O. M. AIVANHOV - 31 de março de 2012 - PARTE 1 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação





ÁUDIO mp3 ORIGINAL:


E bem, caros amigos, eu estou extremamente contente de reencontrá-los.
Eu lhes transmito todas as minhas Bênçãos e eu venho para discutir com vocês.
Eu lhes transmito todas as minhas Bênçãos, toda a Graça, porque, como vocês sabem, a Luz desce, a Graça sobe e tudo se encontra e sofre alquimia.
É o grande encontro da primavera (outono, no hemisfério sul), não é?
Então, eu os escuto.

***


Pergunta: ao que corresponde a data de 02 de abril? A um novo patamar Vibratório?

Isso corresponde, sobretudo, ao que foi chamado de energias do renascimento da primavera.
O equinócio passou, não é?
Vocês irão, entre o equinócio e o solstício de verão (inverno, no hemisfério sul), como todos os anos desde tempos imemoriais, ter uma saída da energia.
Vocês saem de uma fase de interiorização e vocês irão para a exteriorização.
Não de vocês mesmos, é claro, mas do que estava nas profundezas.
E, como vocês sabem, como lhes disse SRI AUROBINDO, a Terra está Liberada, não é, desde muito tempo, e a Fusão dos Éteres que ocorreu no ano passado, na mesma época (que foi, de algum modo, o que aconteceu no Céu) corresponde, hoje, ao Manto Azul da Graça, destinado a favorecer uma passagem para ir mais longe.
Vocês sabem que lhes falamos do Manto Azul da Graça (já desde fevereiro, não é) que passava pelas Portas ATRAÇÃO e VISÃO, ou seja, pelos órgãos que circundam a Porta Estreita, isto é, o fígado e o baço.
O fígado e o baço são os órgãos do renascimento e da primavera.
O baço, porque é o retorno ao centro.
E o fígado, porque é a energia da primavera.
Em todas as tradições, ocidentais como orientais, é o momento da renovação, o momento do renascimento.
Então, pode ser que entre vocês, já desde algum tempo, há quem sinta dores no fígado, problemas digestivos, uma energia diferente, ou muito mais energia, ou o inverso, uma grande fadiga com oscilações da energia.
A Onda da Graça que sobe da Terra, das profundezas da Terra, modifica, se vocês preferirem, o próprio equilíbrio da energia vital.
A vitalidade que aparece na primavera está, agora, não mais diminuída (como foi o caso desde muito, muito tempo), mas ela encontrou, eu diria, o seu vigor.
E, evidentemente, o corpo no qual vocês estão, encontra, ele também, uma transformação importante desta energia vital.
A Onda da Graça vem também transformar esta energia vital.
A primeira lua cheia da primavera (outono, no hemisfério sul) vai propiciar viver esta elevação importante de Vibrações, de energia, de consciência, de Liberação da Terra e da sua própria Liberação.
Há, entre vocês, quem já tenha começado a sentir (antes mesmo de anunciar-lhes, desde os primeiros exercícios, digamos assim, do Manto Azul da Graça) o trabalho que se fazia no nível das Portas ATRAÇÃO, VISÃO, do fígado e do baço.
Outros sentiram uma zona extremamente específica, na frente, da ‘fonte jorrante’ dos chineses, uma Vibração que aparecia aqui, que dava, às vezes, Vibrações, calores pesos, às vezes outros sintomas no nível das pernas.
Mas tudo isso representa a energia e a consciência da renovação, da Ressurreição, não é?
Então, isso é muito importante, sim, efetivamente.
Desde já algumas semanas, para muitos de vocês, e especialmente a partir de 02 de abril, vocês poderão compartilhar a Onda da Graça, a Onda da Vida, por que é algo a ser compartilhado.
Até agora, foi pedido para permanecerem centrados em si mesmo, para manterem no Interior, como um tesouro, o que estava prestes a nascer através do Si, através da Realização, através das Coroas Radiantes.
Agora, esse movimento, se pudermos chamá-lo assim, torna-se irresistível.
É uma onda.
Uma onda semelhante à Onda Galáctica.
É esse estremecimento extraordinário da Vida (que todos nós somos) que encontra os seus plenos direitos.
E, naturalmente, a primavera é o momento privilegiado para conscientizar isso, para superar até mesmo a consciência disso e se encontrar para tudo viver e se deixar fecundar (porque é uma fecundação, um novo nascimento) pela Onda da Vida e se tornar isso.
Eis por que esta data.
Então, é claro, poderíamos dizer, por que não em 20 de março?
Porque, ainda uma vez, o ciclo começa plenamente.
Ele está a plena potência desde antes da primavera (início de março) e depois assume a sua potência máxima, o seu pleno desenvolvimento (aí dentro de alguns dias) mesmo se, é claro, todos vocês não estiverem sincronizados no mesmo ritmo, em função da sua própria energia vital, em função da sua própria constituição do corpo de Luz.
Mas o resultado é que, ao nível da humanidade, há esse fluxo de Ressurreição, esse fluxo da Graça, esta Onda que se eleva, esse estremecimento de Amor incrível que chega também, é claro, vocês sabem, do cosmos.
Tudo isso se encontra em vocês.
Eis a explicação resumida.
Pois, poderíamos ir muito, muito longe.
Mas nós estamos empenhados, uns e outros, em não fazer trabalhar o seu mental, dando-lhes todos os sintomas possíveis e imagináveis da Onda da Graça.
Porque, se nós fizermos isso, vocês irão querer observar: “ah sim, efetivamente, eu sinto a Vibração que eles disseram, que nasce nesse nível”; “ah sim, efetivamente, eu sinto que há alguma coisa que acontece ao nível do períneo, do escroto ou dos grandes lábios nas mulheres, alguma coisa que se move, aí”.
Nós não queremos guiá-los para tudo isso.
É preciso que vocês o vivam e a melhor maneira de vivê-lo (como isso foi dito) é mergulhar nele.
Não é observá-lo, mesmo se, efetivamente, for, às vezes, sedutor observar o que acontece.
Mas, aí, em relação a isso, a Onda da Vida não tem necessidade da sua consciência.
Ela nasceu, ou ela vai nascer, ou ela já nasceu, já desde algum tempo.
Ela deve ser vivida e vivida na plenitude, ou seja, não a observando, mas se tornando a Onda da Vida.
É isso que dá este Êxtase.
Há, aliás, entre vocês, quem sinta esta energia subir, sentindo-a girar e quando eu digo girar, ela adquire, evidentemente, circuitos que foram perfeitamente descritos também no Budismo fundamental, e ela foi descrita, também, na Pérsia antiga.
Isso foi descrito, também, por alguns místicos ocidentais que vivenciaram esses Êxtases.
Essas correntes Vibratórias, essas correntes de energia, essas correntes de consciência, seguem circuitos pré-estabelecidos.
Mas de nada serve darmos isso a vocês, não é?
Porque é apenas a partir do momento em que vocês não estiverem mais na observação do que acontece em vocês, mas que vocês vivem isso, na totalidade (ou seja, no momento em que vocês não estiverem mais separados do que acontece), que o Êxtase é desencadeado.
Portanto, de nada serve darmos todos os detalhes.
Se vocês tiverem questões específicas, é claro, eu ali responderei.
Mas vão ao essencial, ou seja, deixem nascer o que nasce e se tornem o que nasceu.
É muito mais fácil assim.
Nós não temos necessidade de chamar sua atenção para as Estrelas, de dar-lhes a constituição das Estrelas, das Portas, dos diferentes circuitos, das diferentes Coroas.
Vivam, simplesmente, com toda espontaneidade, essa Doação, por que é uma Doação, é a Doação da Vida, por que vocês são a Doação, como todos nós lhes dissemos.
Nós iremos repeti-lo sem parar porque não há outra Verdade.
Vocês estão aí nesses processos e mecanismos que são, ao mesmo tempo, originais e, eu diria, essenciais, mas que se referem também a certa forma de conclusão.
Vocês entraram, efetivamente, nisso.
Então, é claro, aqueles de vocês que nada vivem, essa é a sua Verdade, por enquanto: para eles, isso nada quer dizer.
Se vocês perguntarem ao redor de vocês àqueles que vivem isso, eles não podem fazê-los viver porque é algo íntimo.
Por outro lado, quando vocês o viverem, haverá uma intimidade espiritual que irá se estabelecer entre vocês, muito além de todos os assuntos humanos.
E o corpo irá vivê-lo, mas não há necessidade de fazer seja o que for ao nível do corpo.
A sequência lógica, ela acontece no corpo.
O Êxtase é um processo que se refere ao corpo e que se vive, então (como dizem nossos Irmãos orientais) nesta ilusão.
 A ilusão se torna a Verdade, pela sua própria transformação, pela sua própria revolução.
Portanto, vivam o que vocês têm que viver, não é?
Por exemplo, quando vocês vão, eu não sei, ao cinema, vocês assistem a um filme (é um péssimo exemplo, mas eu não tenho um melhor que me venha à consciência), vocês vivem o filme, vocês não ficam se perguntando por que tal ator usa tal roupa, por que ele colocou a mão em tal lugar e por que isso se desenrola assim.
 Mesmo se, efetivamente, houver um cenário, mesmo se, efetivamente, houver um roteiro, mas não é porque vocês conhecem o cenário, que vocês conhecem o roteiro, que vocês vivem o filme, não é?
Aí, isso acontece no Interior de vocês.
Sejam o que está prestes a ser vivido, e não o que observa o que está prestes a ser vivido.
Não é, de qualquer maneira, a Realização do Si ou o Despertar do Si, hoje.
É profundamente diferente.
E o que é fundamental é a Humildade, a Simplicidade: disso vocês sabem.
Mas, sobretudo, a espontaneidade, aquela da criança que descobre, com maravilhamento, o que ela É.
E, para isso, vocês são obrigados a vivê-lo, de nada serve olhá-lo.
Naturalmente, depois, vocês poderão compartilhar, seja com palavras, ou em outros lugares, em outras Vibrações, para aqueles que vivem a mesma coisa que vocês.
Mas vocês podem também testemunhar, testemunhar pela sua Presença.
Testemunhar, não para dizer o que vocês vivem.
Porque aquele que está na sua frente, se vocês lhe disserem que vocês têm espécies de estremecimentos que ocorrem no períneo, que esquentam vocês e que vocês ficam em um estado estranho, ele vai olhá-los, realmente, como alguém que não é normal, não é, principalmente se ele não viver isso.
Mas o que isso desencadeia, não o que acontece, mas como vocês ficam?
Esta leveza, este sorriso que os toma e que os acompanha, este Amor indizível que a Onda da Vida os faz viver, para cada Um, sem distinção seja do que for.
Isso sim, ousem dizê-lo, porque vocês o vivem.
Isso não é para esconder, isso não é do ego.
O ego, aliás, jamais poderia se gabar disso.
Vocês já viram um ego que vai dizer, assim, a todos os seres: “eu te amo”, com toda simplicidade?
Isso não existe.
Vocês já viram um ego que não vive o Absoluto dizer-lhes, glorificando-se: “eu sou o Absoluto”?
Isso não é possível.
Vocês não podem trapacear.
Mas vocês não podem se calar, tampouco.
Porque a Onda da Vida, ela sobe, ela se exprime e ela irradia, na totalidade.
Isso, isso é muito importante.

***


Pergunta: se a energia sobe no hemisfério norte, o que acontece no hemisfério sul?

Isso acontece também, mesmo se, para eles, for o início do outono.
O importante é (eu sempre disse) que as descrições que nós lhes demos estão ligadas a este país que é a França.
Isso não quer dizer que os outros não estejam referidos (quer eles estejam no outro extremo do planeta ou completamente oposto, no polo sul), mas porque, no nível da emergência da Luz, há ressonâncias específicas que ocorrem segundo os países.
Esta realidade é que a seiva, ela sobe.
Ela sobe sobre toda a Terra.
Não há diferença entre o hemisfério norte e o hemisfério sul, mesmo as estações não sendo, como vocês sabem, perfeitamente as mesmas.
Mesmo aqueles que têm duas estações (verão / inverno) vivem a primavera da Ressurreição.
Porque aqueles que se interessam por isso, que ouviram os sons do Céu e da Terra, que ouviram as Trombetas, que ouviram falar, é exatamente isso que ocorre: há um apelo da vida à Vida.
A Terra está Liberada.
Se a Terra está Liberada, isso significa que ela deve tomar o seu lugar.
E vocês também, vocês devem tomar o seu lugar.
É exatamente isso que acontece.
A noção de hemisfério norte / sul nada tem a ver, nesse nível.
É algo de muito preciso e está, sobretudo, ligado à Europa do oeste.
Mas como vocês talvez tenham visto, os mecanismos sonoros e os estremecimentos da Terra (não os estremecimentos da terra como vocês o ouvem, mas as Vibrações ou as ondas da Terra) estão muito mais presentes mais do outro lado do Atlântico do que aqui na Europa.
Mas é o mesmo processo, a tradução não é a mesma.
Para vocês, ela é talvez mais acessível no corpo.
Lá embaixo, também, ela é acessível no corpo.
Mas há uma forma de exteriorização desta consciência que ocorre de maneira, talvez, um pouco diferente.
Mas o resultado é exatamente o mesmo, não é?
Quer vocês tenham Vibrações sob os pés, quer vocês tenham o períneo esquentando, quer vocês tenham a energia girando entre os meridianos, estando na frente e atrás do corpo, como na alquimia, quer vocês tenham a Fonte de Cristal jorrando esta Onda da Vida, ou a Onda da Vida fazendo-os arrepiar e modificando o seu metabolismo, não importa.
É o efeito que é importante.
Não neste corpo, mesmo vocês vivendo isso neste corpo.
Mas, o que está prestes a mudar em vocês?
O seu Amor torna-se o que vocês São.
Vocês não têm mais necessidade de exprimir um amor pessoal, mesmo se ele sempre estiver aí.
Vocês estão no Amor para todos.
Eis o que é o resultado da Onda da Vida, deste Êxtase.
Isso não foi feito para ser vivido assim, no seu cantinho e esperar que os outros ali cheguem também.
Isso foi feito para Viver, na totalidade.
Viver o Êxtase, isso se vive efetivamente, também, neste corpo, mas isso os faz superar, como foi dito, todos os limites deste corpo.
Vocês sabem, pertinentemente (não porque vocês ali aderem, não porque vocês acreditam em um além), que vocês não são este corpo.
Vocês estão neste corpo, mas vocês vivem algo que é transcendental, que nada tem a ver com o funcionamento normal deste corpo.
Tudo está mudado.
Está aí o que isso quer dizer.
Esse que é o elemento, os elementos mais importantes para viver.
No momento em que a Onda da Vida chegar, que isso seja, por exemplo, para o seu primeiro Êxtase, que isso seja para o seu primeiro estremecimento e circulação da Onda, que isso seja para a sua primeira Transfiguração celular, o mental, o Supramental que vem iluminar as células, que isso seja sozinho, que isso seja com o Sol, que isso seja com alguém (como foi dito) a quem vocês apertam a mão, que isso seja através de um olhar: Vivam-no.
Não se coloquem questão.
Porque, se vocês se colocarem questões, vocês irão recair e vocês irão ver que a Onda do Êxtase, ela vai se afastar, ela vai encolher.
Ela não poderá extinguir-se porque o que nasceu é inexorável.
É irreversível, totalmente irreversível.
Portanto, vivam o que vocês têm que viver.
Porque, se vocês forem Amor, se vocês viverem o Amor, por que poderiam ou deveriam existir limites, sejam eles quais forem?
Porque, se vocês estão no Amor, vocês permanecem no Amor.
Vocês não podem se afastar do Amor.
Vocês não estão mais na personalidade, vivendo o Êxtase.
Portanto, de nada serve refletir com uma personalidade que vai dizer-lhes: “sim, mas eu não posso dizer, há convenções sociais, morais, eu não posso dizer que eu a amo, tal pessoa”.
E depois, vocês terão medo, vocês irão dizer-se: “pode ser que, se eu falar do que eu vivo, o outro mal vai me receber ou vai compreender isso como um convite para outra coisa”.
Mas é o ego que diz isso, não o Amor.
O que vocês compreendem?
O ego sempre vai reconduzi-los à noção de limite, à noção de pecado, à noção de “não está certo”.
Mas o Amor não se importa com tudo isso.
Simplesmente porque, na vivência do homem, sempre há o Amor (como disse o Bem Amado João, SRI AUROBINDO, na última vez em que ele veio).
Esta noção de Transcendência, de Êxtase, ela remete a quê?
Ao nível do ego, ela remete ao nascimento, à vida, à morte, à sexualidade e ao amor (mas o amor que vocês podem denominar amor quando vocês criam uma família, quando vocês estimam um ser).
Mas, aí, está além de tudo isso.
Por que vocês querem ali colocar esse tipo de coloração?
Portanto, vivam o que vocês têm que viver.
Se vocês permanecerem no Êxtase, nada pode ser contrário ao Amor e à Verdade.
É o mental que vai fazê-los se afastar deste Êxtase.
Obviamente, conforme o seu mental, conforme a sua constituição, isso vai se tornar, de imediato, permanente.
Ou com outros, isso vai chegar, partir, voltar, como um fluxo e um refluxo.
Lembrem-se de que vocês não podem controlar, nem conduzir esta onda, esta Onda.
É ela que leva vocês.
E ela os leva muito mais facilmente quando o mental não intervém para lucubrar em relação ao outro ou em relação a si mesmo.
Isso necessita, ainda uma vez, da espontaneidade.
É a voz da Infância.
É aquele que ama sem a menor questão porque ele sabe que é sua natureza, já que ele vive isso.
Não é um amor condicionado, em função do que vai pensar o outro, em função do olhar do outro, em função das convenções afetivas, humanas, em um casal ou em uma relação, seja ela qual for.
É tudo isso.
E muito, muito amplamente transcendido.
Isso não importa.
Por que vocês querem colocar limites ao Amor?
 Mas se vocês saírem do Amor, a limitação será que a Onda do Êxtase vai se tornar rarefeita, ela vai diminuir.
Quanto mais vocês estiverem no Amor, quanto mais vocês estiverem nesta Onda da Vida, mais há um fluxo potente estando aí, na totalidade.
Foi dito a vocês, ainda esta manhã: não julguem, não se julguem, nada julguem, sejam claro e tudo vai ser bom, muito bom.

***


Pergunta: por que os momentos de Êxtase e de angústias se sucedem?

Mas isso é normal.
Isso foi explicado: há um determinado número de dias para que a Onda da Vida, ou Onda da Graça (enfim, não importa a denominação que vocês lhe deem), para que esses estremecimentos subam, chegando onde?
Ao nível do períneo, penetrando o períneo, então tudo o que está ligado à esfera dos órgãos genitais, no reto, na Kundalini, nos dois primeiros chakras.
Mas são nesses dois primeiros chakras que se encontra o quê?
A angústia da morte, a angústia da perda, o medo.
Não o medo ligado à sua história.
Mas o medo da humanidade, o medo da morte, o medo da perda, a perda do quê?
Da própria personalidade.
Então, é claro, vocês vão ficar divididos, de um lado, entre este Êxtase e, do outro lado, por vezes, esta angústia.
É um meio de posicionar-se.
Vocês não são esta angústia, vocês não são este corpo, isso acontece neste corpo.
O que vocês fazem, nesse caso?
Vocês dão peso à angústia ou vocês dão consistência à Onda da Vida?
E a escolha, ela é fácil de fazer, não?
Principalmente se vocês compreenderem, pela própria vivência, muito rapidamente, que, se vocês deixarem a angústia aumentar, a Onda da Vida vai diminuir.
Se vocês se identificarem com a angústia, se vocês forem persuadidos de que é sua, se vocês forem persuadidos de que vocês não estão puros, de que vocês não estão preparados, de que a sua história confina vocês, de que vocês ainda estão no seu problema, seja ele qual for.
Mas isso é risível.
Isso quer dizer simplesmente que, vocês mesmos, vocês dão peso ao seu passado.
E, então, se vocês forem o seu passado, vocês não podem ser o seu presente.
E tudo isso é para conscientizar.
Isso pode ocorrer em cinco minutos, como necessitar de várias semanas.
Vocês querem ser o passado?
Vocês querem ser a angústia?
Vocês querem ser a sua história, a deste corpo?
Ou vocês querem ser muito mais do que isso?
Vocês querem ser a Onda da Vida?
É o que lhes pergunta a Onda da Vida.
Ela não lhes pede para querer eliminar este medo, pois ele faz parte da vida, que é a sua.
Mas vocês não são este medo, vocês são o Êxtase.
Cabe a vocês escolher.



************


Mensagem do Venerável OMRAAM (Aïvanhov) no site francês:
31 de março de 2012
(Publicado em 1º de abril de 2012)

***


Tradução para o português: Zulma Peixinho


************


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário