UM AMIGO - 14 de março de 2010 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação





- Ensinamentos de um Iogue -


ÁUDIO mp3 ORIGINAL:

~ A CONSCIÊNCIA e A LUZ ~

Meus Irmãos e minhas Irmãs, recebam as minhas homenagens.
Chamem-me de UM AMIGO, como eu espero que vocês se tornem meus amigos.
Eu sou um dos Melquizedeques. 
Eu venho, em meio a esta densidade e a esse canal, desde pouco tempo.
Eu venho essencialmente para falar-lhes da Consciência, da sua Consciência.
A sua Consciência que, atualmente, literalmente percorre dois aspectos da vida, dois aspectos da manifestação.
Um aspecto que lhes é conhecido, que é aquele da sua consciência comum, habitual, aquela que experimentam, desde o seu nascimento, em meio a este mundo e em uma nova Consciência, muito mais expandida, muito mais vasta do que aquela que bem conhecem.
Eu venho lhes falar também da Luz.
A Consciência e a Luz são Vibração.
A Luz é Consciência e a Consciência pode tornar-se Luz.
A consciência comum, aquela que conhecem, não é Luz.
Ela é ação e reação, ela é um jogo permanente entre a Sombra e a Luz.
A nova Consciência, aquela que alguns de vocês começam a viver, a experimentar e a percorrer, é a Consciência da Luz, onde não existe qualquer separação, qualquer divisão e qualquer contradição.
Se vocês estão aqui, eu concluo, logicamente, que o que vocês buscam é esta Consciência nova e a Luz, além do jogo da Sombra e da Luz.
A Luz chamada de Unidade é Unitária, em relação então com a Consciência Unitária.
A sua consciência habitual tem o hábito de funcionar segundo as regras do antagonismo da ação, da reação, do eu amo e eu não amo, ao passo que vocês ouviram falar (e talvez experimentaram) da Consciência nova, aquela que o Bem Amado SRI AUROBINDO chama, e a chamou na sua vida, de Supramental.
Esta Consciência que está vindo para vocês (e que é vocês, em um outro momento, em um outro espaço) é uma Consciência que não conhece a oposição.

*** 

Esta Consciência nova é marcada pela transparência, pela integridade, pela benevolência, pela equidade e pelo sentimento bem real de pertencer ao universo e não mais somente a este mundo.
As portas estão se abrindo, como vocês sabem.
Os Arcanjos, e em especial o Arcanjo MIGUEL, trabalhou com vocês, a fim de permitir que algumas portas se abrissem.
A Consciência nova é oferecida a vocês e entregue a vocês a fim de lhes permitir, a seu ritmo, experimentar o que é esta Consciência nova, de vivê-la, de manifestá-la e de apreender o seu alcance e os seus efeitos.
Eu vou intervir muitas vezes, durante o seu trabalho de abordagem da Luz e desta Consciência nova.
Muitos elementos já lhes foram dados e transmitidos, quer seja por SRI AUROBINDO ou ainda pelo Arcanjo ANAEL, particularmente sobre as condições prévias e propícias ao estabelecimento da Luz em vocês.
Também foram comunicados, durante a conexão (ou, de preferência, durante a reconexão com esta Consciência Unitária), alguns fenômenos Vibratórios que muitos de vocês aqui vivem e experimentam por intermitência ou permanentemente.
O Fogo do Coração é uma das manifestações.
Em breve, assim como eu disse na minha intervenção anterior, uma série de adições desta nova Consciência manifestar-se-á na sua densidade e mesmo neste corpo físico que vocês transportam e habitam.
A Luz que vocês procuram não é deste mundo.
Ela passa obrigatória e necessariamente por uma percepção consciente e real do que vocês são e de quem vocês são.
Vocês não podem reivindicar a Luz sem se conhecer a si mesmo.
Conhecer-se a si mesmo não é conhecer o seu passado, não é conhecer os seus defeitos, não é se conhecer no nível da personalidade, mas é, sobretudo, conhecer-se no nível da Verdade, no nível da Unidade e isso apenas ocorre por uma depuração progressiva da personalidade.
Esse foi o caso durante muitos milênios quando, efetivamente, era preciso passar por esta depuração, esta decantação progressiva da consciência grosseira, a fim de deixar aparecer e emergir a Consciência Luminosa.

***

PHILIPPE DE LYON - 04 de agosto de 2010 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




- Ensinamentos do Mestre Philippe -

ÁUDIO mp3 ORIGINAL:

~ A Porta Estreita ~

Saudações a vocês, Irmãos e Irmãs.
Eu sou o Melquizedeque da Terra (Elemento Terra) que foi, outrora, Mestre PHILIPPE.
Eu intervenho muito raramente.
A pedido de OMRAAM MIKHAËL, eu venho, hoje, falar-lhes, falar sobre a Porta Estreita.
Eu não vou falar a mesma linguagem, mesmo se a finalidade for a mesma que a de UM AMIGO.
Eu venho, quanto a mim, falar de alguns elementos que vocês precisam adotar, na sua vida, no nível psicológico, no nível do seu comportamento, das suas ações, se desejarem se aproximar dessa Porta Estreita e passar sem muita dificuldade.
Essa Porta Estreita, obviamente, ela que foi denominada, por CRISTO, durante a sua vida, o ‘buraco da agulha’.
É sobre esse local que CRISTO disse: “ninguém pode penetrar no Reino dos Céus se não se tornar como uma criança”.
É isso que é chamado de passagem do 8º. ao 9º. Corpo, através do nascimento do Embrião Crístico, a passagem do ego ao Coração, que irá acontecer muito melhor se vocês adotarem alguns preceitos dos quais eu venho lhes falar.
***
Primeiramente, o Coração é simples, tão simples, tão evidente, que o ego faz absolutamente tudo para afastá-los dessa simplicidade e dessa evidência, através mesmo de algumas buscas que vocês podem fazer, que são supostas de aproximá-los do Coração, mas que os afastam.
Ir para o Coração e preparar a passagem do Coração, necessita de uma revolução Interior.
Isso necessita de vários ajustes, de reversão, e de mudanças de funcionamento, porque tudo confronta o ego com o Coração.
Poderia ser compilada uma lista dos opostos, sem fim, mas, em meio a essas oposições, são os pares de opostos mais propícios a fazê-los compreender:
O ego é então complicado. O Amor é simples.
O ego constrói e especula. O Coração é espontâneo e não reflete.
O ego sempre irá situar na ação e na reação, da emoção. O Coração se situa na Ação de Graça.
O ego é alternância e oscilação e sucessão de Alegria, de dor, de prazer, de sofrimento. É caracterizado por uma instabilidade permanente. O Coração é Alegria. É caracterizado por uma estabilidade quase permanente.
O ego toma. O Coração doa.
O ego guarda tudo para si. O Coração não guarda nada para ele próprio.
O ego é também, infelizmente, o que cada um constrói na sua vida estudantil, de relações afetivas, de ligações. Um conjunto de crenças que permite construir, como se diz, a personalidade e de se ter sucesso na empreitada, mais ou menos bem, nesse mundo. Há, em meio ao ego, uma linha de conduta se referindo ao passado e definindo o presente em relação a uma projeção no futuro. O Coração é simples. Não conhece nem passado, nem futuro, não tem que fazer construções, não tem que elaborar crenças ou projeções.
O ego é peso, mesmo quando ele está alegre. O Coração é leve, sejam quais forem as circunstâncias. Ele é Alegria verdadeira.
O ego interpreta e projeta. O Coração nada interpreta, nem projeta. Ele é.
O ego procura evitar, muito sub-repticiamente, mesmo se ele reivindicar, o Coração. O Coração, quanto a ele, nada tem a ver com o ego, já que o transcende, o supera em Vibração e o dirige.
O ego tem necessidade permanente de ser tranquilizado. O Coração é segurança e certeza.
O ego está sempre em eterno questionamento: “isso é bom? Não é bom?”. O Coração não tem o que questionar. Ele não se coloca a questão de saber se está bom, já que estando centrado nele mesmo, ele está bem. Ele transcendeu o bem e o mal.
O ego tem sede de conhecimento ou de humildade, neste momento ele atua com falsa humildade, com mascaramento. O Coração não se coloca a questão do reconhecimento ou da humildade, já que ele é isso.
O ego é resistência. O Coração é abandono.
O ego é submisso à ação e reação. O Coração é livre em meio à Ação de Graça.
O ego separa. O Coração inclui.
O ego se apropria. O Coração restitui.
O ego sofre. O Coração não pode sofrer.
O ego discerne e julga permanentemente. O Coração não discerne. Ele é. E sobretudo ele não julga.
*
Se vocês tomarem essa lista, relativamente curta, vocês têm uma boa visão do que precisam aceitar ver, em meio ao ego, não para combater porque, naquele momento também, vocês permaneceriam no ego.
Não é um combate, mas bem o que eu chamei, em minha vida, de fé total, que facilita a passagem no Coração.
Em meio ao ego, vocês estão sozinhos.
Mesmo casados, mesmo com seus filhos, vocês mantém relacionamentos.
Vocês mantém seduções.
Em meio ao Coração, vocês não estão sós por que CRISTO ali está.
Não há mais sedução, não há mais solidão.

RAM - 11 de outubro de 2009 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




  - Ensinamentos de RAM -
Sri RAM Chandra



~ NA UNIDADE DAS DIMENSÕES ~

Eu sou RAM.

Recebam as minhas bênçãos.

A um ano atrás agora do seu tempo terrestre, eu lhes comuniquei a maneira mais fácil de ativar, em vocês, a Vibração do seu Ser, no nível do seu Coração (1).

Ter acesso à Vibração, no cerne do Coração, era preparativo para vocês vivenciarem as Núpcias Celestes propostas pelos Arcanjos.

Eu venho, hoje, dar-lhes alguns elementos em relação ao mesmo Coração.

A um ano atrás, eu lhes defini o que era o Coração e a sua Vibração.

Eu lhes disse também que o Coração era a porta que conduz à Realização do Ser.

Eu gostaria de chamar a sua atenção, em relação aos novos conhecimentos revelados pelos Arcanjos, no tocante a uma problemática importante do Ser Humano, relacionada à
 dualidade e à Unidade.

Todos os Seres que percorreram o caminho do Ser, nas diferentes tradições e nos diferentes séculos, todos insistiram no acesso a uma dimensão interior, além das vicissitudes deste mundo e da dualidade deste mundo.

Mantendo o seu corpo e a sua Consciência nesta dualidade, eles exploraram regiões internas, isolando-se, de alguma forma, da realidade dual, para penetrar, através de técnicas ou de meios, como a meditação, em um santuário onde, em todas as tradições, reconduziam a sentimentos e vivências relacionadas com a Paz e a Unidade.

Eles se expressaram de diferentes formas, em relação à Luz, em relação à Alegria, em relação a um estado especial chamado de Estado de Ser, de Presença, de Realização do Ser ou, ainda, de Samadhi.

Os poucos Seres que tiveram acesso a este estado falaram de um estado onde o espaço não é mais o mesmo, onde a Consciência não é mais a mesma, onde surgia outra realidade, uma realidade que era capaz de transformar e de iluminar, de certa forma, o caminho da sua Vida, em meio à dualidade.

Historicamente, em todas as tradições, o Coração foi a porta.

E somente vocês, por um procedimento consciente, poderiam ali entrar.

Vocês não precisavam de alguma coisa pertencente a este mundo para entrar, mas simplesmente precisavam tentar abstrair-se desse mundo, não para dele se extrair, mas simplesmente para apreender uma
 nova Consciência.

De muitas maneiras, assim, surgiram, sobretudo no oriente, diferentes formas de Yoga, uma das quais eu privilegiei durante a minha vida.

No entanto, e vocês percebem, hoje, que penetrar no santuário do Coração os leva a viver outras experiências novas.

Mas, trata-se do mesmo princípio, do mesmo esquema e do mesmo funcionamento.

***


A grande diferença, vocês compreendem, é que, ainda desde algum tempo, era uma estrada que o Ser percorria sozinho em direção ao Si.

Este caminho para o Si era solitário, independentemente das técnicas.
Hoje, assim como alguns de vocês entenderam e compreenderam, Seres especiais, além deste mundo onde vocês vivem e onde eu vivi, manifestam-se pela sua Vibração e pelos seus efeitos sobre a Consciência.Eles ajudam vocês.Eles permitem engajar-se em um caminho, o caminho de volta para Si mesmo.

A grande novidade é a sua manifestação em uma escala como nunca existiu na história desta Humanidade.

Pelo menos no nível dos livros sagrados, exceto, talvez, em escritos antigos como o Mahabharata, remetiam-nos a epopeias empregando, em cena e em ação, os princípios Criadores, na forma de Entidades Luminosas, percorrendo o Céu em carruagens Celestes e de Luz.

Durante muito tempo, o Ser Humano foi cortado desta comunicação com estes planos.

Hoje, como vocês podem constatar, muitos Seres humanos descobriram, indo ao Si, muito mais coisas do que o Si e, em particular,
 esta possível conexão com Seres que não existem na sua realidade dual.

Esta é uma Verdade importante.

No entanto, isso não altera o princípio do retorno ao Si, mas simplesmente o nível desta descoberta, a interação do Si com os planos multidimensionais vindo ao seu encontro.

Não existe, neste nível, nada de suspeito ou de extraordinário, a não ser, pela sua Consciência experimentando este retorno a si mesmo (por meio de testemunhos ou de histórias), a descoberta da inclusão de mais uma Dimensão.

No entanto, a porta do Coração é e vai permanecer sempre o eixo da volta a esta Unidade.
Entretanto, esta manifestação de entidades vindas de outras Dimensões, vem, de certa forma, modificar a compreensão que vocês tinham, ou mesmo a vivência que vocês tinham, assim como foi descrito na tradição oriental Indo-Tibetana, de um princípio de reencarnação para ir progressivamente para o Si, para se extrair desta dualidade, sem especificar, em nenhum lugar, que este caminho em direção ao Si era povoado de outras Dimensões, de outras Entidades, pois isto ainda não tinha sido revelado.
Não há, neste nível, mudança de Lei, mas sim, o cumprimento e o culminar desta lei.

***