IRMÃO K - 31 de março de 2012 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação





- Intervenção de Jiddu Krishnamurti -






Eu sou IRMÃO K.
Irmãos e Irmãs, eu lhes apresento todos os meus respeitos e ofereço a vocês todo o meu Amor.
O próprio sentido da minha vinda hoje inscreve-se, de algum modo, no prolongamento de tudo o que eu pude dizer, desde algum tempo, com relação tanto à experiência do meu acesso ao Absoluto, inicialmente, como ao conjunto dos elementos que eu comuniquei a vocês, referente tanto ao Eixo ATRAÇÃO-VISÃO, como à Liberdade, à Autonomia, à Responsabilidade.
Dada a presença da Onda da Vida, nós iremos tentar, juntos, não lhes dar outros conceitos ou outros elementos, mas, bem mais, tentar apreender o que representa esses conceitos (além de toda explicação) sustentados pela Onda da Vida, sustentados pela Graça e, se possível, fazê-los penetrar, ainda mais, e passar esta Porta Estreita.
Passar, como eu disse, do conhecido ao Desconhecido, passar para esta outra Margem.

***

Muitos elementos, há alguns meses, foram comunicados a vocês.
Vocês podem ter notado, talvez, todos eles vão na mesma direção e tendem, de algum modo, a uma uniformização que está em ressonância direta com nossa presença entre vocês e em vocês, pelo próprio fato do nascimento do que foi chamado de Onda da Vida ou Onda da Graça ou Doação da Graça.
O que eu proponho a vocês, portanto, é uma conversação.
Esta conversação supera amplamente uma simples explicação, um simples aprofundamento, mas, muito mais, uma demonstração de uma lógica, uma demonstração da certeza da Unidade e do Absoluto.
E para isso, nós iremos permanecer nos termos que eu tive o prazer de desenvolver para vocês.
Esses termos são limitados.
Eles são a palavra Atração, a palavra Visão, a palavra Liberdade, a palavra Autonomia, a palavra Responsabilidade, entre outras.
Porque é perfeitamente possível, qualquer que seja a presença da Onda da Vida, hoje, no próprio desenrolar da sua vida mais ordinária e mais simples, apreender-se do que representam essas palavras, além do seu sentido comum.
Naturalmente, a Liberdade, por exemplo, sempre irá representar, para um ser humano na carne, algo que é buscado.
Na realidade, raros são os seres humanos que gostariam de estar confinados, recusando a liberdade.
Mas, ainda uma vez, de qual liberdade falamos?
É a liberdade daquele que está na prisão e a liberdade se deslocar de uma grade a outra?
Ou é a Liberdade daquele que não conhece qualquer prisão, qualquer limite para os seus passos, qualquer limite à sua própria Consciência?

***

MA ANANDA MOYI - 09 de agosto de 2011 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




- Intervenção da Estrela AL -



QUANDO A ALMA SE VOLTA PARA O ESPÍRITO

Eu sou MA ANANDA MOYI. 
Irmãos e Irmãs, que a Luz e o Amor estejam com vocês.
Eu vou tentar explicar, esta noite, os mecanismos que são desencadeados quando a alma se volta para o Espírito.
Uma série de elementos foram comunicados, há algumas semanas, referentes à alma em manifestação na personalidade, a alma em seus diferentes Impulsos e manifestações.
Como Estrela portadora da Vibração de AL, e então, do que é chamado de Porta da alma, é-me possível exprimir, de maneira simples, e através do que eu vivenciei durante a minha última vida, as diferenças que podem se manifestar, e, sobretudo, existir, a partir do momento em que a alma descobre o Espírito.

*** 

De fato, viver na alma, encarnada, não é viver no Espírito.
A alma possui leis, princípios, assim como a personalidade possui leis, princípios, manifestações.
As leis da alma não são as Leis do Espírito.
Hoje, nesta época em que vocês estão encarnados, o desdobramento do Espírito realiza, para o conjunto da humanidade, Desperta para a alma ou não Desperta para a alma, uma mudança.
Essa mudança é de natureza coletiva.
Ela não é a mesma para todos, pois ela depende, é claro, da maneira como a alma se dirige e serve a personalidade, ou então se desvia (vira-se, se vocês preferirem) e fica a serviço do Espírito.
Muitos ensinamentos, muitas experiências foram divulgadas ao longo da história sobre as manifestações da alma.
São, aliás, essas manifestações que foram mais bem descritas, pois elas foram vivenciadas em muitos países, por muitas almas.
Tendo manifestado, vocês podem imaginar, uma série de fatores comuns, porque além da cultura, da personalidade, além da vida da personalidade, a vida da alma corresponde a Planos que são perfeitamente empilháveis e passíveis de serem separados de novo, em todos os países desta Terra.

***