RAM - 06 de setembro de 2008 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




- Intervenção de RAM -
Sri RAM Chandra

“Se vocês aprenderem a gerar o silêncio no silêncio, tornar-se-á extremamente mais fácil e rápido encontrar o silêncio no barulho”.




~ A experiência do Silêncio ~

Eu volto a vocês para prosseguir o ensinamento, através de palavras, através da Luz, através do silêncio e da plenitude.
Vamos, esta noite, abordar, de maneira mais profunda, uma série de conceitos em relação ao silêncio.
Como todas as tradições nesta Terra afirmaram e demonstraram, o silêncio é o ato essencial que acompanha os momentos espirituais específicos denominados iniciações.
Toda passagem, toda revelação, toda transformação pode ser vivida apenas através do silêncio.
Para além dessa simples palavra, quais são as noções veiculadas pelo fato de fazer silêncio e aquelas que não o são?
A primeira das coisas é compreender que o silêncio é plenitude.
O barulho é a ausência de plenitude.
As palavras, as músicas, os pensamentos, as relações fazem parte do barulho.
O barulho é feito para manter um estado.
O silêncio é feito para transformar e passar de um estado a outro.
O que significa que, para passar de um estado a outro, de densidade vibratória mais forte ou mais densa, será necessário cessar o barulho da dimensão correspondente.
Na encarnação de forma onde vocês estão, o barulho é essencialmente composto de suas palavras, do alarido de seus pensamentos, de seus movimentos e de tudo o que mantém a dualidade.
Todos os ritmos da forma e da encarnação são, por essência, duais.
Eles participam da manutenção da dualidade.
O barulho é, portanto, de essência dual.
O silêncio faz parte, quanto a ele, da Unidade.
Fazer silêncio é o primeiro passo para a parada de uma determinada manifestação que prepara uma passagem à Unidade.
Os mundos denominados espirituais são definidos pela presença da Luz e pela presença do Espírito.
O mundo dual e os mundos duais são caracterizados pela ausência dessa dimensão própria do silêncio.

***

MA ANANDA MOYI - 04 de dezembro de 2011 - Autres Dimensions



- Intervenção da Estrela AL -

“Então, é claro, não é questão de dizer que a oração é útil ou inútil, mas, simplesmente: o que vocês rezam e como vocês rezam? Lembrem-se: o Coração é um estado de Ser que é permanente e que não está sujeito a quaisquer oscilações, ligadas a alguma privação. Pois, no Coração, tudo é plenitude e abundância, permanentemente.”

ÁUDIO mp3 ORIGINAL:


Eu sou MA ANANDA MOYI.
Queridas Irmãs e Irmãos, eu lhes peço para receberem minhas saudações e minha Presença.
Nós seremos, neste local e neste dia, três Irmãs a intervir entre vocês, cada uma portadora da Vibração de uma Estrela.
Essas três Irmãs, de que eu faço parte, e essas três Estrelas, estão ligadas a um aspecto Tri-Unitário particular que está em ressonância, bem além da razão, com a lógica do Coração e que emite a Vibração AL, UNIDADE e PROFUNDEZ.
Nossa intervenção, nossa tríplice intervenção, será encerrada, se pudermos dizê-lo, pelo Arcanjo ANAEL, Arcanjo do Amor e do Relacionamento e da Comunhão.
Eu venho, hoje, para estar presente com vocês e, sobretudo, para Comungar.
Eu venho, também, e isso se inscreve diretamente na sequência do que eu disse, há uma semana, e no que foi expresso, ontem (pelo IRMÃO K), em relação ao Amor.
Então, eu venho, hoje, simplesmente para escutar suas questões referentes ao Amor e tentar, pela nossa Comunhão conjunta e pelas palavras que eu pronunciarei, fazer com que nós nos aproximemos, juntos, deste Amor Vibral, deste Amor que engloba, é claro, o ser humano, mas que se instala bem além do que é compreensível e alvejado pela razão.
Então, por favor, vamos prosseguir, juntos, através de suas perguntas em relação ao Amor.
Eu os empenho, então, a colocar questões que os permeiam porque elas se referem, bem além de sua simples presença aqui, é claro, a muitos Irmãos e Irmãs, sobre a Terra, hoje, através do que vocês vivem, através do que irão viver.
Então, nós nos escutamos uns e outros, nesta Comunhão particular.
Eu especifico que as minhas duas Irmãs, TERESA e GEMMA, estão aí também, ao mesmo tempo que eu, pois foram Elas que preparam este espaço, para o nosso espaço de Comunhão e de partilha, que eu abro agora.
Eu os escuto.

***