ANAEL - 14 de maio de 2011 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




- Intervenção do Arcanjo da Relação e do Amor -

“Vocês têm então, em vocês, e como sempre, todos os meios para dar-se conta, por vocês mesmos, do que resta em vocês de apego, do que resta em vocês de noção de território, de confinamento, de limitações, de engramas (ligados às suas vivências, dessa vida como de outras vidas). Insisto no fato de que vocês não têm que trabalhar neles, de uma forma ou de outra, mas, sim, que aceitar olhá-los de frente, aceitar vê-los, porque a Luz, então, vai transcendê-los.”



~ Abandono coletivo à Luz ~

Eu sou ANAEL, Arcanjo.
Bem-amados Filhos da Luz e bem-amadas Sementes de Estrelas, que a Paz e a Alegria estejam em vocês.
Eu venho, hoje, entre vocês a fim de exprimir certo número de elementos complementares relativos ao que eu introduzi, há dois anos, denominado Abandono à Luz.
Convém, hoje, redefinir e se aproximar, um pouco mais, do que é e do que representa a vivência do Abandono à Luz.
Principalmente, em relação a uma série modificações essenciais, de seu contexto de vida, de seus contextos de referência habituais, preexistentes nesta Dimensão, onde vocês estão ainda.
Eu abrirei em seguida, já que minha intervenção será curta, um espaço para diálogo, em relação exclusivamente a esse princípio mesmo de Abandono à Luz.
Nós vamos sair do individual e penetrar nos fenômenos que eu qualificaria, hoje, de coletivos, em relação ao Abandono à Luz.

***


Um dado evento, ocorrendo na superfície da Terra, implica em certo número de reações adaptadas, frente a este evento, a fim de ali encarar, de encontrar o que é chamado, lógica e muito logicamente, de soluções, frente a uma alteração que pode constituir tal evento.
O evento principal da história da humanidade, há dois meses, é, como vocês não podem ignorá-lo, a transformação de uma série de elementos, controlados até agora, em meio à radioatividade, em um processo totalmente fora de controle do que aconteceu neste local da Terra chamado de Japão.
Frente a tal evento, é perfeitamente lógico que a humanidade, e principalmente aqueles que estão em causa, pela proximidade com o tema e com o evento, tentem, de uma maneira ou de outra, minimizar a importância do que aconteceu.
E depois, logicamente, tentem encontrar soluções para encobrir um problema ocorrido, na verdade, ao mesmo tempo, pelos efeitos dos movimentos da Terra, mas também pelos efeitos da tecnologia do ser humano, utilizada para o controle aparente do que é chamado de átomo.

***

Tal evento, obviamente, pode, até certo estágio, ser ignorado.
Daqueles que, em todo caso, não estão expostos, ou não entendem o que está acontecendo realmente.
Do mesmo modo, alguns elementos, ocorridos de maneira perfeitamente concomitante e relacionados com as modificações do equilíbrio planetário (representados pelas mortes de animais, pelos fenômenos climáticos cada vez mais intensos), requerem, aí também, no nível coletivo, uma resposta e uma adaptação, frente a um evento denominado imponderável (ou imprevisto, ou em todo caso imprevisível) vindo alterar o funcionamento da vida, considerada como normal, do ser humano.
A lógica do ser humano é sempre responder a um problema ocorrido, a fim de tentar ali dar uma solução.
É extremamente penoso, para o ser humano, não poder fornecer uma solução a um problema ocorrido de forma individual ou coletiva.
O conjunto da vida, nesta Dimensão, recorre, permanentemente, a tomadas de decisão, a tomadas de soluções, relativas a problemas, ou a fatos, ou a eventos ocorrendo na vida de cada ser humano.
Isso faz parte da lógica inerente do modo de vida, em meio a esta 3ª Dimensão específica.

***

Existe, contudo, certo número de eventos aos quais o ser humano, tanto a título individual como coletivo, não tem qualquer meio de ação.
Apenas podem existir formas de gesticulação, formas de dissimulação, formas de recusa, fazendo com que, coletiva ou individualmente, o ser humano entre em um procedimento de negação de um processo, todavia bem real, existindo nesta Dimensão.
Em relação a esse tipo de eventos (sobre os quais é preciso bem considerar que, em última análise, o ser humano, qualquer que seja sua ciência e qualquer que seja sua técnica, ele não pode agir): naquele momento, alguns comportamentos podem ser adotados e adaptados pelo ser humano, permitindo-lhe, aí também, encontrar estratégias de adaptação a tal evento.
Isso foi vivenciado, por alguns seres humanos, nas situações de guerra, onde ele precisou sempre encontrar do que subsistir, do que se aquecer, do que comer.
Hoje, o problema é diferente.
Pois o que vem, e que já está prestes a se instalar, não tem qualquer medida comum com um elemento tendo existido, na memória do homem, ou tendo sido, até mesmo, considerado, por qualquer suposição ou por qualquer crença.

***

Os eventos que se sucedem sobre essa Terra têm um caráter de total inevitabilidade.
Isso diz respeito, também, ao que aconteceu no Japão, como ao que acontece em diversos locais do planeta, superando, agora, a inundação bíblica de Noé.
Outros fatores, obviamente, vêm engrossar essa lista de eventos, aos quais nenhuma estratégia humana pode pretender se opor ou confrontar.
Frente a esse processo coletivo, o ser humano, situando-se na reação lógica, não pode, em um primeiro momento, ficar conformado.
Ele apenas pode reagir, para justamente não ficar resignado.
Esta necessidade de ação está inscrita na lógica mesmo do funcionamento fisiológico de toda forma de vida, na superfície desse planeta.
A estratégia que é então adotada (em relação também a um mamífero, a um ser humano, a um inseto), poderia ser denominada, com razão, uma estratégia de sobrevivência, visando, antes de tudo, manter uma integridade biológica e psicológica (quando esse for o caso), permitindo, de algum modo, evitar a própria aniquilação, da pessoa ou de um grupo de pessoas.

***

Este conjunto de eventos, ocorrendo de maneira visível, tangível, existindo como fatos incontestáveis, é acompanhado (e aqueles que estão aí sabem-no pertinentemente) pela chegada da Luz.
A chegada da Luz, manifestada Interiormente, Vibratoriamente, e em breve em seus Céus, de maneira tangível e visível, com seus olhos, traduzir-se-á, aí também, por uma sobreposição de eventos.
Muitos seres humanos não poderão se Abandonar ao princípio da Luz, porque eles serão arrastados, querendo ou não, para uma reação (lógica, ainda uma vez) aos eventos ocorrendo atualmente sobre esta Terra.
Para a maioria de vocês, aqui, e que irão ler o que eu digo, é evidente que a chegada da Luz é um mecanismo semelhante a um fato vivido, mesmo se ele não for percebido ainda por seu ambiente próximo, que não vive as mesmas Vibrações.
Paralelamente a isso, vocês entenderam, superpõe-se certo número de eventos, procedentes da Luz, traduzindo-se pelas atividades geofísicas da Terra e também por circunstâncias astronômicas, extremamente precisas, e cíclicas.

***

Este conjunto de eventos ocorre então de maneira concomitante e simultânea.
Ambos estão sob seus olhos.
Ambos estão sob sua percepção.
Toda questão é, aí também, mais do que nunca, saber, e antecipar (ou viver desde agora), o que poderia ser uma eventual reação de sua parte, ou o que seria, de preferência, um mecanismo de Abandono à Luz.
Há testemunhas, comportamentais, presentes em cada ser humano, permitindo-lhe precisar, de algum modo, seu comportamento em relação à resistência ou à oposição ao que vem ou, então, o que é mais um mecanismo de Abandono à Luz.
Uma coisa é certa, é que quanto mais vocês mergulharem nas Vibrações que vocês vivem, mais sua Consciência será capaz de se Abandonar à Luz e ignorar os fatos que vêm.
Não para negligenciá-los, não para negá-los, mas para compreender o sentido profundo por trás da aparência do fato.

***

Portanto, cada ser humano, cada Consciência, vai ser levado, em um futuro muito próximo, em termos humanos, a se posicionar, ou quanto a uma reação inscrita muito logicamente em seu corpo biológico (e então nos reflexos, poderíamos dizer), ou aceitar o efeito da Luz, Abandonar-se à Luz e aceitar, de algum modo, sair de uma Ilusão para penetrar na Verdade.
Então, é claro, aquele que vive a Ilusão como sua única Verdade, não pode conceber que existe outra Verdade.
Eu lhes responderia que a outra Verdade são, antes de tudo, os estados Vibratórios, os estados de percepção que vocês vivem, em seu corpo biológico, independentemente mesmo de qualquer acesso à Verdade, ou seja, de qualquer acesso à Eternidade ou ao Estado de Ser.
Há testemunhas e marcadores desse afeto biológico, dessa pressão biológica, ligados à Luz, manifestados por suas diferentes Vibrações, que permitem antecipar e saber a priori (pressentir, de alguma forma) qual poderá ser seu comportamento frente ao inelutável.

***

O inelutável de que falo, pode ser denominado, segundo os pontos de vista, a morte ou o nascimento.
Morte de certas condições, nascimento de outras condições.

Toda vida, aqui como em outros lugares, está em perpétua transformação e transmutação.
Indo sempre para mais Liberdade, para mais expansão, para mais possibilidades, pois a Vida é perfeita desde o início, e ela tem apenas que realizar esta perfeição no conjunto das possibilidades, e no conjunto das Criações.
Só o espaço onde vocês permanecem, no momento, é finito, é confinado, é limitado.
A limitação, como todas as coisas, no nível do ser humano, é um campo de experiência.
O campo de experiência cria, por ele mesmo e por sua repetição, um processo de confinamento sobre si mesmo, fazendo com que todo elemento irrompendo em meio a este equilíbrio (desta adaptação realizada, qualquer que seja), virá modificar o equilíbrio existente, e provocar então, uma reação que vem, muito naturalmente, opor-se ao Abandono à Luz.
Lembrem-se: o que a lagarta chama de morte, a borboleta denomina nascimento.
E que vocês são, ao mesmo tempo, a lagarta e a borboleta.
O momento em que a Luz se manifesta em vocês, por esta pressão biológica e por esta percepção de suas Vibrações, o momento em que (para aqueles que buscam, em todo caso, a informação correta), desde o início deste ano, as mortes de animais, o número de sismos, o número de vulcões, o número de revoltas humanas, o número de acidentes, nucleares e outros, vão ao sentido de uma mudança importante da humanidade.

***

Esta mudança importante, vocês são afetados, ou vocês não são afetados.
Novamente, se vocês estão a milhares de quilômetros do local onde ocorre esta transformação, obviamente vocês podem considerar que isso não lhes diz respeito algum.
Chegará o momento, muito próximo, em que toda a humanidade será, de maneira conjunta, afetada.
Naquele momento, lembrem-se, qual é o ponto de vista que vocês adotam?
Aquele da lagarta irá arrastá-los nas reações permanentes, na elaboração de estratégias de sobrevivência, de manutenção de alguma forma de vida, em detrimento da Luz.
O ponto de vista da borboleta irá levá-los, coletivamente (em todo caso para a minoria da humanidade aberta e Desperta), a viver esta transformação com plena lucidez, e com plena aceitação.

***

O ego do ser humano é assim construído, de maneira artificial, concebendo-se como confinado e limitado, não podendo nada admitir de exterior às suas próprias áreas de experiência, ou às suas próprias áreas de crença.
Há então, vocês entenderam, através deste período que se abre, uma oportunidade única de viver a Liberação, e a Liberdade.
Mas, compreendam bem, como lhes disse Omraam (ndr: Omraam Mikhaël AÏVANHOV), que vocês não podem permanecer, especialmente agora (e vocês irão constatá-lo cada vez mais), entre duas cadeiras.
Vocês devem ir firmemente para o que sua consciência os pender.
A passagem da lagarta para a borboleta apenas pode ocorrer, de maneira perfeita, se o Abandono à Luz se tornar total.
Isso significa, e pode se refletir, pela intervenção, é claro, do ego em meio mesmo à sua vida de Luz.
Traduzindo-se, ou por pensamentos opostos à Luz, ou por pensamentos de negação, ou de degeneração, de suas próprias percepções biológicas, de suas próprias Vibrações.
O mental, o emocional, são assim feitos, eles buscarão arrastá-los para o medo, para a reação, para a ação, voltada para esse mundo, e não voltada para seu Ser Interior.

***

Eu não voltarei sobre a noção de Amor e de Serviço, representada pela Vibração real do Ser, mas eu prossigo sobre esta noção de Abandono à Luz.
O Abandono à Luz, alguns de vocês o vivenciaram a título individual, com ou sem resistência, permitindo-lhes estabelecer-se em meio à sua Vibração atual da Consciência.
O mecanismo coletivo de Abandono à Luz representa, de certa forma, outra intensidade de Consciência.
Pois ela não está mais ligada a um grupo de indivíduos, mas a uma totalidade de indivíduos, a uma totalidade de Consciências, correspondendo ao conjunto da humanidade, que poderíamos denominar, de algum modo (e englobando também os animais), a Noosfera, que é a esfera de Consciência da vida da Terra.
 Esta Consciência de vida da Terra sabe, pertinentemente, que ela atinge o fim da Limitação, ilustrado pelas partidas em massa de animais, de mamíferos marinhos, alcançando sua Dimensão de Eternidade.
O ser humano não escapa a essa regra.
A questão é saber qual é a força de Amor, e de potência de Amor, que irá surgir de vocês, a fim de limitar, de algum modo, sem se opor, as forças de resistência ou de contração à Luz.

***

Minhas palavras têm por objetivo atrair sua atenção sobre esse processo.
É preciso, aí também, aceitar ver de frente, e claramente, as coisas.
O que não quer dizer ali se envolver.
Na verdade, qual é sua possibilidade de ação sobre a radioatividade?
Exceto tornarem-se vocês mesmos radioativos, e então a Luz.
Qual é sua possibilidade de ação diante de uma parede de água de mais de cem metros de altura?
A questão não terá tempo de ser colocada, naquele momento.
Ela deve, agora, colocar-se no Interior de vocês mesmos, enquanto exame de sua própria Consciência (estado de ligações, se vocês preferirem, da personalidade e do Espírito), permitindo-lhes saber, precisamente, onde vocês estão e onde vocês estarão no momento do Abandono final da humanidade à Luz e do derramamento final da Luz sobre esta Terra.
Através de sua própria vida, através do que vocês vivem, em seu ambiente mais próximo, qualquer que seja, é dada a oportunidade de testar (em tempo real, de algum modo), sua capacidade para Abandono à Luz.
Vocês são capazes de se instalar no Instante?
Vocês são capazes de superar o medo do amanhã?
Vocês são capazes de superar o medo da privação?
Vocês são capazes de superar, de algum modo, seus últimos apegos?
Coloquem-se claramente a questão.
Isso irá lhes permitir, através de emoções que podem nascer, colocando-se esta questão, ou atividades mentais que podem nascer, ou justamente a ausência de emoção e de reação, vocês poderão, de maneira quase perfeita, determinar aí onde vocês estão, em relação ao que vem.

***

As circunstâncias de sua vida, tais como vocês são levados a viver, cada um de vocês, hoje, há algumas semanas ou alguns meses, mostram-lhes, de maneira extremamente precisa, o que acontecerá para vocês no momento global.
Não há melhor possibilidade de observação do que sua própria vida, nesse momento mesmo.
Seja o que for que a vida oferecer a vocês, isso lhes é oferecido por força da Fusão dos Éteres, da conexão Interdimensional realizada para a Terra, e para vocês mesmos.
Permitindo, a partir desta noite, colocar em operação a parte terminal do trajeto indo do topo de sua cabeça ao Bindu, e permitindo-lhes, assim, serem fecundados pela Energia Metatrônica, que é, pode-se dizer, uma Liberação.
Liberação do Espírito.
Com a condição de que o Espírito predomine sobre a personalidade.
O Espírito é Doação.
A personalidade não é doação, é apropriação.
O Espírito é Liberdade, Liberação, e Alegria.
A personalidade é sofrimento, tristeza, e ausência de Alegria.
Conforme seus momentos passados na paz, em quantidade e em qualidade, e conforme seus momentos passados na preocupação, no medo, na emoção, ou no mental, em quantidade e em qualidade, vocês ficam aptos, totalmente, durante este mês, para determinar de qual maneira será vivido o que vocês têm que viver.

***

O objetivo, obviamente, não é viver por antecipação, mas sim perceber, desde já, os efeitos sobre seu corpo biológico e sobre suas estruturas mentais e emocionais.
Isso lhes dará uma visão geral fiável do que os aguarda.
Essa visão geral fiável do que os aguarda pode evidentemente ser modificada por sua própria Consciência, que irá decidir, naquele momento, ir ou não para o Abandono à Luz.
A tranquilidade do mental, a tranquilidade das emoções, é um marcador, hoje, também importante, se não mais do que sua própria capacidade de percepção do corpo biológico através das Vibrações.
Diante das vicissitudes da vida comum, a maneira mesmo que vocês têm de se comportarem, traduz, e mostra, antecipadamente, a maneira que vocês irão se comportar no nível coletivo.
Vocês têm então, em vocês, e como sempre, todos os meios para dar-se conta, por vocês mesmos, do que resta em vocês de apego, do que resta em vocês de noção de território, de confinamento, de limitações, de engramas (ligados às suas vivências, dessa vida como de outras vidas).
Insisto no fato de que vocês não têm que trabalhar neles, de uma forma ou de outra, mas, sim, que aceitar olhá-los de frente, aceitar vê-los, porque a Luz, então, vai transcendê-los.

***

Vocês não podem mais nada esconder.
Vocês não poderão mais nada esconder, a vocês como aos outros.
A instalação da Luz torna Transparente.
Ou então, resistente, e opaco.
A Transparência é fácil
A opacidade tornar-se-á cada vez mais difícil.
Portanto, hoje, cada Consciência humana, olhando para o que ela vive, vai poder determinar, de maneira muito precisa, o que ela terá de viver no momento do Abandono coletivo, ou do não Abandono coletivo, à Luz.

***

Aí estão alguns elementos, muito simples, que eu tinha que dar a vocês.
Eu o faço enquanto Embaixador do Conclave, preparando-os para seu próximo mês, e, sobretudo, para a intervenção do Arcanjo METATRON.
Se houver em vocês, e em relação a isso, perguntas, então eu escuto.

***

Pergunta: quando um evento é criado pelo ego, ele é proposto pela vida como um teste?

Sim.
Poderíamos quase dizer plenamente.
Hoje, a Luz permite que a lei de Atração e de Ressonância se manifeste a vocês.
Portanto, seja o que for que acontecer a vocês, especialmente hoje, ou seja, nesse período, este evento será significativo.
Não como uma acusação, não como uma condenação, mas, bem mais, como um elemento esclarecedor, para integrar e superar.
Integrar e superar, não querendo dizer compreender o significado, o sentido, kármico ou outro.
Mas, bem mais, como uma iluminação para encarar.
Encarar um evento da vida, mesmo conferido pelo ego, permite superá-lo pela Luz.
É também uma regra muito simples.
Como saber se é o Espírito que fala ou se é a personalidade?
Eu vou ser, de alguma forma, muito direto.
Se vocês não veem qualquer diferença, conforme seus estados, conforme os dias e conforme os eventos, se vocês não são capazes de distanciar, e de diferenciar, um outro estado de Consciência ocorrendo em certas ocasiões, é que o que se desenrola em sua vida ocorre sob a influência do ego.
Há apenas aquele que, de uma maneira ou de outra, alcançou o Espírito, que se torna capaz (por diferenciação e distanciamento) de compreender, e de viver, o fato de que seja do ego ou do Espírito.
Mas, enquanto esta Dimensão do Espírito não foi vivenciada pelo menos uma vez, obviamente, todos os eventos ocorrem sob a influência do ego.
Exclusivamente, o Abandono à Luz (de que falei há dois anos) permite, justamente, fazer a distinção e a diferença dos momentos e instantes em que vocês estão no Fogo do Espírito, e dos momentos e instantes em que vocês estão no fogo do ego.
Não para condenar ou reprimir o fogo do ego, mas para, sim, estar, e aceitar estar, lúcido sobre o que acontece.

***

Pergunta: como as forças do Amor podem nos ajudar a superar os limites da personalidade, e nos engajar no Abandono à Luz?

Bem-amado, o Abandono à Luz ocorre apenas por si mesmo.
O Amor pode apenas propor a Luz, mas são vocês mesmos que acendem sua Luz.
Nós estamos aqui, bem além de um amor conceitual, nós estamos bem além de um amor no sentido humano.
É por isso que nós preferimos a palavra Luz Vibral, ou Amor Vibral, ilustrando a tonalidade particular desse Amor Unitário, levando-os a superar, e a transcender, as noções de personalidade, as noções de Fogo do ego.
As forças do Amor (como você as denomina) estão aí apenas como testemunhas, permitindo-lhes, se vocês aceitarem, iluminarem-se vocês mesmos.
Mas não é preciso esquecer que o Fogo do Espírito, ou o Fogo do Amor, para o ego, assinala sua destruição.
A passagem do ego ao Espírito é uma Transcendência total.
Procedendo por pequenos toques, até agora, mas indo proceder, cada vez mais, por toques cada vez mais violentos, permitindo-lhes, justamente, como eu disse, bem distinguir o que é do domínio do ego, o que é do domínio do Espírito, a partir do instante em que vocês o tiverem vivenciado uma primeira vez (se isso já não tiver ocorrido).

***

Pergunta: a título de solidariedade, podemos doar sangue?

Bem-amada, as circunstâncias coletivas de que falo não vão lhes permitir esse tipo de doação.
Agora, além da questão aparente, há a questão: podemos doar sangue?
Ou: devemos doar sangue?
A resposta é eminentemente pessoal.
Ela é eminentemente em função das circunstâncias.
E ela envolve tanto a Consciência do doador, como do receptor.
Agora, lembrem-se de que as circunstâncias de que falo, não têm qualquer medida comum com os eventos habituais, como eu disse, vivenciados pela humanidade.

***

Pergunta: tendo se apercebido do que acontece no Japão, podemos projetar o que será nosso próprio fim, como lagarta?

É preciso bem compreender algo, bem-amado.
Cada fim de um ser humano no curso de sua encarnação é diferente: doença, acidente, velhice, as causas são inumeráveis, e vocês as conhecem.
Há uma diferença importante, em relação ao processo coletivo envolvido atualmente.
É que, no caso da morte (habitual, eu diria), vocês desaparecem, mas o mundo continua.
Aí, o que vai acontecer é estritamente o oposto: o mundo desaparece, mas vocês, vocês continuam.
Como vocês querem continuar se o mundo não existir mais, tal como vocês o conhecem?
O que isso significa?
Isso significa, simplesmente, que a borboleta evolui em outro mundo.
Não há então que se colocar a questão de uma projeção em seu próprio fim, já que isso não tem nada a ver.
O novo Nascimento diz respeito ao desaparecimento da Ilusão.
Entretanto, nesse mundo, tudo é Ilusório, mesmo esse corpo, que é sua própria projeção, e ainda o Templo Interior, onde ocorre a Transmutação e a Translação.
Portanto, se a Ilusão desaparece, se o conjunto do mundo desaparece, o que permanece?
A Consciência, e somente a Consciência.
O que fazer com esta Consciência?
Isso, obviamente, vocês vão saber e viver no momento oportuno.
*
Mas ainda é preciso estar totalmente lúcido sobre isso.
Ou seja, não são vocês que morrem.
Não são vocês que perdem a Consciência
Mas é a Ilusão que morre, e que desaparece.
E isso diz respeito à toda a humanidade.
Então, é claro, aquele que se guiar unicamente pelos eventos Elementares (ocorrendo no local onde ele estiver, ou em outros locais), e que não tiver a capacidade para se tornar borboleta, tornar-se-á necessariamente, depois.
O sentido é profundamente diferente, tornar-se borboleta antes, durante, ou depois.
Porque antes, durante, ou depois, certifica, simplesmente, seu Futuro em meio à Consciência Ilimitada.
Se isso for depois, isso ocorrerá nos mundos ditos de carbono, mas Unificados.
Se isso for antes, pode se refletir pelo que foi denominado, por seus sábios e místicos, a Dissolução Bramânica, a Fusão no Tudo.
E se isso for durante, então, naquele momento, a possibilidade tanto de ter acesso a esta Dissolução, como de penetrar nos espaços Ilimitados da Criação.
Mas entendam que, o que é fundamentalmente diferente, é que não são vocês que desaparecem do mundo, mas é o mundo que desaparece de vocês.
E isso é profundamente diferente.
*
A Luz (denominada também: partículas Adamantinas, Ultravioleta, Irradiação do Espírito Santo, d’A FONTE, não importa os termos e as palavras que vocês empregarem), não é deste mundo.
Ela se revela nesse mundo, há algum tempo.
Ela permite a Transmutação que vocês vivem, no nível Vibratório.
E, então, a mudança do estado de Consciência.
A Luz foi desviada desse mundo, pouco importa as maneiras.
Este mundo, Ilusório (Maya, como dizem os orientais), é um mundo que não existe.
O momento em que seus cientistas descobrem que as radiações (do Sol, da Luz, do Cosmos) mudam a matéria, o que era impossível de se pensar, imaginar ou conceber há ainda alguns anos, tornou-se uma realidade.
O que faz a Luz?
Ela faz desaparecer os jogos da Sombra e da Luz.
Ela faz então desaparecer o que pertence a essa densidade falsificada.
Eu repito ainda uma vez: não são vocês que desaparecem, mas é o mundo que desaparece.
É exatamente assim que vai acontecer.
Como viram vários profetas.
Como denominou, de forma humorística, o Comandante: “o planeta grelha” (ndr: O.M. AÏVANHOV).
O planeta grelha não vem destruir a vida, mas fecundá-la, e permitir-lhe renascer.
*
A dificuldade, e a única dificuldade, é o não abandono de tudo o que é Ilusório e efêmero.
Esse corpo, que é seu Templo, é efêmero.
Ele não é eterno.
Seus relacionamentos não são eternos, eles duram o tempo da Atração.
Os ciclos da humanidade e das diferentes civilizações jamais foram eternos.
A Eternidade não faz parte desse mundo.
Vocês estão nesse mundo, mas vocês não são desse mundo.
O Abandono à Luz vai lhes permitir encarar esse momento como deve sê-lo: em sua justa extensão, e em seu justo valor, e em sua justa finalidade.
O momento da Autonomia.
O momento da Liberdade e da Liberação.
Agora, vocês devem viver com plena consciência, com plena lucidez.
E vocês devem viver, ainda por cima, de maneira sincrônica, com o solo daí onde vocês estão, e com o planeta, em sua totalidade.
O que deve acontecer é, então, esse Abandono coletivo à Luz.
Quer queiram ou não, isso vai acontecer.
*
Não esqueçam, tampouco, que os pensamentos do ser humano são condicionantes, e que vocês irão penetrar nos espaços da Criação Ilimitada e Instantânea.
Se vocês passarem agora o tempo, que é precioso para seu futuro, a construir um mundo melhor, se passarem seu tempo a projetar sua consciência e sua energia em um mundo melhor, vocês não podem ter acesso ao novo mundo.
Aí está o paradoxo, de algum modo.
Continuar a estar Presente, Aqui e Agora, na Atenção e na Intenção desse Abandono à Luz, liberar-se de todos os apegos.
E ao mesmo tempo Amar, com total Liberdade, o que vocês São.
As testemunhas, os marcadores, eu os dei a vocês.
Quanto mais vocês se desapegarem, quanto mais vocês forem para seu Estado de Ser e sua Eternidade, mais vocês aceitam sua Autonomia e sua Liberdade, mais vocês são capazes de viver a Paz.

***

Nós não temos mais perguntas, nós lhe agradecemos.

***

Bem-amados Filhos da Luz, bem-amadas Sementes de Estrelas, que o Amor, a Paz e a Alegria sejam seu guia, e sejam sua Natureza.
Eu lhes digo até muito em breve, mas eu retorno, Vibratoriamente, a vocês, dentro de alguns minutos, para participar de uma Efusão e uma Comunhão.
Até muito em breve, e até logo mais.


************

Mensagem do Bem-Amado ARCANJO ANAEL no site francês:
14 de maio de 2011
(Publicado em 15 de maio de 2011)

***

Tradução para o português: Zulma Peixinho


************


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário