Coletânea: VONTADE DE BEM - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação





Abrir o Coração é tornar-se Livre, é não rejeitar quem quer que seja ou o que quer que seja, mas aceitar que cada um viva sua liberdade, mesmo se sua liberdade for oriunda, diretamente, de suas crenças e de seus confinamentos.
Assim, viver o Coração não é a vontade de transformar o mundo, ainda menos a vontade de agir na ‘vontade de bem’, como isso foi transmitido por alguns ensinamentos espirituais, que apenas são ensinamentos espirituais da alma opondo-se, na totalidade, à concretização do Espírito, ou seja, à transformação deste mundo pela Luz.
IRMÃO K – 27/11/11

Resta descobrir a Transparência, agora, de acordo, não mais com um movimento que vem do exterior, mas que vem do Ser Interior.
Nós estamos, portanto, num movimento inverso (se se pode dizê-lo).
E nós sabemos, todos, que, quando estamos encarnados, enquanto existem condicionamentos, o que exprimimos ao exterior – de nossa própria cabeça, de nossa própria vontade – inscrever-se-á, sempre, de acordo com um princípio chamado o bem e o mal, de acordo com um princípio chamado a vontade de bem, de acordo com um princípio de benefício/risco, que vai orientar a ação – efetuada desde o Interior, oriunda da reflexão ou de engramas comportamentais, educativos, sociais, culturais – e vai, portanto, colorir a ação do ser humano em função do que escapa, de algum modo, da Liberdade.
A Transparência propicia a Alegria, o Fogo do Coração.
A Transparência permite fazer a experiência da ação da Luz, para além da vontade de bem, para além do desejo da personalidade, na Verdade do Coração, na Verdade do instante que é inteiramente desacoplado de qualquer lógica pertencente à personalidade.
A ação que é empreendida, naquele momento, tornar-se-á, de maneira cada vez mais perceptível (para a consciência que ali circula), o princípio da Ação de Graça.
A vida, então, estabelece-se, permanentemente, na Fluidez, na Simplicidade, na Unidade, na Alegria, e nenhum elemento parasita – nenhum elemento pertencente à Dualidade – pode vir, quando a hora chegar, alterar essa metalógica da Transparência.
IRMÃO K -19/11/11

A vida, sua vida, vai colocá-los frente, muito exatamente, ao que é necessário, útil, para ir sempre para mais integração da Luz, para mais Unidade.
Não há mais que se colocar a questão.
E, muitas vezes, as personalidades em via de integração na Luz Unitária percebem, assaz facilmente, que no conjunto, tudo se torna mais fácil, e mesmo nos momentos em que a imersão na Luz torna-se tal que não há mais a possibilidade para a personalidade de se exprimir (seja nos momentos que vocês escolheram, de Alinhamento, seja nos momentos que lhes são próprios), e bem, há uma aceitação da ação desta Luz.
Porque a própria consciência da personalidade se omite e compreende que a Luz, naqueles momentos, não vem agredi-los, não vem impedi-los de fazer o que vocês estavam prestes a fazer, mas, sim, participar da sua própria Liberação.
Na realidade, a personalidade aceita que ela mesma não tem que se liberar do que quer que seja, porque é a própria Luz que libera.
Isso faz desaparecer, é claro, a vontade, a ‘vontade de bem’.
Isso faz desaparecer, naturalmente, todas as noções de moral, de crença, todas as noções de adesão a rituais, quaisquer que sejam, contribuindo para estabelecer a Liberdade, a Autonomia, como diria também IRMÃO K (ndr: ver na seção “essenciais”), permitindo-lhes, então, manifestar a consciência, liberada de todo entrave, bem além da ação voluntária do bem e além, é claro, de todo mal.
Já que a unificação da consciência se traduz por uma ação do tipo unitário, cuja característica primeira é a Graça.
SRI AUROBINDO – 20/11/11

Em outros lugares há a Liberdade.
Em outros lugares há o Amor.
O amor tal como vocês o vivem, sobre este mundo, não é o Amor.
Ele é apenas o confinamento, em um relacionamento, em um afeto, em uma necessidade de ‘vontade de bem’, mas ele não é a Liberdade e, ainda menos, a Liberação.
ANAEL – 20/11/11

Vocês sabem, a Luz penetra.
Ela penetra onde está aberto, ou seja, onde Ela pode.
Portanto, se vocês percebem a Luz em alguns momentos (seja pelas Vibrações, seja nos Alinhamentos, seja em momentos específicos de sua vida), é evidente que, naquele momento, há uma abertura, em algum lugar, seja na cabeça, seja no chacra do Coração, seja no triângulo do sacrum, não é?
Naquele momento, a Luz vai penetrar por um desses pontos e, conforme o local onde ela penetra, ela pode, portanto, ou fazer vibrar o Coração, ou descer para o Coração, ou voltar a subir para o Coração.
Vocês nada têm a fazer.
Vocês têm apenas que deixá-La agir, porque o que age, nesse momento, não é sua vontade pessoal, não é, tampouco, a vontade de bem, isso, nós já explicamos.
É necessário deixar trabalhar a Graça e a ação de Graça.
AIVANHOV – 12/11/11

Vocês são chamados, pela Graça da Luz e através desse processo de Comunhão que lhes foi apresentado, para aproximar-se, coletivamente, cada vez mais, deste estado de Unidade.
Este estado de Unidade (e a realização do ser) é o desaparecimento do ter.
A personalidade pertence ao ter porque tudo o que ela vai definir é apropriado por ela mesma.
A Luz vai para ela, mas a personalidade não emite qualquer Luz.
Ela é, às vezes, persuadida, ela mesma (quando ela está integrada, quando ela segue certos tipos de ensinamentos), que ela vai agir para o bem e, efetivamente, ela agirá para o bem.
Mas, agir para o bem jamais será o acesso à Vibração do Coração.
A Vibração do Coração, o estado do Ser Unificado, está bem além dessas contingências chamadas de livre arbítrio, de vontade de bem, do bem e do mal.
O Ser que se aproxima da Unidade e que se instala na Unidade irradia o Amor porque ele se torna o Amor, porque ele é o Amor, porque ele é Luz e porque ele está Unificado.
Ele nunca coloca a questão de saber se sua ação é bem ou mal porque ele transcendeu o bem e o mal.
Como vocês querem transcender o bem e o mal ali aderindo?
Como vocês querem perceber o que vocês são, na verdade, enquanto seu olhar está voltado para a Ilusão exterior?
UM AMIGO – 28/10/11

Questão: é necessário, ainda, fazer o bem ou deve-se contentar com o Amor da Luz?
Meu Irmão, nada é necessário.
Agora, dizer: «contentar-se com o Amor da Luz e a Luz» significa o quê?
Uma vez que Isso é Tudo e que todo o resto participa apenas da Ilusão mantida pelas religiões e por uma visão, conceitual, do Coração e não Vibratório?
A vontade de bem não será, jamais, a Luz e o Amor.
O Amor e a Luz são Tudo.
O resto é apenas ilusão.
O maior dos Séva (dos serviços) devolvido à Luz é a Irradiação da Luz e o Amor.
Todo o resto não existe.
SRI AUROBINDO – 28/10/11

O ego não pode apreender-se, nem conhecer, nem viver a Unidade, porque ele é construído sobre o princípio da Dualidade, e esta Dualidade se exprime, permanentemente, na vida, enquanto Bem e Mal.
Deste modo, então, tudo opõe o ego e a personalidade, ao Si: nos mecanismos de funcionamento, mas também em tudo o que vai resultar, nas atitudes na vida.
O ego leva tudo para si, mas em meio ao Eu [‘Moi’].
O Si está na Transparência a mais total e não leva nada para ele, exceto que ele encontrou a Fonte do Amor que é, naturalmente, ele mesmo, mas em um Espaço e em um Tempo que nada tem a ver com o espaço e com o tempo da personalidade e do ego.
O ego, por definição, é limitado, fragmentado, e se constrói apenas através do medo, através da ‘vontade de bem’ e da promoção.
MA ANANDA MOYI – 27/10/11

Ora, como é que o Espírito, que é perfeito por toda Eternidade, que é a Verdade absoluta, teria necessidade de qualquer melhoria, visto que ele já é perfeito por toda Eternidade e está presente em todas as dimensões?
Há, efetivamente, um paradoxo, que a consciência limitada não está pronta para resolver, exceto na adesão a crenças de um futuro melhor, de um salvador exterior, de um aperfeiçoamento cármico, ou, ainda, de princípios ligados à ‘vontade de bem’, que fazem crer a muitos seres humanos que, praticando o bem em detrimento do mal, chegará um dia aonde irá se manifestar a Luz.
Nada há de mais falso, porque a Luz não é deste mundo.
IRMÃO K – 13/11/11

Eis o que lhes é oferecido, porque é a Graça da Luz.
Não há qualquer montanha a escalar senão aquela que vocês próprios construíram.
Não há purificação a fazer senão aquela que vocês fizeram.
Há apenas que Ser.
E isso não é simplesmente uma palavra, é, realmente, a Verdade da Vibração do ser que vive o Si.
Nada há a buscar, nada mais há a ajudar, nada mais há a servir, exceto Tornar-se si mesmo o Serviço, tornando-se a Luz total.
Não há qualquer projeção da vontade para uma ajuda qualquer, porque a melhor forma (nós lhes dissemos) de ajudar é Ser.
Porque, a partir do instante em que vocês São, vocês são os Retransmissores da Luz, vocês são os Ancoradores da Luz, e vocês são um Farol para aquele que ainda está na dúvida e no sofrimento.
E jamais vocês poderão convencê-lo por uma palavra, nem por um olhar, nem por um gesto, nem por uma ação.
Vocês poderão, simplesmente, propor-lhe o modelo do Si, através de sua Presença.
E cabe a ele aceitá-lo ou recusá-lo.
UM AMIGO – 19/11/11

Se vocês estão no Ser, tudo em sua vida irá se tornar Simples.
E cada vez mais verdadeiro, hoje.
Se vocês são complicados, isso irá se tornar cada vez mais complicado, em todos os níveis, sem qualquer exceção.
O que é que faz sofrer?
Não é a Luz, é a negação da Luz.
Então, depois, é fácil dizer: “eu quero me comunicar com um Arcanjo”, “eu sinto um arrepio, é isso, eu estou em contato com a Luz”.
A Luz não age assim, jamais.
Portanto, muitos, muitos seres humanos, atualmente, estão se enganando, é o que dizia São João (ndr: SRI AUROBINDO): “haverá muitos Chamados e poucos Eleitos”.
Não são Eleitos no sentido espetacular, isso significa, simplesmente, que muitos seres param, no caminho, pela vontade pessoal, pela vontade de bem e pela vontade de sua pequena pessoa, para ver tal coisa ou tal situação melhorar.
Isso não é repreensível, já que cada um é livre.
Mas não é preciso reivindicar o Ilimitado, a Liberdade, o Espírito, a Alegria, permanecendo na personalidade.
São dois mundos que se separam e que se opõem.
O Mundo da Unidade não pode se acomodar no mundo da Dualidade: são dois universos, duas gama de frequências Vibratórias que nada têm a ver.
AÏVANHOV – 26/11/11

Questão: abençoar pessoas que não querem a Luz é contrário à Luz?

Totalmente.
Você não pode impor a Luz para um ser ou para você.
Querer apor a Luz sobre alguém que não a quer é um ato Dualitário por essência e, aliás, a maior parte dos trabalhos ditos de luz falsificada insiste na noção de pôr a luz por toda a parte.
É uma vontade egoica, uma vontade Luciferiana, porque isso mantém a Dualidade, porque isso faz intervir a vontade.
É sua inteligência humana que age, e não a Inteligência da Luz.
Se vocês vivem o Fogo do Coração, vivem o Fogo do Coração.
Naquele momento, vocês servem à humanidade toda, inteira, e ao conjunto de sistemas solares, porque seu Coração está aberto e porque ele está no Fogo ou na Vibração.
Todo o resto é apenas projeção do ego, sobretudo agora, em que a Luz está aí, à profusão.
É verdade que isso obriga a rever um pouco os mecanismos de pensamento habituais, não é?
Isso não quer dizer que é preciso ser indiferente ou desviar-se daquele que lhes pede ajuda, atenção!
Eu disse, simplesmente, que a Luz age por ela mesma.
Se seu Coração está desperto, se a Coroa Radiante do Coração, da Cabeça Vibram ou estão no Fogo, vocês não têm necessidade mesmo de se preocupar: a Luz irá para onde ela deve ir, por ela mesma.
Porque, se vocês fazem isso, isso quer dizer o quê?
Isso quer dizer que seu mental vai querer tomar o controle da Luz, em algo que se chama a vontade de bem.
Mas a vontade de bem não é melhor nem pior do que a vontade de mal.
Ela mantém a matriz, mas não permite ir à Luz.

E eu disse: «Amar é Irradiar, servir, é Irradiar a Luz Vibral».
Mas ela irradia sozinha, assim que vocês estejam abertos.
AÏVANHOV – 03/06/11

Questão: como ajudar aqueles que não chegam a viver as mudanças atuais?

Mas nem todos vivem as mudanças, cara amiga.
Há seres que são refratários às mudanças, porque há o medo, porque há a incompreensão e porque há também certa forma de peso da Consciência que não está ainda desperta.
Então, é necessário continuarem otimistas, porque «os primeiros serão os últimos», não é? e «os últimos serão os primeiros».
Agora, a título pessoal, eu sei que isso pode colocar problemas, por exemplo, nas famílias, num casal, onde há um que evolui e o outro que não se move.
O que vocês podem fazer?
Vocês podem apenas ser vocês mesmos na Vibração e propor a Vibração.
Vocês não podem estar de modo algum na vontade pessoal de mudar o que quer que seja porque, naquele momento, vocês voltam a descer, vocês mesmos, na Dualidade.
E com que direito vocês vão querer que alguém vá para onde ele não quer ir?
Há seres que recusam a Luz, ainda hoje, sobre a Terra.
É a experiência e é também a liberdade deles.
Vocês não podem forçar ninguém, podem apenas propor.
Então, há seres que vão dizer: «eu quero, eu quero, eu quero». Justamente, não é necessário querer.
São talvez seres que estão demasiado na vontade.
Não falo daqueles que recusam a Luz, mas dos que querem a Luz e que não vivem a Luz.
Onde está o problema?
Vem da Luz?
Não.
A Luz da Unidade não é uma vontade, é um Abandono.
Ora, enquanto se estiver na vontade, não se pode viver o Abandono à Luz, inteiramente.
É tão simples assim.
Portanto, há vários casos.
Há seres que recusam a Luz por medo, incompreensão, ou qualquer outra razão e que recusarão até no limite, porque preferem permanecer na ilusão.
E é a liberdade mais estrita deles.
Há seres que estão numa diligência dita espiritual, mas ligada a Crenças, ligada a esquemas de funcionamento que estão totalmente ao oposto do Abandono à Luz.
A estes tampouco, vocês nada podem fazer.
Vocês podem apenas estar vocês mesmos na Luz, no alinhamento, na sua Presença a si mesmos e talvez, por simpatia, por sintonia, eles vão se abrir.
Há seres que recusam a Luz, ainda hoje, que dizem e que podem dizer: «como é que conta tolices, esse velho», e que, de um dia para o outro, vão abrir-se, porque a abertura não se decide mentalmente, ela se decide Vibratoriamente.
E, aí também, é necessário compreender que são gamas de Vibrações.
A Consciência fragmentária do ego é uma consciência pesada, extremamente limitada.
Basta que esta Consciência pesada, por vezes, se expanda um pouco, que a pessoa afrouxa-se, de modo que chegue a captar as Vibrações da Luz Unificada e, naquele momento, tudo vai se desencadear.
É necessário efetivamente compreender que os primeiros seres que foram abertos, nos anos 80, exatamente antes de minha partida, viveram transformações que duraram quase trinta anos.
E há hoje seres que desembarcam, pode-se dizer, mas que são muito novos.
Eles não têm crenças, não têm preconceitos, não têm vontades.
Eles são, como vocês dizem e como eu poderia dizer, «open» [abertos] e quando vocês são «open», tudo pode se produzir, o que não é o caso quando são fechados.
E não é uma questão de vontade, é uma questão, realmente, Vibratória.
Portanto, vocês nada podem fazer por aquele que não está pronto, é impossível.
Senão, vocês recaem, vocês mesmos, na Dualidade e vão sofrer imensamente, o que é o caso de muitos seres, hoje, que viveram fases de abertura e que, no último momento, recusaram a Luz porque tinham medo, simplesmente.
Portanto, recaíram na personalidade e na Dualidade, temporária ou definitivamente.
Mas isso não lhes concerne.
A única maneira de servir, e eu já o disse, a única maneira de ajudar, é irradiar o que vocês são.
Qualquer outra vontade de ajuda que viria do ego não vai no sentido da Luz e isso é talvez difícil compreender através de certos tipos de ensinamentos que os levaram na vontade de Bem.
A vontade de Bem não é a Unidade, ela mantém a oposição Bem/Mal, permanentemente.

AÏVANHOV – 19/02/11

Questão: como saber se um ensinamento é falsificado ou não?

Agora, é necessário, efetivamente, compreender, a questão não se põe em falsificação ou não falsificação, coloque-se sempre a questão: «Qual é a finalidade?».
Será que a finalidade é manter a matriz com um mundo melhor, a vontade de bem, ou será que o objetivo do «ensinamento», (entre aspas), porque todo ensinamento, finalmente, resume-se numa coisa: é o Coração, e vocês sozinhos que abrem seu Coração.
Todo o resto é blablá, mesmo o que eu lhes digo.
Se vocês não abrem seu Coração, isso para nada serve.
Todo o princípio da espiritualidade é tê-los feito crer que era necessário ter uma busca exterior.
O ensinamento que nós lhes demos, uns e outros, não é um ensinamento, é uma iluminação sobre o próprio princípio que fundamenta a matriz, ou seja, a falsificação da Dualidade.
E, para sair da Dualidade, é necessário penetrar na aceitação da Unidade.
Esse mundo é uma falsificação.
Vocês são uma ilusão, portanto, como é que a ilusão da matriz poderia conduzir a qualquer perfeição?
Portanto, vocês não podem pretender encontrar a Luz em algo que está privado de Luz.
As leis do Espírito nada têm a ver com as leis da matriz.
E a maior parte dos ensinamentos Luciferianos encheu suas cabeças de que vocês podiam encontrar a Luz na matriz.
Cristo disse: «Meu reino não é desse mundo».
Portanto, esse mundo não pode ser melhorado de modo algum.

Não é possível, desde a falsificação.
E toda a magistral organização Luciferiana é justamente tê-los feito crer que, se vocês estivessem na vontade de bem, se vocês estivessem no Serviço, esquecendo-se de vocês mesmos, vocês iriam encontrar o Coração.
É falso.
O Coração é uma Vibração, não é uma concepção ou uma projeção ou, ainda pior, uma exteriorização de um ideal.
É uma Vibração.
A multidimensionalidade, a saída da matriz não se faz assim, não é possível.
Então, é claro, a palavra chave é qual?
Os adeptos.
Iniciação.
Mas não há iniciação.
Como o disseram muito numerosos Mestres, tudo é aqui e agora, nada há em outros lugares.
Há apenas a realizar o Si.
Portanto, enquanto vocês creem que um conhecimento, mesmo das Estrelas, ao limite, vai propiciar-lhes a abertura do Coração, vocês se enganam.
Tudo é feito, mesmo ao nível Vibratório, pela Luz Vibral, para favorecer o que foi chamado o seu Abandono à Luz.
O Abandono à Luz passa, necessariamente, pela ausência de vontade, mesmo de bem, porque a vontade de bem recorre ao ego, recorre ao poder.
É todo o princípio da ilusão Luciferiana.
A diferença é essencial para compreender: há Vibração ou não há Vibração.
Há abertura do Coração, se vocês têm a chance de senti-la e vivê-la, ou não há abertura do Coração.
É tão simples assim.
Mas vocês não têm necessidade de nada, tudo está aí, aqui e agora.
O Si sempre esteve aí, não é uma busca exterior ligada a um conhecimento, qualquer que seja.
Sobretudo nos tempos que vocês vivem, é claro.

Questão: isso significa que nada se tem mais a fazer, exceto realizar o Si?
Mas é o que nós dizemos a vocês desde sempre, é o que é dito há milênios pelos seres que atingiram o verdadeiro Despertar.
O mundo não existe.
Portanto, enquanto vocês dão seus pensamentos ao mundo, vocês o mantêm.
Mas ele não existe.
É o ego que crê nisso, é o ego que desempenha um papel de papai, de mamãe, disso, daquilo.
Vocês não podem permanecer nesse mundo e sair desse mundo.
Cabe a vocês saber qual é sua finalidade, aí também.
Agora, como sempre foi dito pelos Arcanjos, será feito muito exatamente segundo sua Vibração.
Se vocês estão na vontade de bem, vocês continuarão a cultivar a vontade de bem, em outros lugares.
Não há julgamento de valor, é simplesmente conforme o que vocês creem.
Vocês vão, efetivamente, penetrar o que se chama a Criação espontânea.
Se vocês querem tornar-se um amendoim, vocês se tornarão um amendoim.

Questão: ... como então não se interessar pela ecologia?
Porque você mantém a matriz.
Você, ser humano, você é falsificado.
A natureza não.
O que acontece quando você efetua um combate?
Você entra na Dualidade, você se opõe a algo.
Portanto, se você se opõe a algo, você mantém a Dualidade e, portanto, você não pode realizar o Si.
Você já viu um ser desperto e realizado no Si interessar-se por outra coisa do que o Si?
E falar da ecologia, por exemplo?
Vocês não poderão mudar o mundo do exterior, mesmo com os mais belos ideais, é uma Crença.
Agora, faça como você sente.
Você pode crer ou não crer, isso em nada mudará a verdade da matriz.
Ou seja, você nutre a matriz, ainda que isso seja mesmo pela vontade de bem, eu repito.
Há muitos, entre vocês que, aparentemente, não compreenderam o que é o fim de um mundo.
Há muitos, entre vocês, que não se lembram o que viveram na Atlântida.
A Terra passou dezenas de vezes por uma destruição total.
A natureza, não se preocupem com ela, ela se reconstitui sempre.
Numa outra Dimensão, desta vez, que é a 5ª Dimensão.
É uma «outra natureza», é outra Vibração.
Agora, é livre a você, se quer continuar a manter o bem, a querer lutar.
Qual é a sua finalidade?
Mas você não pode reivindicar o Si e a Luz e continuar a nutrir a matriz.
O que não quer dizer que não deva fazer nada, mas é preciso estar lúcido.
Qual é seu objetivo?
Qual é sua finalidade?
Tudo se define em relação a isso.
Mas, eu repito: aquele que realiza o Si, não importa onde no mundo, sozinho, serve, ama e irradia muito mais do que aquele que luta, mesmo por uma causa nobre.
É demasiado tarde.
O ciclo terminou.
AÏVANHOV – 30/05/11

**************
Trechos extraídos das mensagens do site
http://www.autresdimensions.com
Traduzidas para o português por:
Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com e
Zulma Peixinho http://portaldosanjos.ning.com   www.portaldosanjos.net
Seleção e Edição: Beth Rodrigues
Publicado em: www.portaldosanjos.net


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário