SRI AUROBINDO - 15 de julho de 2012 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




- Intervenção do Bem-Amado Sri Aurobindo -

~ SUBLIMAÇÃO ~ 
Eu sou SRI AUROBINDO.
Irmãos e Irmãs na humanidade, que a minha Luz Azul preencha a sua presença neste espaço.
Eu estou com vocês, enquanto Melquizedeque do Ar, para falar-lhes do Fogo do Amor.
Eu irei situar este Fogo do Amor em relação a dois períodos: aquele (muito distante) em que eu fui nomeado, por CRISTO, “João o Bem-Amado”, e aquele durante a minha última encarnação como SRI AUROBINDO.

*** 

Há exatamente três anos, eu dei a vocês uma série de elementos referentes ao Apocalipse, esse livro do qual nada pode ser retirado e nada pode ser acrescentado, que várias pessoas buscaram compreender o que aquilo significava.
O conjunto das descrições que eu levava, então, para vocês, hoje, parece-lhes como transcorrendo durante um tempo determinado, um tempo medido, de outro ponto de vista, por outros profetas à época, e designado: dois tempos, um tempo, a metade de um tempo.
 Eu lhes disse, há três anos, que a leitura do Apocalipse era Vibratória, antes de qualquer coisa, antes de qualquer significado, antes de qualquer desenrolar temporal.
Eu especifico, hoje, que o conjunto do que me foi dado a transcrever sendo Vibratório, sendo uma revelação, esta revelação não inscrita em uma realidade temporal, mas em uma sobreposição de elementos e de acontecimentos ocorrendo ao mesmo tempo, sobrepostos.
O que vocês vivem doravante é, exatamente, a simultaneidade do que foi escrito naquela época.
Não vejam ali somente uma sequência de acontecimentos inscrevendo-se em um mesmo tempo, mas, sim, o Anúncio do Fogo do Amor.
Este Fogo do Amor de que eu vou falar, hoje, em palavras e em Vibração, procedente de etapas que eu vivenciei no meu corpo durante a minha última encarnação.

*** 

Todos os Irmãos e Irmãs deste planeta que vivem ou alcançam, um dia, o Indizível (este Absoluto, este Último, este Maha Samadhi), sem qualquer exceção, nos momentos em que nós retornamos a uma consciência encarnada, as experiências, os estados vivenciados (exceto para o Absoluto) induzem muito logicamente (e induziam até agora) uma sede desta experiência e, ao mesmo tempo, uma marca permanente fazendo com que o Amor (vivido como a única realidade final) nos desse, a todos nós, a necessidade de compartilhar, a necessidade de projetar também um mundo melhor, uma Idade de Ouro.
Pois nós todos pensávamos, sinceramente (e o Comandante (ndr: O.M. AÏVANHOV) não era exceção) que viria um momento ou a Idade de Ouro, em que a chegada da Luz iria permitir, de algum modo, transformar, pela ação da Graça e da Luz.
E que nada viria mudar o habitual, exceto a ação da Luz que iria permitir uma forma de continuidade e de continuação, e, portanto, uma transformação, pela Ação da Luz e do Amor.
Não é nada disso pois, o que chega, é uma sublimação.

NO EYES - 07 de agosto de 2010 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




- Intervenção da Estrela VISÃO -
Primeira mensagem de NO EYES no site Autres Dimensions

“A Consciência, no Coração, é a chave da Visão, é a chave do retorno à sua Eternidade”.

~ A VISÃO ~
Luzes do UM encarnadas, eu me apresento a vocês, pelas palavras, pela primeira vez.
Eu fui NO EYES.
Eu sou uma das Estrelas de Maria.
O meu papel e a minha função, em meio a esta Assembleia, estão ligados à Visão.

Eu lhes transmito todo o meu Amor.

Eu vou começar, primeiramente, dando-lhes uma série de elementos que lhes permitem melhor apreender o que, justamente, nós chamamos de
 Visão.

Esta Visão não é a Visão do mundo exterior.
Esta Visão, que eu sou, não é a Visão do terceiro olho.
Esta Visão, que eu sou, não é uma projeção ou um prolongamento do mental ou do cérebro.

A Visão de que falo é aquela que pode ocorrer em algumas almas ou em alguns corpos, compatível com uma Visão que eu chamaria do Coração.

Esta
 Visão do Coração tem a particularidade importante de ser uma Visão tão precisa como a existente na Visão denominada astral, permitindo a Visão da trama do tempo nesta matriz.

Os poucos seres que percorreram a Terra e que tiveram esta Visão, tiveram que fazer o sacrifício da sua vida física, mais frequentemente durante o seu nascimento, para aceder a esta Visão Interior.
Esse foi o meu caso.
Como esse foi o caso, do outro lado do oceano, de uma mulher búlgara que teve, ela também, esta Visão do Coração.

Esta virtude especial, que continua também em meio às Assembleias das Estrelas de Maria, para aquelas que são portadoras, de ver com uma precisão intensa o que existe na matriz.

O que jamais foi o caso, por exemplo, da Visão de um Melquisedeque do Ar, cuja Visão é panorâmica e afastada do que existe em meio à matriz, dando uma incerteza temporal, mas permitindo ver a trama temporal (explicando que alguns Anciões lhes tenham comunicado eventos, há muito tempo e muito mais recentemente) que deve ocorrer, sem entretanto poder especificar, de maneira exata, o dado temporal ou mesmo a especificidade de alguns elementos na matriz.


Eu sou, ainda hoje, aquela que é encarregada de ver a matriz.

***