1

O.M. AÏVANHOV - 03 de julho de 2011 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




 - E BEM, CAROS AMIGOS... -

“São justamente as emoções que impedem o ser de viver a Consciência Unificada. É o Corpo de Desejo que se opõe formalmente ao Corpo Espiritual ou Espírito.”
E bem, caros amigos, eu estou extremamente feliz em ver vocês.
Eu nada tenho de especial para dizer-lhes, vejam vocês, eu vim escutar o que vocês têm para me perguntar.
Todas as minhas Bênçãos estão com vocês.
Então, eu escuto.

***

Pergunta: se há dissolução da consciência ordinária, das emoções, nisso que está chegando, sobrevindo a Consciência Unitária, como as lagartas poderiam ter medo?

Então, aí, cara amiga, é muito simples.
Quando você é uma lagarta, você está adaptada ao mundo das lagartas, não é?
Ou seja, você come folhas, você está no nível do solo e você nada sabe do que acontece no ar.
Então, para a lagarta, a borboleta é outra coisa.
A lagarta, ela recebe um sinal que inicia, de algum modo, a sua metamorfose para se tornar, através do casulo, da crisálida, uma borboleta, não é?
E há uma transformação da Consciência na borboleta.
Mas o problema é que nem todas as lagartas têm vontade de se tornar borboleta.
Pois, quando se está confinado, de forma extremamente sólida, rígida, em condicionamentos limitantes (quer seja através das crenças, quer seja através de uma série de certezas ligadas à matriz), não é possível conceber que haveria algo da ordem da Luz, do outro lado, não é?
É exatamente o mesmo processo que vai ocorrer, que foi detalhado (há vários meses) por SRI AUROBINDO, sobre o Choque da Humanidade.
Aqueles que estão informados, e que já vivem as Vibrações, vão virar borboleta sem qualquer problema, ou com um mínimo de problemas.
Por outro lado, aqueles que estão neste confinamento, nesta rigidez, mesmo se lhes falarem da Luz, eles não vivenciaram isso no nível Vibratório.
E, para eles, isso significa o fim da lagarta, mas eles não conhecem a borboleta.
Então, é um terror enorme.

UM AMIGO - 18 de fevereiro de 2012 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




 - Intervenção de um Iogue -
Embaixador da Divina MARIA 


~ VIVER O ABSOLUTO ~

Eu sou UM AMIGO.
Do meu Coração ao seu Coração, a Graça.
Do seu Coração ao meu Coração, a Presença.
Queridos Irmãos humanos, eu venho, neste início do seu ano terrestre, depois de ter comunicado uma série de elementos dando sequência às Chaves Metatrônicas e referentes aos diversos Yoga (da Unidade, da Verdade, essencialmente).
Nós iremos (neste ano e neste início mais específico do ano) avançar juntos a fim de, aí também, ultrapassar esses ensinamentos para viver a experiência da Verdade, a experiência da Unidade.
O acesso ao Si, em todo caso na minha esfera de origem de encarnação, ocorre de maneira gradativa.
Esses princípios de acesso à Unidade foram definidos, há muito tempo, no que foi chamado de Advaita Vedanta, consistindo (por um sistema filosófico mais do que energético) em gradativamente conscientizar a Unidade e em vivê-la.
Uma série de construções foi necessária.
Uma série de desconstruções também foi necessária, durante o mesmo tempo.

***

Neste ano, eu os convido a superar e a transcender todos os ensinamentos, todos os protocolos, todas as experiências que vocês tiveram até agora.
A realização do Desdobramento da Luz, assim como a instalação do Manto da Graça, é, hoje, a oportunidade de ir ainda para mais Simplicidade, mais rapidez (segundo os seus critérios) e, sobretudo, para mais integridade.
O estabelecimento dos quatro Pilares do Coração, respeitando isso, é hoje (pelas circunstâncias específicas da humanidade) um momento privilegiado e diferente do que pôde ser escrito, desde os tempos antigos, em relação ao acesso à Unidade, em meio a esta doutrina e a este corpo de ensinamentos chamado de Advaita Vedanta.
Hoje, a diferença considerável em relação ao tempo antigo (se pudermos denominá-lo assim), é que o desdobramento da Luz foi concluído.
Este desdobramento da Luz, de algum modo, restringiu e fez desaparecer o que eu chamaria de camadas isolantes que correspondem, de certa maneira, a capturadores da consciência em meio à ilusão deste mundo.
Como vocês sabem, no oriente, nós nomeamos isso a Maya, a Ilusão.
Compreensivelmente, uma série de exercícios (associados à energia e, sobretudo, ao Supramental) foi comunicada a vocês, gradativamente, durante esses anos, a fim de aproximá-los do que vocês denominam, no ocidente, a Porta Estreita: a passagem em CRISTO.

***