3

RAM - 13 de março de 2009 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação




- Intervenção de RAM -
RAM Chandra Babuji

“Aprendam a cultivar o silêncio, apesar do alarido do mundo. Aprendam a escutar o silêncio, porque nesse silêncio interior encontra-se a resposta, porque no silêncio interior não há mais pergunta e, portanto, tudo é resposta.”



~ SILÊNCIO, FUSÃO, LUZ ~

Eu sou RAM.
Eu lhes transmito minha Paz.
Eu lhes transmito meu Amor.
Para aqueles que não me conhecem, eu posso ser chamado, hoje, um Mestre Instrutor.
Eu represento a fusão da linhagem do Elemento Ar.
Eu fui, como vocês, um humano e realizei, em minha vida, a fusão de minha linhagem de origem com meus Mestres anteriores.
Eu realizei o Si.
Eu realizei a Unidade.
Meu caminho é o caminho do Coração.
Assim, eu dei, em várias ocasiões, através das palavras, através do silêncio, através da vibração e da Luz, uma série de elementos que permitem ir para o Coração, ir para a Essência e ir para a Unidade.
Como vocês sabem (e como muitas fontes lhes dizem e repetem incansavelmente), vocês encarnaram em uma época que abre, certamente, a maior possibilidade de o ser humano juntar-se à sua Essência e reencontrar sua Essência.
O caminho do Coração é o caminho do Amor.
Nem todos os amores são o caminho do Coração.
O caminho do Coração é o caminho da doação.
O caminho do Coração é o caminho do abandono.
O caminho do Coração é o caminho da Unidade.
Eu insisti, em minha vida, sobre a possibilidade que oferecia uma ferramenta, perfeitamente adaptada ao ocidental e que devia lhe permitir, graças a esta ferramenta, aproximar-se do santuário do ser: esta ferramenta é o intelecto ou o mental.
Trata-se, aí, de um paradoxo porque, na dimensão do Coração, não há mental, não há intelecto e, no entanto, vocês podem domesticar, domar seu mental para que ele trabalhe, não mais no caminho da separação e da divisão, mas que ele trabalhe, enfim, para aproximá-los da Unidade.
Eu insisti, e volto a insistir, sobre a qualidade inerente à voz do Coração, esta qualidade essencial é o Silêncio.
Assim, eu me expresso frequentemente quando de minhas vindas através de palavras, mas também através do Silêncio e através da Vibração.

***

O Coração é o lugar de seu ser onde se resolvem todas as oposições e todas as contradições.
O caminho do Coração necessita de um abandono e de uma doação.
O que se deve abandonar?
O que se deve doar?
Bem, convém abandonar os caminhos do medo e os caminhos das dúvidas.
O medo e a dúvida, os medos e as dúvidas são certamente os elementos que mais os afastam do Coração.
O ser humano é dual devido à sua manifestação nesta Dimensão.
A dualidade leva à dúvida.
A dúvida leva ao medo.
O caminho do Coração é o caminho em que o medo está ausente.
O caminho para o Coração se acompanha, progressivamente, de uma diminuição, seguida de uma eliminação dos medos e das dúvidas.
Para o ser que realizou o Si no Coração, a dúvida e o medo fecham novamente o Coração, mas aquele que realizou o Si não pode voltar a fechar totalmente o que foi aberto e despertado.
O mental é uma ferramenta, mas a fonte da dúvida e a fonte do medo situam-se em seu nível.
Sem o mental não haveria nem dúvida, nem medo.
E, no entanto, esta ferramenta mental vai lhes permitir desenvolver não o caminho do Coração, mas desenvolver um elemento que concorre grandemente para aproximá-los do Coração.
Essa palavra desgastada tem por nome Fé.
A Fé não é uma crença vaga.
A fé é uma atitude interior de certeza quanto à sua Divindade, quanto à Divindade e quanto à Unidade.
Cultivando a Fé na Unidade, a Fé em sua Divindade e a Fé na Divindade, vocês colaboram para que o mental não possa mais alimentá-los pelo medo e pela dúvida.
Esta etapa é uma etapa de diálogo interior e, portanto, de atividade mental.
A um dado momento, esta atividade mental (por essência dual) deve ser substituída pela aceitação e pelo Silêncio.
O Silêncio é o momento em que sua entidade, na sua totalidade, é capaz de abstrair-se do ambiente, de abstrair-se do fluxo dos pensamentos e das emoções.
O Silêncio é um estado que se desenvolve pela experiência, pelo aprendizado e pelo trabalho.
O silêncio das palavras, dos pensamentos, das emoções, o silêncio também da intenção, permite a abertura do Coração.
A oportunidade de sua época em que vocês estão encarnados é que a Luz vem até vocês.
Ela vem bater à porta do Coração.
Essa é uma oportunidade única, pois é bastante rara, gradualmente e à medida de suas vidas e de seus ciclos.
O medo, a dúvida, é uma condição da dualidade e da encarnação, porque tudo atua no antagonismo prazer/desprazer, ação/reação.
O Coração não conhece isso.

***

Vocês devem estar no mundo, mas serem capazes de se extraírem da influência do mundo para encontrar sua Essência.
Vocês não podem encontrar minha Essência e sua Essência escutando minhas palavras.
Vocês não podem encontrar a Essência lendo palavras.
Vocês não podem encontrar a Essência seguindo um ser, por mais elevado que ele seja.
Vocês não podem encontrar a Essência unicamente pela meditação.
Encontrem a Essência.
Encontrar o Coração é um momento de Graça que ocorre por si só, sem intervenção exterior, a partir do momento em que seu olhar interior não estiver mais poluído pelo olhar exterior e pelos condicionamentos exteriores.
A porta do silêncio é um estado de consciência relacionado com o sopro e a ausência sopro.
O Coração se desabrocha no abandono.
O abandono é contrário à vontade.
O abandono se junta à Fé.
O abandono se junta à Unidade.
Estes poucos conceitos sendo definidos pelas palavras, eu lhes proponho agora para vivê-los, antes de continuar, durante alguns instantes, primeiramente pelo Silêncio.

... Efusão de energia ...

E vamos vivê-lo, agora, pela Vibração.

... Efusão de energia ...

***

Vamos desenvolver, agora, mais adiante, através de palavras, inicialmente, o conceito fundamental de Fusão.
Se você seguiu minhas palavras, eu disse que ninguém além de você mesmo pode despertá-lo.
Certamente, instrutores sempre existiram.
Eles mostraram o caminho.
Mas, ainda que efetivamente vocês sigam este caminho, enquanto o seguirem, vocês não irão realizá-lo.
O princípio que preside o despertar na Unidade do Coração está ligado ao processo da fusão.
Vocês devem fusionar, em vocês, os pares de opostos.
O primeiro desses pares é sua dualidade.
Toda ação, todo comportamento, toda motivação tem sua origem em uma escala de valor apreendida como bem ou mal.
A Unidade do Coração, a realização do Amor está além da dualidade e está além da apropriação.
A fusão é um ato de abandono que vai lhes permitir beneficiar-se do aporte da energia e da consciência de seres que viveram antes de vocês ou no mesmo tempo que vocês, mas nos quais vocês se imergem a fim de tornarem outro o nível de consciência daquele ou daquela com quem vocês fusionam.
As linhagens são múltiplas, mas não são inumeráveis.
As possibilidades de fusão são inerentes à sua história de alma, à sua história de Espírito e às suas peregrinações nesse mundo da dualidade.
A fusão é o elemento chave que permite abrir o coração.
Esta noção de fusão está bem além das noções de empatia, bem além das noções de carisma, bem além mesmo das noções de afeição.
A fusão demonstra a capacidade do ser para resolver sua dualidade pela associação de uma Unidade vivida como exterior.
Imitar não é fusionar.
Seguir alguém não é fusionar, porque isso induz a uma noção de dependência.
A fusão, quanto a ela, propicia a independência e a liberação.
A fusão não está ligada a uma vontade do ego, nem a uma vontade, qualquer que seja, mas é uma ordem natural das coisas que faz com que, quando uma consciência se aproxima da porta do Coração, abrem-se então canais sutis situados de um lado e do outro do coração, do chacra do coração.
Esses quatro pontos são os lugares que abrem para a fusão com suas linhagens.
Todo ser humano, qualquer que seja o número de suas peregrinações, qualquer que seja seu carma, qualquer que seja sua origem estelar, possui quatro chaves e quatro linhagens com as quais ele deve fusionar a fim de realizar a Unidade e a Divindade.
Cada ser humano apresenta em si quatro linhagens e quatro fusões, sucessivas num tempo relativamente breve, permitindo encontrar sua própria Unidade.
Eu não citarei nomes de linhagem.
É importante compreender que cada uma dessas linhagens é afiliada, no sentido próprio como no figurado, a um dos quatro Elementos: Água, Fogo, Terra ou Ar.
A fusão das linhagens corresponde à ativação dos quatro pontos, de um lado e do outro do coração, que permitem ativar os elementos chamados de partículas adamantinas.
Cada partícula adamantina estando em ligação com o sopro Divino e com a encarnação dos quatro Elementos, em todas as Dimensões existentes e não unicamente em sua Dimensão.
Assim, o ser humano apresenta uma linhagem do Fogo, uma linhagem do Ar, uma linhagem da Água e uma linhagem da Terra.
Cada um desses Elementos vai trabalhar, no momento da filiação e da fusão, para soprar em vocês o sopro Divino e despertar em vocês seu Coração.
As duas etapas prévias são a Fé e o Silêncio, a Filiação e a Fusão para a terceira etapa.
Essas palavras, agora, devem ser ensinadas, esses conceitos, esse segundo conceito, eu o transmito agora, primeiramente, pelo Silêncio.

... Efusão de energia ...

Nós abordamos esse conceito, agora, pela Vibração.

... Efusão de energia...

***

Vamos agora, se quiserem, desenvolver um terceiro conceito que é aquele da Luz.
A luz que vocês veem é apenas a Sombra da Luz verdadeira.
A Luz verdadeira é Amor e Coração, seu coração é o Coração da Divindade.
Nem todas as luzes são a Luz verdadeira.
A Luz apenas se torna verdadeira quando se instala no coração.
Tudo é um problema ligado à consciência que vocês têm da Luz.
Se sua consciência da Luz é um conceito mental ou um conceito visual, naquele momento, a Luz não pode ir ao coração, ela permanece na cabeça.
Esta luz não é a Sombra, mas é, de algum modo, um desvio da Luz verdadeira.
Esta luz não é a Luz do Coração e, no entanto, ela é muito tentadora, porque esta luz da cabeça dá acesso a poderes espirituais imensos.
Ela dá acesso à visão da Luz e, no entanto, ela não é o caminho.
Esta luz, em seu mundo ocidental, foi chamada de luz luciferiana, em oposição e contraste com a Luz verdadeira do Coração, denominada, ainda no ocidente, a Luz Crística ou, se preferirem, a Luz do Filho do Pai, porque todos vocês são filhos do Pai em atualização.
Vocês compreendem, portanto, que a luz que se vê não é a Luz.
A Luz verdadeira se expressa não por uma visão, mas, antes de tudo, por uma abertura do coração, por um sentimento de plenitude e de alegria interior.
Porque vocês se tornam a Luz e, tornando-se a Luz, vocês não podem vê-la.
Vocês apenas podem ver a Luz se ela é exterior a vocês.
Se vocês fusionaram com a Luz, vocês não podem mais ver a Luz, porque vocês são a Luz.
Há, aí, uma chave essencial.
Vejamos então, se quiserem, esse conceito pelo Silêncio.

... Efusão de energia ...

E eis, agora, esse conceito pela Vibração.

... Efusão de energia ...

***

Vamos mais longe, agora, se quiserem.
Vocês vivem numa época em que a Luz vem para vocês.
Esta Luz, muitos se contentarão em vê-la.
Mas ver a Luz não confere o Coração.
A Luz lhes pede algo mais importante do que vê-la.
Ela vem lhes pedir uma identificação e, depois, uma fusão.
A Luz tornar-se-á naquela ocasião visível.
Ela virá lhes oferecer a escolha para se desviarem, para permanecerem na visão da Luz ou, enfim, fazer sua esta Luz, abandonando-se a ela.
Dessa tripla escolha decorre sua evolução.
A Luz que vem necessita de um aprendizado importante do silêncio interior, porque a Luz perturba a ordem estabelecida, baseada no poder e na dualidade.
A Luz vem lhes propor, cabe a vocês decidirem: não mentalmente, não emocionalmente, não afetivamente, mas decidir em sua consciência e em seu Coração.
Exprimamos agora esse conceito pelo Silêncio.

... Efusão de energia ...

E percebamos agora esse conceito pela Vibração.

... Efusão de energia ...

***

Eu gostaria que, além das palavras, vocês se impregnassem, sobretudo, da Vibração e da consciência das palavras.
Vocês nada resolverão pela agitação.
Vocês nada resolverão pelo medo.
O medo, a dúvida, a agitação, são partes integrantes da dualidade.
A Unidade os chama.
A Unidade irá chamá-los cada vez mais forte, de maneira cada vez mais audível, através de palavras, através de sincronias, através de processos miraculosos.
Cabe a vocês saberem o que querem seguir, o que querem fusionar, cabe a vocês saberem o que querem fazer ou não fazer.
Para além dessas decisões que são, eu repito, duais, é preciso efetivamente compreender que existe um espaço em que a escolha não se coloca mais.
Este espaço é marcado pelo silêncio e se encontra no centro do ser, ao nível do Coração.
Nesse nível encontra-se a solução da dualidade, a solução dos sofrimentos, as soluções da falta.
A falta é o sentimento de ausência de completitude e de insatisfação que persegue o aspirante espiritual enquanto ele não estancou essa falta pela abertura do Coração.
Aprendam a cultivar o silêncio, apesar do alarido do mundo.
Aprendam a escutar o silêncio, porque nesse silêncio interior encontra-se a resposta, porque no silêncio interior não há mais pergunta e, portanto, tudo é resposta.
Vocês vieram desde o início (e nós viemos desde o início) desta Dimensão a fim de elevar o nível vibratório e o nível de consciência desta própria Dimensão que nós experimentamos agora e já experimentamos antes.
A solução não pertence a esse mundo.
A solução é outra, no plano dimensional, e esta dimensão de Luz apenas pode se manifestar se vocês pararem o mundo dual no qual vocês vivem.
Coisa que ocorre espontaneamente quando da morte, e coisa que ocorre no aspirante que vive o despertar.
Eis os poucos conceitos que eu desejava, essa noite, imprimir em vocês através das palavras, mas também através do Silêncio e da Vibração, que realizamos agora, de maneira conjunta: Silêncio e Vibração.

... Efusão de energia ...

***

Vou convidá-los agora, em relação a esses três conceitos que desenvolvi, a questionar, a perguntar e eu tentarei responder de acordo com um dos três caminhos: as palavras, o silêncio ou a vibração.

***

Questão: a Unidade consiste em encontrar a Divindade em cada um de nós?

A Unidade consiste em desvendar e revelar sua Divindade.
Encontrando este estado, você se funde, além das linhagens, com o grande Todo.
Você é ao mesmo tempo você mesmo, mas também todo o resto.
Não há mais distância entre sua consciência revelada e o pássaro em seu ramo e a borboleta no outro extremo do planeta e os milhares de sóis visíveis como estrelas em seu céu.
A distância, própria da dualidade, não existe mais.
Vocês passam da distância para a transcendência ou da distância para a coincidência.
A consciência que era fragmentada torna-se Unidade e unitária.
De uma consciência fragmentada vocês passam para uma consciência unificada e todas as barreiras que lhes pareciam reais em seu estado fragmentado simplesmente não existem mais.
Vocês se tornam o raio de Sol.
Vocês se tornam o outro.
Vocês se tornam o canto do pássaro.
Vocês se tornam o batimento da borboleta, não no período de uma experiência, mas de maneira definitiva.
Resposta da Vibração.

... Efusão de energia ...

***

Questão: poderia nos falar do princípio de fusão?

A fusão com uma de suas linhagens reflete a influência de uma corrente de vibrações de consciência que fusiona no interior de vocês.
A identificação com uma de suas linhagens não é desejável enquanto o momento não chegar, pois, naquele momento, haverá identificação e não fusão.
A fusão é proposta e realizada no momento oportuno.
Cada fusão, cada uma das quatro fusões vai propiciar uma conexão nova com a realidade multidimensional, tanto no plano real como simbólico, como espiritual.
Vocês passam de uma filiação genética, hereditária, para sua filiação espiritual.
Vocês são unidos, reunificados, fundidos com a linhagem.
Essa fusão vai lhes conferir o controle de um dos quatro Elementos em vocês e fora de vocês.
Alguns seres têm afinidades preferenciais com uma de suas quatro linhagens.
Vou tomar um exemplo de alguém que vem frequentemente vê-los por esse canal, que foi em sua vida Omraam Mikaël Aïvanhov.
Este homem era o discípulo de Bença Deunov (que era, ele mesmo, o walk-in do Melquizedeque ligado à linhagem do Fogo).
O Mestre Omraam Mikaël Aïvanhov tinha o poder de comandar o Elemento Fogo, por exemplo, para parar o fogo ou para tirar o fogo ou para colocar fogo.
Eu sou o representante da linhagem do Ar, o ar nesta Dimensão transporta: o som, a vibração e as palavras, mas também o silêncio.
A linhagem da Água, como Elemento fecundante maternal e feminino, é arquetipicamente veiculado por aquela que foi chamada MARIA.
Outras linhagens, geralmente de essência feminina, nesta manifestação, são portadoras deste Elemento.
A fusão é um momento energético, localizável entre todos, porque há um aporte de consciência/energia além do que é vivido habitualmente, mesmo durante uma experiência espiritual.
A fusão abre em vocês, por conseguinte, as portas que levam ao controle dos Elementos.
Eu quis chamar sua atenção sobre este conceito de fusão, em relação à sua linhagem, é claro, mas também e, sobretudo, em relação à Luz que vem, porque, não se esqueçam jamais de que vocês são filhos da Luz e que vocês são Luz e devem reencontrar e reatualizar esta consciência, nesses tempos, agora.
Sem outra resposta para esta questão.

***

Questão: a fusão tem como pré-requisito a dissolução da personalidade?

Há dissolução de certa forma de personalidade, aquela que é dedicada às dúvidas, aos medos e à falta de Luz.
A personalidade permanece, entretanto, sob uma forma modificada, mas a personalidade não pode se extinguir completamente, se não a vida se extingue nesta Dimensão.
CRISTO e outros grandes Mestres, todos eles manifestaram, em momentos específicos de suas vidas, distorções como a raiva ou outras emoções.
Essas distorções, apesar do estado de ser realizado, estão, entretanto, ligadas à persistência ou à reminiscência de alguns aspectos da personalidade.
Simplesmente, quando vocês revelam a Luz que vocês São, ela se torna preponderante e muito desgastante para vocês, em meio a todos os campos de experiência que vocês fazem.
Eis a resposta da Vibração.

... Efusão de energia...

***

Questão: você falou de quatro chaves ao redor do coração, poderia desenvolver?

As quatro chaves estão incluídas nos seis pontos de consciência do coração, em um protocolo que dei, há poucos meses de seu tempo (ndr: ver a «meditação direcionada para o coração» - http://www.portaldosanjos.net/2009/07/protocolo-meditacao-guiada-sobre-o.html ).
Isto irá lhes permitir ativar, em parte, os quatro pontos do coração.
Acoplado a dois outros pontos, favorecerá a construção e a abertura de seu Templo interior.
Reforçará em vocês a capacidade para se tornar Luz.
Esse protocolo (esse ritual, chamem como quiserem) é simples, ele não necessita de qualquer crença prévia, nem de qualquer adesão, a não ser a experiência que vocês vivem, que consiste em focalizar a consciência nos pontos do corpo, em uma determinada ordem.
Eis o trabalho da Vibração sobre esses seis pontos.

... Efusão de energia...

***

Questão: o Silêncio e a Vibração excluem qualquer ação?

Sim, vocês são obrigados a saírem do tempo da ação, do tempo da dualidade para encontrarem a Unidade.
A Unidade não se encontra na dualidade.
A Unidade tem por objetivo transformar a dualidade.
A Unidade apenas pode ser encontrada no interior de si, através do silêncio, através da não-ação.
Alguns seres talvez tenham êxito por um excesso de ações, em particular nos caminhos denominados Bhakti Yoga, ou seja, nos caminhos da devoção em que o próprio esquecimento de si, através do Seva, ou seja, do serviço, são capazes, no final de certo tempo de abnegação, de serviço, de doação, de abrir o coração.
Entretanto, nesses tempos precisos que vocês vivem, o mais importante é entrar na interioridade e, portanto, no silêncio e na não-ação.
Não para ali permanecerem de maneira duradoura, mas a fim de ali encontrarem o que deve ser encontrado, a fim de poderem transmutar o mundo dual, pela Vibração e pela presença revelada do que vocês São.

***

Questão: caminhar na natureza pode ser considerado como uma ação ou uma inação?

A natureza pode lhes propiciar elementos indispensáveis, preparando seu silêncio e sua interioridade.
Mas ela não basta, como tal, de maneira geral, para fazê-los viver a interioridade.
Entretanto, uma experiência de fusão ou de abertura total do coração pode ocorrer durante uma contemplação, qualquer que seja, mas isso é do domínio da exceção.

***

Nós não temos mais perguntas, nós lhe agradecemos.

***

Então, será tempo para mim, agora, de me retirar da comunicação com vocês durante alguns instantes, no Silêncio e na Vibração.

... Efusão de energia...


************

Mensagem do Venerável RAM no site francês:
13 de março de 2009

***

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com
Postado por Célia G.

***

Transcrição e edição: Zulma Peixinho

************


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

3 comentários:

  1. Maravilhoso!...
    Gratidão Infinita...Namastê_/\_

    ResponderExcluir
  2. Grata por sua atenção e gentileza. Toda a Glória é da Luz Vibral!

    ResponderExcluir