SRI AUROBINDO – 29 de julho de 2009

Clique aqui para comentar esta publicação







 crédito: São João em Patmos - do livro Les Trés Riches Heures
de Duc de Berry, c. 1413, Irmãos Limbourg


Bem amados Irmãos, permitam-me transmitir-lhes o Amor e as saudações de nosso Mestre de todos, a Divina Luz.

Minha manifestação tornou-se possível, pela primeira vez desde minha transição, em minha última estada Terrestre.

Pela graça dos sete Raios, dos sete Arcanjos, se o permitem, Bem amados Mestres da Luz, gostaria de fazer um bem pequeno retorno, nesse ciclo, a fim de lhes dar alguns elementos importantes quanto ao que vocês são e ao que vocês fazem, mesmo nesse mundo.

Eu fui, há muito tempo, aquele que foi nomeado pelo Mestre Bem Amado (ndr: Cristo), o Discípulo Bem amado (ndr: São João, o Evangelista).

Eu sou o que redigiu, no isolamento o mais completo, na Luz Primordial, um escrito que a maior parte da humanidade leu.

Eu reproduzi fielmente o que o Mestre me deu.

Eu lhes digo isso porque há uma relação com o que eu fui quando de minha última passagem nesta Terra, assim como há um laço, uma ligação com minha linhagem e minha origem estelar.

Eu não venho entre vocês para me manifestar de maneira habitual, mas de maneira excepcional.

Eu fui João, o Discípulo Bem Amado, e eu fui aquele que foi nomeado, em sua última encarnação, Sri Aurobindo.

Eu sou aquele que transcreveu o mais fielmente possível a história a vir, que vocês vivem agora.

Fui aquele que descreveu, o melhor que eu pude, e independentemente de qualquer estrutura religiosa, o
 retorno da Luz.

Descrevi as manifestações, os meios, os princípios.

***



O retorno da Luz é agora.

O sacrifício inicial do Mestre Bem Amado permitiu semear o que ia retornar hoje.

Como de hábito, o homem encobriu e desviou a mensagem, não a minha (que é certamente o único Evangelho que está conforme o desejo do Mestre), não no que eu vivi em minha última encarnação, na qual tentei descrever, por antecipação, o que seria a irrupção, em sua humanidade, da Luz.

Quando escrevi a ‘Revelação’ (ndr: o Apocalipse de São João), descrevi, realmente, o que via ao nível dos mundos da Luz, relativamente a esta Terra.

Em minha última vida eu vivi, em minha carne, o retorno da Luz.

Então, vim, hoje, explicar-lhes, pelas palavras e pelas Vibrações, o que está em seu caminho para realizar e para percorrer nesses tempos tão particulares.

Farei, se querem, idas e vindas entre o que escrevi, há muito tempo, e o que vivi recentemente.

Assim, vocês terão a visão do ponto de vista interior, a visão do ponto de vista exterior, as duas faces de uma mesma peça.

Vibração correspondente a isso se irradia em seu seio, nas colocações de minhas Palavras.

Assim, para além das palavras, a
 Vibração da Luz penetrará em vocês, tal como uma fulgurância, tal como um despertar, assim como o revivi quando de minha última vida.

***



No início era o Verbo e o Verbo era o Pai e o Verbo era Elohim.

O Verbo é Vibração.

O Verbo é Luz.

O Verbo é Criação.

O Verbo é sementeira da Luz.

Nesta dimensão, nesta densidade, o Verbo se fez carne.

O Verbo se fez carne para a Promessa de seu Retorno, não mais em uma carne, mas na totalidade da carne, na humanidade, em sua totalidade.

A Luz brilha nas Trevas e as Trevas não a reconheceram.

As Trevas é o mental.

A Luz é o Supramental.

Entre os dois, uma ‘franja de interferências’, uma barreira intransponível, porque a morte de um é a ressurreição do outro e a morte do outro é a encarnação do um.

Esta franja é o lugar de um combate.

Esse combate não pode ser ganho por vocês mesmos, porque vocês estão nas Trevas.

Estando nas Trevas, vocês devem fazer um esforço, fornecer uma aspiração à Luz, sem vê-la, sem senti-la, sem Vibrá-la.

Esta aspiração, que está inscrita em toda alma que percorre os caminhos da encarnação, é a ‘promessa’ e o ‘juramento’ de seu retorno, ela não é o retorno.

Entre o mundo das Trevas e o mundo da Luz se instalam as muralhas.

Essas muralhas, que lhes obstruem literalmente a Luz e os escurecem, têm múltiplos nomes.

A avidez, a separação, as crenças, as experiências passadas, os apegos, entre outros, todos esses elementos constituem o obstáculo para sua aspiração.

Então, quando o ser humano chega, de uma maneira ou de outra, pela respiração, pela meditação, pelo canto, pela oração, a fazer calar tudo o que pertence a esta barreira, então, a aspiração pode se manifestar e, nesta aspiração, é vislumbrada a Luz.

Quando de minha última vida, como quando fui São João, assim como vocês o denominaram, fui capaz de cruzar esta barreira, por minha aspiração e pela mão do Mestre, que literalmente içou-me ao seu Reino.

Quando Ele disse em sua vida: «meu Reino não é desse mundo», queria atrair sua consciência sobre o fato inegável de que seu Reino, de vocês, tampouco é desse mundo e, no entanto, quantos de vocês o fizeram seu Reino e ali projetaram, nesta ilusão e nesse mundo de Trevas, ilusões de um mundo melhor, ilusões de um mundo aonde a Luz viria apagar as Trevas.

A maior parte das falsificações da Sombra e da continuação da Sombra foi fazê-los crer que vocês podiam transformar esse mundo em um mundo de Luz.

***



Esse mundo de Trevas é um mundo de experiências, cujo único objetivo é desenvolver em vocês a aspiração e nada mais.

O Mestre disse «vocês estão sobre esse mundo, mas vocês não são desse mundo».

Aí está um ensinamento essencial.

Em minha última vida, fui aspirado e vi a Luz e vibrei na Luz.

Hoje, por seu mundo, muito numerosos seres humanos viveram, de uma maneira ou de outra, esse contato com a Luz.

A partir daquele dia, a vida deles jamais foi a mesma.

Os apoios das Trevas tudo fizeram para acentuar esta franja que separa as Trevas da Luz.

Esta ‘franja de interferências’ é alimentada e reforçada pelo medo e fizeram de vocês seres de medo, seres de culpas, vocês, que eram seres de pura Luz e que sacrificaram esta Luz para iluminar as Trevas e, sobretudo, para, um dia, dissolver literalmente esta ‘franja de interferência’, esta ruptura dimensional entre as Trevas e a Luz.

Hoje, vocês chegaram a esta época de que falei na Revelação.

Hoje, assim como o dizem os Arcanjos, vocês são os Portadores e os Transmissores de Luz mesmo nas Trevas.

Cultivando a Alegria, o medo se dissolve.

Para nada serve mostrar a Sombra e as Trevas, senão vocês as reforçam, vocês as tornam Mestres.

***



O Reino dos Céus, o Reino da Luz, para além desta ‘franja de interferência’, é um mundo de felicidade, de paz e, sobretudo, de Alegria.

O medo é o cimento das Trevas nas quais vocês vivem.

Procurando o Reino dos Céus, procurando a abertura, vocês iniciam a dissolução do medo, em vocês e no mundo.

A vibração que separou os mundos Angélicos e os mundos de Trevas é unicamente o medo.
O medo é queda,
 a Alegria é elevação.

Tudo o que concorre para o medo aumenta a ‘franja de interferência’ e os afasta, como indivíduos, da Luz.

O lugar onde se resolve o medo, o lugar onde se encontra a passagem para a Luz é sua garganta, aí onde passa o sopro, aí onde toma forma o Verbo e o pensamento.

Neste espaço se resolve a lei de atração, de ação/reação.

Ela se resolve na resolução e Graça.

Assim, o Mestre Bem Amado dizia: «Ninguém pode penetrar o Reino dos Céus se não voltar a ser como uma criança», uma criança é a que não tem passado, nem futuro, é pura porque está no instante e na Verdade.

Vocês mesmos devem abandonar a ideia de que vocês são o resultado de seu passado, para penetrar na eternidade do instante, a fim de viver a aspiração última que lhes permitirá cruzar a ‘franja de interferência’ construída por seus próprios medos e os medos de seus semelhantes e os medos dos Mestres da Sombra.

O fechamento é a encarnação e os pesos, gravidade, densidade e medos.

A liberação é o aéreo, a leveza, a Alegria.

O Mestre pediu-me para colocá-los em guarda sobre o que vocês vivem.

Encontrar a Luz e viver a Luz, chegar além da ‘franja de interferência’, chegar em seu Reino, chegar a apreender a mão do Mestre, necessita privarem-se de tudo ao que vocês estão apegados e ligados, permanecendo ao mesmo tempo nas Trevas, a fim de que a Luz brilhe nas Trevas.

Em minha época, quando de minha última vida, a ‘franja de interferência’ era um mundo nauseabundo, onde o medo assolava de toda parte, onde as emoções ressurgiam, tal como demônios prontos para engoli-los.

Nesta ‘franja de interferências’, que se poderia chamar de mundo das emoções, se encontra o conjunto de suas prisões e de suas armadilhas.

É o lugar do combate ao qual vocês não devem participar.

A aspiração, hoje, é ao mesmo tempo mais simples, porque a ‘franja de interferência’ foi dissolvida, em grande parte, ao nível coletivo, pela desconstrução Micaélica em curso.

Entretanto, resta-lhes sua própria ‘franja de interferências’, seus próprios medos, suas próprias emoções, suas próprias dúvidas entre o ego que lhes diz «isso é ilusão» e a Vibração que sentem em seu ser que reforça a aspiração.

Aspiração para a Luz, atração para as Trevas.

Toda a situação se resume nisso.

E, no entanto, o Mestre me encarregou, no escrito que eu lhes deixei, de lhes explicar os sinais do final de um Tempo.

Esses sinais vocês os vivem plenamente e na totalidade.

O que acontece em vocês traduz o nível de resistência e a importância da ‘franja de interferência’ que os separa do Supramental da Luz.

Hoje, os sinais estão aí.

Não é questão de decodificar um futuro mais ou menos distante, mas, sim, viver isso como uma Revelação do instante.

A atenção que vocês irão colocar, o ponto de vista que vocês irão colocar, sobre o que vocês decidem viver, orientará sua Vibração para a aspiração, para a atração.

A atração para a densidade, a aspiração para a Luz verdadeira.

Alguns de vocês vivem as dores (*) entre a aspiração e a atração.

***



Lembrem-se de que vocês mesmos, e você sozinho, podem dar o passo que os aproximará, de maneira verdadeira, da aspiração, mas, assim que vocês tiverem dado esse passo, a Luz se encarregará de seu caminho.

Como saber e como viver, como estar seguro de que você confiou seu caminho, nas Trevas, à Luz?

A Luz é Alegria, a Luz é Vibração, ela é Inteligência, facilidade e sincronia.

Ela lhes permite passar e se estabelecer na Eternidade, quaisquer que sejam as angústias do mundo que luta e que resiste à evolução da Luz.

O homem, pelo medo, construiu Quimeras, ajudado nisso por seres potentes, mas que tinham ainda mais medo que ele, porque não têm mais, neles, a aspiração à Luz.

A Luz vem hoje, ela vem tal como uma onda, tal como um fogo que vai tudo devorar e abrasar em sua passagem.

Se vocês amarem a Luz, o fogo irá firmá-los e acolhê-los na Luz.

Se vocês estiverem na resistência, então, o fogo não poderá nada para vocês.

Eu pertenço, enfim, ao que se chama de Linhagem das Águias, em relação vibratória com a constelação da Águia.

A Águia é a que vê longe e adiante, a Águia é a que vê a Luz, face a face, e é o único animal que pode contemplar a Luz e o sol sem fechar o olho.

Em minha última vida eu descrevi exercícios que permitiam, naquela época, descrever as qualidades da Luz e os meios de ali aceder.

Hoje, a Luz está muito próxima, eis que ela se revela.

A ‘franja de interferências’ é extremamente tênue.

Cada ser humano, cada alma em encarnação, nesta densidade, pode, se o quer, dar a mão à Luz.

Mas, mesmo a Luz dá medo, devido a suas crenças, devido ao que vocês construíram nesse sistema.

Lembrem-se que a Luz está aí, que ela pede apenas uma coisa, da qual o Arcanjo da Relação lhes falou muito longamente, assim como o disse Cristo com seus Apóstolos: «deixem os mortos enterrarem os mortos e seja eu».

Hoje, Cristo não está em um corpo de carne, Cristo é a totalidade da Luz, como Cristo Miguel, e Espírito Solar e é ele que vem.

Eu fui seu Mensageiro, redigindo sua visão antecipatória que iria lhes dar as chaves.

Nesse nível, a missão é realizada.

Vocês o sabem, ninguém poderá comprar nem vender, se não está marcado com o sinal da besta, então, estejam prontos.

Vocês não têm nada a comprar, nada a vender, vocês têm somente que ser e que se deixar aspirar pela Luz.

Nenhuma falta, nenhuma fraqueza, nenhuma força pode se opor a serem o que a Luz lhes propõe, ao que o Mestre lhes propõe,
 o que a Fonte lhes pede é que aceitem ser no Ser, a fim de se tornarem o que vocês são, a fim de se desvendar o que deixaram, há muito tempo.

***



Lembrem-se, o Mestre disse: «Ninguém pode servir dois Mestres ao mesmo tempo».

Qual é o seu Mestre?

A Luz é o Amor, a Sombra é o medo, somente esta escolha.

Enquanto há medo, há Sombra.

Assim que haja Alegria, há Luz.

O medo é desaparecimento da Vibração.

A Alegria é aparecimento da Vibração.

Cristo é Alegria e Revelação.

A Sombra é medo e aprisionamento.

Bem amados Irmãos, eu me dirijo à sua alma pela Vibração.

Onde vocês se situam?

Qual aspecto de vocês, vocês querem fazer viver?

E vocês querem ser isso?

Não é uma decisão mental, nem uma decisão vinda de uma emoção, é uma aspiração, e ela vem da alma.

Aceitem a Vibração e vocês abrirão o Templo da Alegria, do Conhecimento, da Compreensão, da simplicidade e da pobreza que é a verdadeira riqueza, porque «quando você é pobre, você não tem nada a perder e tudo a ganhar».

Essas palavras do Mestre não eram uma metáfora, nem um símbolo, mas a estrita Verdade.

Cristo, a Luz, a Fonte os querem, inteiros, e não fragmentados.

O medo é fragmentação.

A Alegria é unificação.

Os sentidos procuram esgotá-los, mas a Essência de seu Ser não pode esgotá-los.

O que vem é pura Luz.

Alguns ali verão a mais pavorosa das tragédias, alguns ali verão apenas a Luz.
Isso será ou um ou o outro.

Cabe a vocês escolher o significado, para vocês, do que vem.

Bem Amados Irmãos, emprestei de sua linguagem palavras simples, acompanhadas, se possível, de seu aspecto Vibratório.

Vocês foram postos na recepção, nesta ativação.

Cabe-lhes manter esta Vibração.

Manter a Vibração se faz de maneira simples, cultivando a Alegria.

Nenhum elemento de medo deve interferir, em vocês, com o desvendamento da Luz.

A ‘franja de interferências’, diminuída, não poderá se opor ao abraço que vem.

O que vem, o que é, foi descrito de toda Eternidade, porque a Águia e a Luz não conhecem o tempo e podem ir explorar as dimensões de tempos, para além do tempo, a fim de imprimir, pelo Livro, a marca e a certeza.

Bem Amados Irmãos, parece-me ter falado o bastante e Vibrado.

Coloco-me, contudo, à sua disposição se vocês tiverem necessidade de esclarecimento sobre essas noções históricas do seu passado e do seu presente.

***



Questão: o que você chama de «Revelações» corresponde ao Apocalipse de São João?

Sim.

O Livro foi escrito para que, além das palavras e além da compreensão intelectual, qualquer que seja a língua utilizada, se vocês o lerem, vocês captarão a Vibração e a Essência, além mesmo do significado das palavras.

Assim ele foi construído, a fim de evitar falsificações.

As Trevas conhecem, tanto quanto vocês e tanto quanto o Mestre, o que é revelado.

Nesse sentido, eu terminei esse Livro, assim como o escrevi,
 sob o ditado do Mestre, a fim de que nenhuma palavra fosse cortada ou tirada.

Quaisquer que sejam as traduções que puderam ser feitas, em múltiplas línguas, o sentido Vibratório original não pode ser perdido.

O fato mesmo de criar uma agitação mental e de ter uma multidão de interpretações para esse texto mostra que o objetivo foi atingido.

Sua Vibração era, há muito tempo, incompreensível, porque esta Vibração não estava no Tempo, mas,
 hoje, vocês estão no Tempo desta Vibração.

Então, obviamente, lê-lo ou relê-lo é despertar em vocês os ‘sete Selos’ e, portanto, torna-se Revelação.

Ele foi construído de tal modo que, mesmo se vocês o lessem em uma língua incompreensível de seu mental, o efeito Vibratório estaria presente, mas unicamente no momento vindo, e o momento veio.

Assim, o significado não está tanto nos acontecimentos que descrevi, mas em seu desvendamento e na Vibração correspondente ao tempo que vocês vivem.

Foi assim, pela Vontade da Luz (**).

***



Questão: acolher o Supramental e acolher a Luz é a mesma coisa?

Sim.

A Luz pertence ao mundo da emanação e, portanto, para além do mental que é Criação, nesta dimensão.

***



Não temos mais perguntas, agradecemos.

***



Bem Amados Irmãos da Luz, se vocês lessem ou relessem, hoje, e nos tempos que vêm, vocês se surpreenderiam com a Vibração, justamente porque os ‘Sete Selos’ foram abertos.

É agora que este escrito, tão controvertido, tão mal compreendido, vê sua compreensão se atualizar através da
 Vibração.

O Apocalipse foi concebido para ser a Vibração que os conduz ao Mestre e isso é agora.

Então, eu lhes peço para acolher, em seu Ser, a Luz e o Amor da Fonte e o Pai, a Luz de Cristo Miguel e da Divina Mãe.

Eu precisarei, antes de partir, que aquela que me acompanhou quando de minha última vida, que me assistiu, e que amava tanto as flores, era a reencarnação de Maria Madalena
[A MÃE – Mira Alfassa].

Sejam Abençoados.




************


(*) - a palavra utilizada foi «tiraillements», que pode significar sensação dolorosa provocada por espasmos.


(**) – O APOCALIPSE de São João:

***


Mensagem do Bem Amado SRI AUROBINDO no site francês:
29 de Julho de 2009

***


Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com
Postado por Célia G.

***


Transcrição e edição: Zulma Peixinho


************


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário