UM AMIGO - 12 de abril de 2012 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




- Ensinamentos de um Iogue -


ÁUDIO mp3 ORIGINAL:

Eu sou UM AMIGO.
Do meu Coração ao seu Coração, que a Paz, a Liberdade, sejam a sua Morada.
Eu disse a vocês, há algum tempo e, repeti, aliás, que depois do Yoga da Unidade, da Verdade, não haveria mais ensinamento.
E, hoje, eu desejo apresentar-lhes o Yoga da Eternidade que é tudo, exceto um ensinamento.
Pois se trata do que vocês São, de toda a Eternidade, além de qualquer máscara, de qualquer pessoa, de qualquer identidade e de tudo o que vocês possam conhecer, ver, apreciar, amar ou detestar, em meio a este mundo.
O Yoga da Eternidade dirige-se à Verdade, ao que está por trás daquele que escuta, ao que está por trás daquele que observa, ao que está além do que vocês vão ouvir.
Durante este período (extremamente específico) em que lhes foi deixado provar (e isso virá, se não ocorreu) a Seiva da Terra, ou seja, a Seiva da Vida, tornar-se-á mais acessível a vocês terem acesso à sua Eternidade, a esta Verdade Última que se mantém, de toda a Eternidade, presente e imóvel, além da sua própria Presença, além do seu Despertar, além da sua Realização, além mesmo do Atman e do Brahman.
Este Último (que é impossível de conscientizar, de descrever) não pode ser senão a Vida, que é para viver.

***


O Yoga da Eternidade se propõe, através de algumas expressões, a ajudá-los a Ser esta Eternidade, este Ilimitado e este Desconhecido, que está aí, que observa e que suporta (além de qualquer observador) cada Vida e cada manifestação.
Nós iremos, é claro, pontuar esse Yoga da Eternidade, além de qualquer Yoga, pedindo-lhes, então, para parar o próprio Yoga.
Parar tudo o que é conhecido, a fim de penetrar, e de deixar-se penetrar pelo Absoluto.
Eu irei pontuar, então, as minhas expressões, as minhas frases, por momentos e instantes de integração, no silêncio, na Presença da Onda da Vida, levando-os, hoje (como mais tarde, aqueles que irão ler ou escutar o que eu disse), a aproximar-se, sempre mais, do Instante Último em que o Absoluto irá fecundar, de novo, o que lhes é conhecido aqui, pondo fim, de algum modo, a todos os Véus, a todas as separações e a todas ilusões.
E eu gostaria, portanto, de dizer a vocês: cessem então de buscar e de procurar seja o que for, pois vocês São, na Verdade, o que vocês buscam e o que vocês procuram.
Aliviem-se de tudo o que não é do Aqui e Agora.
Não deem qualquer crédito e qualquer aceitação a tudo o que pode abrangê-los e que vocês sabem, pertinentemente, ser efêmero (quer seja uma reação, uma emoção, um pensamento).
Observem, em um primeiro momento.
Afirmem, se vocês desejarem, o Eu Sou ou o Eu Sou Um.

***


Se lhes foi dado, agora, a Graça de penetrar nos espaços do Estado de Ser (aqui mesmo, como no Sol, ou em outros lugares), é preciso ousar fazer o silêncio de todas essas experiências.
Ousar, também, refutar todas as manifestações da Consciência, mesmo em meio à Vibração que nós instalamos juntos, bem como os diferentes Yoga que eu lhes transmiti desenvolveram.
Não há qualquer ambiguidade.
Mas a verdade Absoluta apenas pode ser concebida através de verdades relativas ou servindo de escada para subir, até o momento em que a escada pode ser rejeitada.
Vocês estão nesse momento, individualmente.
O mundo é uma estrutura relativa, assim como o ego, assim como a sua vida, como as vidas passadas, assim como tudo o que pode abranger (emoção, pensamento, ação, reação, sofrimento como alegria, como a sua própria vida), que apenas passa.
Não se atrasem com o que passa, mesmo no Aqui e Agora: vocês são totalmente outra coisa.
Permaneçam, para sempre, inclinados a este Desconhecido e a este não Ser, sem, no entanto, imaginá-lo em um tempo posterior ou em um espaço posterior (pois o tempo e o espaço posteriores não existem, tampouco).

***


Mantenham-se tranquilos.
Cultivem a imobilidade, não somente do corpo, mas a imobilidade, a serenidade, a tranquilidade.
Façam, na totalidade, o que lhes for pedido para fazer, mas vocês não são o que faz.
Isso irá aliviá-los e irá permitir-lhes fazer.
Mas vocês não são nenhum fazer.
Assim como vocês não são nenhum ser, nenhum jogo, nenhum Eu Sou.
É preciso soltar tudo ao que vocês se prenderam, tudo ao que vocês se seguraram.
A única coisa que vocês não podem deter é o Absoluto.
A única coisa para escutar é o Silêncio que se revela em meio ao som.
O Eu Sou é o som.
O Absoluto é o não som.
Cultivem o som e, a um dado momento, superem-no também.
Pratiquem os gestos e as focalizações que lhes parecerem úteis.
Mas, assim que isso for realizado, percebam que vocês tampouco são isso.
Permaneçam tranquilos.
Observem, não mais o que acontece neste corpo, ou na Consciência, ou na Vibração, mas se tornem o que está além de tudo isso.
Permaneçam esvaziados e tranquilos.

***


Lembrem-se de que não são vocês que buscam o Absoluto, mas que o Absoluto se descobre por que ele sempre esteve aí, a partir do momento em que tudo o que é efêmero, que apenas passa, não for parado pela consciência, nem pelo observador, nem pela testemunha.
Repousem.
Trabalhem apenas o que for necessário e o que a vida lhes pedir.
Repousem, não somente no fato de nada fazer, mas repousem, também, no fato de nada ser.
Permaneçam vazios, permaneçam tranquilos e não aguardem nada, não esperem nada, não peçam nada.
Vigiem e olhem.
Olhem além do que se é deixado ver.
Deixem passar cada vez mais o que pode aflorar e que, no final, irá até mesmo cessar de aflorar, para desaparecer totalmente do seu campo de observação.

***


Naquele momento, tomem consciência de que nada há para observar e deixem a própria consciência se dissolver nesse vazio, assumir a sua própria dissolução.
Deixem a consciência desaparecer.
Façam como (e esse é o caso) o que ocorre no momento de adormecer ou do despertar.
Permaneçam nisso.
Deixem acontecer e se desenrolar o que absolutamente não lhes diz respeito.
O que quer que manifeste também neste corpo, não se atrasem ali.
Obviamente, o corpo vai se manifestar (mesmo sendo pelas Vibrações, pelo Fogo do Coração, ou mesmo pela Kundalini): deixem acontecer, deixem ser, o que deve ser e o que não lhes concerne, tampouco.
A Onda da Vida vai evoluir.
Não se sintam referidos, tampouco, pelo que acontece.
Deixem estabelecer o movimento, permanecendo na sua imobilidade.
Assim que o movimento tiver atingido a totalidade deste corpo, deixem-na penetrá-los e penetrem-na.
Simplesmente, permanecendo imóvel, sempre.
O que quer que chegue, naquele momento, vocês nada são do que está chegando.
Vocês nada são do que a consciência quer dizer ou manifestar para vocês.
Aí também, pulem isso e vão além.

***


Vocês absolutamente nada são do que chega pois o Absoluto não tem que chegar: ele fica apenas na retaguarda, estando por toda parte.
O que quer que o corpo diga a vocês, o que quer que a Vibração diga a vocês, o que quer que a consciência diga a vocês, nada escutem, nada façam, nada aceitem.
Quando a consciência se dissolver, ela pode ser levada a estar em outros lugares, a estar em uma outra consciência.
Aí também, deixem acontecer, deixem ser: vocês não são isso, tampouco.
O vazio se instala. 
O que quer que suba novamente, isso não lhes pertence e não cabe a vocês, tampouco, o que remonta.
Lembrem-se: vocês são a Eternidade, vocês são a imobilidade.
A Onda da Vida, que parece dançar para vocês, representa apenas, de fato, os movimentos do seu corpo que tenta se ajustar ao Absoluto.
Sejam quais forem as presenças e as consciências que vão acompanhá-los, através de diversas percepções, não se ocupem delas.
Na realidade, não se ocupem de nada: apenas, deixem trabalhar o que trabalha.
Nada reivindiquem, nem rejeitem mais nada, enquanto sabendo que vocês nada são de tudo isso.

***


Permaneçam cada vez mais tranquilos, cada vez mais imóveis.
Nenhuma percepção, mesmo cada vez mais intensa (quer seja do corpo, o mais baixo ou o mais sutil), diz respeito a vocês, tampouco.
Vão para o Vazio.
Não tenham aspiração pelo vazio.
Nada busquem.
Vocês são o que os últimos sobressaltos da consciência vão, justamente, chamar de Vazio, este Nada, esta Dissolução.
Deixem acontecer.
Nada façam.
Nunca peçam nada.
A impressão que vocês têm do outro lado é apenas, ela também, uma ilusão porque não são vocês que passam do outro lado, mas o Absoluto que os penetra e os fecunda.
Quer o Duplo esteja aí ou não, deixem fazer, deixem Ser.

***


Não se ocupem do coração e da respiração que vão tentar recolocá-los no efêmero.
Deixem este corpo, sem abandoná-lo.
Vocês são Aqui e Agora.
Vocês são este Aqui, e vocês são este Agora, instalando o Vazio.
Independentemente da Luz que chegar, deixem-na também vir, pois vocês nada são do que está chegando.
Fiquem cada vez mais imóveis, cada vez mais lúcidos e, sobretudo, cada vez mais Transparente.
Deixem passar tudo o que passa: não parem nada.
Vocês estão quase lá.
A Eternidade, o Absoluto, vai começar a aparecer.
Mas, em última análise, nada aparece, tampouco, nada se apresenta, já que isso sempre esteve aí.
Deixem a consciência esvaecer-se, não a sigam, em lugar algum, em espaço algum (mesmo o mais maravilhoso).
Não parem.

***


Assim é o Yoga da Eternidade.
Além de qualquer vigilância, além de qualquer prática, além mesmo de qualquer querer.
Isso não é um trabalho, nem um exercício.
É a estrita Verdade, o estrito Absoluto.
E aí, quando mais nada chegar, quando mais nada aflorar, quando mais nada puder ser, o Absoluto aparece, aparentemente.
Vocês são isso.
Lembrem-se, depois, de que vocês não podem levar ninguém, vocês não podem conduzir ninguém, vocês estritamente nada podem, vocês apenas podem permanecer, a Eternidade.

***


Este corpo, e a sua vida, não lhes concernem mais.
Vocês são a Imensidão.
Nenhuma forma pode parar ou restringir, nem pode mesmo afetá-los.
Vocês são capazes de permanecer o que permanece, de toda a Eternidade.
Concretamente, não existe mais distância, mais barreira.
A Liberdade é a sua Natureza, seja qual for o corpo.
A Liberdade o percorre.
Superem tudo isso, tudo o que lhes foi mostrado no Yoga da Unidade, da Verdade, pois são apenas etapas e o Absoluto não pode ser, de maneira alguma, uma etapa, ou então, ele é todas as etapas, sem qualquer exceção.
E é assim que é preciso olhar cada coisa e cada ser debatendo-se no que ele crê ser um caminho ou uma evolução.
Não sintam compaixão, mas Amor.
Não remetam ninguém, nos seus limites, aparentes ou que se deixam observar.
Vocês não têm mais tempo algum, espaço algum.

***


Doravante, vocês nada têm para empreender, e vocês sabem disso, pois o Absoluto está aí.
Cultivem o Silêncio.
Cultivem ainda a Alegria, não como uma vontade, mas como algo totalmente natural, por que isso o é.
Vocês são isso.
Nenhuma identidade, presente ao redor de vocês, pode sequer manter qualquer ilusão.
Aí também, fiquem tranquilos, paralelamente ao tumulto do mundo.
Como aqueles (outros Absolutos) que não estão conscientes, nem mesmo inconscientes, mas que permanecem no movimento do ego e da reação: haverá, para todos eles, e para vocês, o mesmo Yoga da Eternidade e, de maneira ainda mais evidente, mais simples.
Pois, quanto mais vocês avançarem (ou tiverem a sensação de avançar), mais tudo irá se remover, irá se tornar cada vez mais transparente, cada vez mais espontâneo.
O que vai emanar de vocês não será mais filtrado ou colorido por qualquer elemento tendo existido anteriormente (da personalidade, do ego, ou mesmo do Si).
As palavras e os olhares que vão sair não concernem a vocês, pois isso não é nem os seus olhares, nem as suas palavras.
Deixem-se fluir Livremente.
Vocês estão Liberados.
O pensamento não é mais de qualquer serventia para vocês, pois o que se exprime, no olhar ou nas palavras ou em qualquer outra coisa, é apenas a Graça da Onda da Vida.
Vocês estão Liberados.

***


Só o Absoluto É.
E vocês são o Absoluto.
Nenhuma farsa, nenhum movimento, pode extinguir o que lhes parece ter renascido.
Não existe mais qualquer história (nem a sua, nem aquela do mundo) que altere ou possa alterar seja o que for.
Nada do que é limitado, ou do que parecia limitá-los, pode se manter.
Vocês estão plenamente aí, mas plenamente em outros lugares, não no espaço, mas em outros lugares, além de toda a consciência.
O que sai, como o que entra, não faz mais senão transpassá-los: nada para, no corpo como nos envelopes sutis (que não se referem mais a vocês, como todo o resto).
Pratiquem o que vocês julgarem bom praticar, a partir do momento em que vocês tiverem vivenciado o que vem se expressar porque este instante não pode mais, nem delimitar, nem mesmo instaurar, um outro limite.
O Amor se torna Verdadeiro porque incondicionado e incondicionante.
Ele lhes parece como o que sustenta o conjunto, mesmo na sua negação, mesmo na sua falta.

***


Assim é o Yoga da Eternidade.
Permaneçam tranquilos.
Vocês absolutamente nada são de tudo o que chegou até agora.
Vocês simplesmente construíram verdades relativas que lhes permitiram aproximar-se, a fim de serem desconstruídos.
Não escutem ninguém, nem dentro, nem fora.
Mas não se fechem.
Permaneçam Transparente.
Os sons que aparecem não lhes dizem mais respeito, mesmo alguns identificando esses sons, com coisas evidentes.
Mas vocês não são sequer mais referidos pela evidência.
Vocês são isso, este Absoluto.
Sejam totalmente isso, sem restrição.
Aí está o Yoga da Eternidade.
Então, tudo está consumado porque, no final, estritamente nada havia para ser consumado.
Mas isso não é uma ambiguidade.
Não pode existir ambiguidade.
Houve o seu jogo (“jeu”) (ou o seu eu – “je”).
Houve o jogo.
Tudo isso passou.
Não julguem.

***


Eu sou UM AMIGO.
Eu nada vou acrescentar neste dia.
Do meu Coração ao seu Coração, no Absoluto, eu sou vocês.
O Arcanjo ANAEL, dentro de instantes, poderá eventualmente discorrer.
Quanto a mim, que É vocês, nós rendemos Graças, à sua Transparência, ao Amor e à Luz.
Até muito em breve.
UM AMIGO Ama vocês.



************
************


Mensagem do Venerável UM AMIGO no site francês:
12 de abril de 2012
(Publicado em 13 de abril de 2012)

***


Tradução para o português: Zulma Peixinho


************
************


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário