
Que isso seja através das Coroas Radiantes da cabeça, do Coração, através do despertar do Canal do Éter ou do Canal da Kundalini, que isso seja através da Vibração das células do corpo, em última análise, o conjunto dessas manifestações (bem reais e concretas para aqueles que o vivem, mas que são uma ilusão para aqueles que não o vivem) vai levá-los a viver a ‘revolução da Consciência’, que é apenas uma reversão de toda projeção exterior (através dos apegos, dos medos, das crenças) para viver a Unidade.
Eis o que nós podemos dizer.
Mas, enquanto vocês não viverem isso, todas as palavras que poderiam ser aplicadas não têm qualquer sentido.
Elas apenas têm sentido para aquele que vive ou que se aproxima disso.
Não existe qualquer mecanismo de pensamento, qualquer mecanismo de conhecimento exterior que seja suscetível a fazê-los mover um iota para viver a Unidade.
Enquanto vocês crerem nisso, vocês estão submissos às leis da alma, às leis da matriz e às leis do confinamento.
Nenhuma lei do confinamento, mesmo compreendida e integrada, permite-lhes superar o confinamento.
O objetivo da Luz Vibral (através da Radiação do Ultravioleta, através da Irradiação do Espírito Santo, através da Irradiação d’A FONTE) tinha uma única intenção desde 1984, desde as Núpcias Celestes: fazê-los tomar consciência da ilusão deste mundo.
Não através dos mecanismos de pensamento, não através do fato de querer trabalhar sobre tal emoção ou tal atitude mental ou tal sofrimento, mas de se Abandonarem à Luz, como eu disse durante as Núpcias Celestes.
Permitindo-lhes, então, viver a transformação induzida pelo seu próprio Abandono, pela sua própria Humildade, pela sua própria Simplicidade, pela sua própria Transparência.
Os Pilares do Coração (que estão ativos, para alguns de vocês) são a prova absoluta de que o que vocês vivem não é uma ilusão, já que vocês vivem isso.
E, naturalmente, aquele que não vive qualquer dos Pilares, aquele que não vive qualquer das Coroas, apenas poderá refutar e rejeitar isso.
E ele terá razão, porque ele nada vive de tudo isso.
Deste modo, então, a Unidade não é uma dogma, a Unidade não é uma crença, mas é um estado de fato, Vibratório, que os leva a viver a Unidade, na totalidade.

***


Pergunta: esse pesadelo que vivemos, a encarnação, nós o desejamos, individual ou coletivamente? Ou nós fomos traídos?

Bem amado, empregar essa palavra ‘traição’ remete a dados históricos extremamente antigos.
Isso já foi desenvolvido e remonta a mais de 320.000 anos, e à chegada de algumas Forças, denominadas Arcônticas, neste mundo, tendo limitado a Liberdade de consciência.
Vocês não caíram porque, como o que é perfeito, por toda Eternidade, poderia cair em algum lugar?
A experiência da encarnação (em todo caso, para aqueles que estão presentes sobre esta Terra, desde tempos antigos), é apenas um confinamento no qual vocês não estão estritamente por nada.
A particularidade da consciência é que, quando ela está limitada na sua possibilidade Multidimensional, pouco a pouco, ocorre um mecanismo que eu prefiro chamar de esquecimento, e não de queda (porque a queda é uma culpa que lhes é atribuída, ao passo que vocês estritamente nada têm a ver com a queda de vocês).
O problema é o seguinte: a Luz Vibral, para muitos de vocês, sobre esta Terra, pode ser chamada de fogo do inferno, porque os condicionamentos fizeram-nos chamar a Luz de fogo destruidor.
Não é nada disso.
Tudo depende do ponto de vista.
Aquele que está confinado na encarnação e nas leis da alma, não pode conhecer o Espírito.
E, então, a irrupção do Espírito, ou da Luz Vibral, que ele não procurou, que se manifesta na consciência dele, é chamada de destruição, de fogo do inferno.
Mas, para aquele que vive a Unidade, isso se chama Liberação.
É exatamente o mesmo mecanismo que está em operação, mas tudo depende do grau de confinamento da consciência.
O esquecimento é um mecanismo terrível.
A memória é um mecanismo terrível.
E todos vocês sabem disso, em relação aos seus sofrimentos passados que interferem no seu presente.
Aquele que está na Unidade não tem qualquer sofrimento.
Ele pode ter a lembrança, mas ele não é mais afetado, porque isso foi transcendido, não por uma vontade pessoal, mas porque ele, realmente, tomou consciência de que ele não é nem o seu sofrimento, nem a sua alegria, nem a sua dor, nem o seu prazer.
De que ele está neste mundo, como dizia CRISTO, mas de que ele não é deste mundo.
Então, é claro, muitos seres humanos irão lhes dizer que a vida é magnífica neste mundo.
É a escolha deles.
E é, de qualquer forma, a Liberdade deles.
O que nós podemos fazer já que cada um apenas pode sair do confinamento por si mesmo?
Quando houve os mecanismos de destruição, a matriz reformou-se instantaneamente através das leis gravitacionais induzidas por essas Forças Arcônticas.
Hoje, o processo é diferente, porque as Forças Arcônticas não podem mais agir.
Elas foram neutralizadas, no Amor e na Luz Vibral.
Assim, portanto, o que chega, hoje, é a Liberação.
Mas algumas consciências, vivendo em meio à alma ou à personalidade, não podem aceitar tal eventualidade.
O que nós podemos ali fazer?
A Terra experimentou inúmeras transformações geológicas, das quais ela carrega as cicatrizes e as marcas.
A personalidade, tão efêmera como é, vive como eterna.
É o próprio princípio da personalidade e o próprio princípio do confinamento.
Eis porque o ‘choque da humanidade’ e suas diferentes etapas, que lhes foram dadas há um ano, neste próprio espaço (ndr: intervenção de SRI AUROBINDO de 17 de outubro de 2010) (4), correspondem, na totalidade, ao que deve viver cada ser humano.
Existem mortes violentas, sobre este mundo, que não implicam em qualquer necessidade, nem em qualquer utilidade de preparação.
Existem mortes lentas que necessitam, para essas almas, uma preparação, e que sempre passa pelos mesmos estratos de negação, de negociação e, enfim, de aceitação.
Mas o que chega, hoje, não é a morte.
O que chega é a Liberdade e a Alegria.
Porém, o que ali nós podemos fazer se uma Consciência estiver confinada em meio à alma, em meio à personalidade, e não Vibrar na frequência da Liberdade?
Nós, estritamente, ali, nada podemos.
Mas, é preciso muito, que um dia, a experiência do confinamento, desejada por outra coisa que a sua própria consciência, termine, de uma maneira ou de outra.
Vocês não podem aderir ao fato de ser Sementes de Estrelas, de ser Espíritos Livres e aceitar permanecer confinados, em um corpo, em um esquema de vida ou em uma Dimensão.
Mas, isso, vocês não podem aceitar enquanto vocês não viverem o Estado de Ser.
As experiências de morte iminente que fizeram alguns seres sair, simplesmente, desse corpo e ver a Luz ao longe (para a maioria, sem penetrar na Luz), bastaram para mudar a vida.
Vocês imaginam bem, então, que o momento coletivo da humanidade (correspondente à rachadura do Céu e ao momento em que a Verdade irá lhes aparecer) irá libertá-los, de um modo ou de outro, enquanto respeitando a sua Liberdade.

***


Pergunta: poderia nos falar da noite escura da alma e se todos os seres a vivenciam?

Bem amada, ‘a noite escura da alma’ foi objeto de inúmeras comunicações.
É difícil de retornar a isso.
Por outro lado, eu posso falar sobre o segundo aspecto da questão: não, a noite escura da alma não é vivenciada por todos.
Ou, em todo caso, podemos dizer que ela é vivenciada em diferentes níveis, segundo a maior facilidade para viver a Vibração.
A noite escura da alma é, justamente, o momento em que a alma decide aceitar que tudo, neste mundo, apenas pode ser escuridão, que não há qualquer esperança de Liberação, neste mundo.
Isso pode ocorrer e se manifestar durante o sofrimento extremamente doloroso da perda de uma projeção, através de um ser amado, por exemplo, ou da perda de um filho ou de um parente.
Um sofrimento indizível invade, naquele momento, a alma, que não tem fim, neste mundo.
E é naquele momento que a alma pode se voltar (o que não é sempre o caso, é claro) para a Luz, ou seja, para o Espírito, e sair, naquele momento, do confinamento.
A noite escura da alma, qualquer que seja a intensidade do sofrimento que foi proposto (no tempo ou na própria intensidade), vai, justamente, permitir-lhes transcender os limites da alma e sair, de Verdade, do confinamento.
Não há, então, que caluniar, nem que maldizer este princípio, mas, sim, que se apreender, de algum modo, dos mecanismos superiores.
Esta noite escura da alma pode existir ou não existir.
Ela pode tomar, para alguns seres, a forma da perda de um ser querido.
Ela pode tomar, também, o aspecto de uma doença fulgurante pondo em jogo, em um prazo muito curto, o seu prognóstico vital.
Esse mecanismo, que parece terminar com a vida da personalidade, leva-os, justamente, a viver a Unidade e a Verdade.
Enquanto vocês não vivenciaram a sua própria Unidade, vocês apenas estão submissos às suas crenças, vocês apenas estão submissos aos seus impulsos da alma, vocês apenas estão submissos à sua história pessoal, em meio a este mundo.
Mas vocês sempre estão sobre este mundo.
Viver a Unidade os faz sair deste mundo, enquanto ali permanecendo.
É a Consciência que sai do confinamento, que habita ainda, por um tempo, esse corpo e que não se identifica mais nem com a alma, nem com o corpo, nem com a personalidade, nem com coisa alguma que esteja presente na superfície deste mundo.
Somente naquele momento é que vocês podem viver a Liberdade, porque vocês estão Livres.
A noite escura da alma contribui para fazê-los atravessar a Porta Estreita, durante essa terceira Passagem.
Para isso, é preciso apoiar-se nos Pilares do Coração: a Humildade, a Simplicidade e a Transparência.
É naquele momento que a Luz pode penetrar, eu diria, sem resistência, em vocês.
A maior parte dos seres que lhes falam, enquanto Anciãos, vivenciou, durante a sua vida, esta noite escura da alma.
Ou através da perda de um ser querido, como IRMÃO K.
Ou durante uma noite com uma agonia extrema da morte, como UM AMIGO.
Ou, ainda, meditando frente ao sol, como o Comandante (ndr: O.M. AÏVANHOV).
Naquele momento, há uma extração total da ilusão.
Será que, no entanto, esses seres saíram deste mundo?
Não.
Eles tentaram (cada um, colorido pela sua vivência, pela sua cultura) expressar, da melhor forma possível, naquela época, o que era a Unidade.
Mesmo se alguns não conseguiram, naquele momento, apreender o que era a história, ou seja, eles não tiveram acesso ao princípio de falsificação ligado a Deus, ao Diabo e a Yaldébaoth, e empregaram essa palavra, obviamente, mas sem saber o que havia por trás.
Mas o importante não foram as palavras que eles empregaram, mas o estado de consciência no qual eles estavam.
Eu falo, é claro, do Comandante.
Ou seja, adicionando alguns elementos, não exatamente a mesma coisa para o que vocês chamam de seres de polaridade feminina e, em particular, as Estrelas que, umas como outras, a maioria delas, lhes deram o seu caminho durante a sua última vida.
A natureza feminina (denominada assim, neste mundo) tem muito mais facilidade para abandonar o poder, visto que a natureza masculina está associada ao poder, em um lado dito exteriorizado (denominado yang, se vocês preferirem), mas que corresponde a um desequilíbrio mais acentuado do que a natureza feminina, fazendo com que a natureza feminina esteja mais apta, ainda hoje, para encontrar a Unidade, para Vibrar em meio à Unidade, muito mais facilmente do que o homem.

***


Nós não temos mais perguntas, nós lhe agradecemos.

***


Bem amados Filhos da Luz, bem amadas Sementes de Estrelas, eu rendo Graças pelo seu acolhimento, pela sua escuta e pela nossa Comunhão.
Eu lhes peço para aceitarem a minha Comunhão.
Até uma próxima vez.

... Efusão Vibratória / Comunhão ...



************


1 – ‘Série **PROTOCOLOS** - a contar de 7 de novembro de 2011’
*

2 – SRI AUROBINDO (20.11.2011)
*

3 – IRMÃO K (07.07.2011)
*

4 – SRI AUROBINDO (17.10.2010)

***


Mensagem do Bem Amado ARCANJO ANAEL no site francês:
20 de novembro de 2011
(Publicado em 21 de novembro de 2011)

***


Tradução para o português: Zulma Peixinho


************


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário