1

O.M. AÏVANHOV - 22 de junho de 2006 - Autres Dimensions

Clique aqui para comentar esta publicação






Vejo que temos um público extremamente atento, com muitas questões que se preparam em relação ao que temos a trocar.
Temos, também, muitas coisas a dizer, mas, primeiro, vamos começar como fazemos de hábito, ou seja, trocar, tentar responder às interrogações que são as suas.
Então, primeiro, vamos, caros amigos, eu lhes desejo, já, a boa vinda.

Questão: por que é preciso estar bem enraizado para, efetivamente, «decolar»?
Por que é preciso que o eixo superior/inferior desenvolva-se ao mesmo tempo?
Caro amigo, tudo o que toma raiz nesta Terra, tudo o que está vivo nesse mundo tem, sempre, por origem, a Terra, nisso, estamos de acordo.
Não é possível desenvolver uma manifestação harmoniosa da vida neste planeta se não se está enraizado, de algum modo, nesse planeta.
É preciso, efetivamente, compreender que tanto os cristais que crescem na Terra estão enraizados na Terra como os vegetais estão, também, enraizados na Terra, o reino dos mamíferos, o reino de seres vivos os insetos são, também, obrigados a ter um enraizamento na Terra, porque o alimento é tomado, primeiramente, na Terra, antes que o alimento seja ligado ao fogo (no que concerne aos minerais, aos cristais), seja ligado ao Sol (no que concerne aos outros seres vivos).
Não pode haver desenvolvimento harmonioso da vida nesse plano de manifestação enquanto não há raízes tomadas na Terra e raízes tomadas no Céu.
Também, um desenvolvimento harmonioso que tenha em conta as dimensões as mais globalizantes da vida vai, necessariamente, apoiar-se na Terra, antes de lançar-se para o Céu.
Há, também, um papel extremamente importante, que não é nutrir, mas que é, também, a garantia, eu diria, da estabilidade desse desenvolvimento da vida.

Toda a vida que está se desenvolvendo, independentemente de um enraizamento na Terra criaria algo que não é verdadeiro, do mesmo modo que os cristais que se faz nascer, hoje, com meios técnicos com altas temperaturas, mas sem que haja a terra, sem que haja as condições iniciais que existiam quando da criação dos cristais.
Há cristais que podem ter a aparência de cristais, que podem ter a estrutura interna de cristais, mas que, entretanto, não são cristais.

Outro exemplo bem conhecido, hoje, se vocês fazem nascer um vegetal, por exemplo, um tomate, em culturas que se chama fora da terra, vocês terão um fruto que pode parecer muito belo, que pode parecer de bela cor, que pode parecer com os mesmos elementos constitutivos – como o cristal que nasceu fora da terra – entretanto, a radiação do que foi criado de maneira artificial não tem, de modo algum, a mesma vibração do que o que é criado de acordo com vias lógicas e habituais da manifestação e do princípio da encarnação nessa dimensão.
Isso é extremamente importante.

Agora, se se inclina um pouco no que é específico ao ser humano, que é sua capacidade para religar-se à sua Fonte, religar-se à sua Divindade essencial interior, se o ser humano pode encontrar sua Divindade sem enraizar-se, ele vai seguir um processo de iniciação que é, ele também, de algum modo, artificial e falsificado.
A tal ponto que isso é falsificado que o ser humano que acede a um nível de consciência diferente da consciência habitual comum da terceira dimensão e que não enraizou suas estruturas na Terra vai encontrar-se confrontado a uma iniciação que é qualificada de luciferiana, porque ela conduz o ser humano a um grau de realização que não é aquele que é previsto pelo princípio da encarnação, que é a espiritualização da matéria.
O que quer dizer ser capaz de subir o nível de consciência, não unicamente da própria consciência, mas, também, de tudo o que constitui as estruturas físicas, etéreas, astrais, mentais, também, que extraem suas raízes, suas nutrições na Terra, mas, também, nos éteres da Terra.
Isso é extremamente importante a compreender.
Aí está porque não pode haver retidão, autenticidade se não há enraizamento antes da elevação.
Isso é, já, algo que é preciso, efetivamente, compreender.
Não pode haver realidade em uma iniciação, em uma elevação, em um processo de elevação da vida se não há, preliminarmente, tomada de nutrição nas raízes terrestres e, obviamente, nas raízes espirituais, ou seja, no Sol, mas isso não pode ser, unicamente, no Sol, caso contrário, ele vai seguir um processo de desvitalização que vai conduzir ao que se poderia chamar a loucura e a ilusão.
Aí está porque é extremamente importante, no processo de desenvolvimento da consciência, chamado processo iniciático ou de mestria espiritual, que esse desenvolvimento concirna a todos os planos e a todas as estruturas que habitam o ser humano e que fazem o ser humano.

Questão: como concretizar, na vida quotidiana e na vida profissional, o caminho espiritual?
Caro amigo, se você quiser, vamos separar a questão entre o que diferencia o caminho pessoal do caminho profissional em relação ao caminho espiritual.
É preciso, efetivamente, compreender, hoje mais do que nunca, como eu disse e repeti e como repito, ainda esta noite, que o caminho espiritual, hoje, é uma diligência que corresponde ao que se chama a autenticidade, ou seja, estar em harmonia com o ser interior, estar religado à própria Fonte, estar religado ao próprio ser interior que é o ser divino.
Esse caminho, hoje, é extremamente facilitado em relação ao que existia nos séculos precedentes e, eu diria, mesmo, os cinquenta anos precedentes (ou seja, o que estava em relação com as técnicas, com os caminhos ligados ou a religiões, ou a ensinamentos ditos tradicionais ou esotéricos ou espirituais, coisas que eu também pratiquei em minha vida).

Hoje, é-lhes solicitado, mais do que tudo, no que vocês chamam e que nós chamamos «evolução espiritual», «caminho para a mestria espiritual», compreender que esse caminho deve implicar em cada sopro de sua vida pessoal, em sua vida de todos os dias, em sua vida quotidiana.
É importante que a mínima parcela de autenticidade que se revela em função de diferentes técnicas que vocês podem empregar – se querem, senão, isso não tem importância – revele seu ser interior, sua Divindade interior.
Conhecer-se a si mesmo.
isso não se aprende através de técnicas exteriores, é um caminho todo interior, mas nesse caminho interior há regras extremamente precisas a seguir que vão, eu diria, favorecer a eclosão dessa mestria espiritual.
Eu falei, na última vez, de noção de abandono, de noção de soltar, de noção de mestria, de noção de estar religado à própria Fonte e ao próprio ser Interior.
Eu vou especificar, hoje, que o mais importante na vida de todos os dias é,fundamentalmente, estar em acordo consigo mesmo, ou seja, não trapacear, não mentir a si mesmo e aos outros.
Isso necessita, eu repito, certa forma de autenticidade.

Essa autenticidade caracteriza-se, também, por algo que eu teria tendência a chamar a benevolência, em um primeiro tempo.
Nós havíamos, também, discorrido, parece-me, na última vez, sobre o amor.
É preciso, efetivamente, compreender que eu lhe dizia estar em cada parcela da vida, em cada minuto de sua vida em um estado de amor.
Obviamente, muitos seres humanos vão compreender as próprias emoções de amor através das emoções e dos sentimentos, o que não é o caso.
Então, eu prefiro empregar a palavra benevolência, que consiste emconsiderar que cada ser que você reencontra é, também, uma parcela do Divino que é você, que as circunstâncias de sua vida a cada minuto e cada sopro que o anima correspondem à total expressão da Divindade e que são as ressonâncias do que você é, você mesmo.

Eu disse, também, frequentemente, que o que acontece no exterior corresponde ao que acontece no Interior.
Se seu interior volta-se para a benevolência, para a mestria, para o abandono, todas as coisas vão desenrolar-se, no exterior, para fazer ressoar o que você tenta estabelecer no interior de si, em sua vida pessoal, em sua vida afetiva, relacional, sentimental, mas, também, no simples fato de ir tomar um banho ou de ir ao toilette ou de ir regar as plantas.
Isso é, também, extremamente importante a assimilar.

Essa benevolência é considerar que tudo o que acontece em sua vida, que tudo o que você faz em sua vida é um ato que participa, eu diria, de sua sacralidade, de sua sacralização, de sua divinização e de sua benevolência interior, mas, sobretudo, dessa famosa autenticidade.

Agora, nos abordamos um setor que é um pouquinho diferente porque, no mundo profissional, as pessoas têm, muito, a impressão de que, quando estão em um caminho espiritual, elas devem estar, necessariamente, em um trabalho que toca, de perto ou de longe, a noção do espiritual.
E creia-me, caro amigo, pode-se, também, fazer passar essa benevolência e esse amor e essa dimensão sagrada vendendo agulhas no mercado, tanto como falando, como eu o faço.

Inúmeros seres humanos vivem isso, através de atos extremamente humildes, extremamente simples.
Não há necessidade, nesse nível, de procurar o extraordinário nas manifestações de seu trabalho profissional.
Obviamente, há situações nas quais vocês vão encontrar-se confrontados e chocados a essa noção de autenticidade interior.
Eu tomarei o exemplo de alguém que venderia ou trabalharia para uma empresa que fabrica armas, mas, aí também, se essa pessoa encontra-se nessa sociedade a vender armas é que, obviamente, as circunstâncias interiores que são as dela colocaram-na, puseram-na nessa situação e há, obviamente, através desse trabalho exterior, a necessidade, também, de fazer um trabalho interior.

A partir do momento em que a consciência entra nessa benevolência, nessa autenticidade, há, efetivamente, certo número de trabalhos que se tornam difíceis a realizar.
Mas é um exemplo extremo, que eu tomei, como a venda de armas.
Poder-se-ia, também, ser um militar e estar em uma dimensão espiritual.

É preciso, efetivamente, compreender que há, nessa noção profissional, a necessidade de definir seus objetivos.
Agora, a ressonância é extremamente importante e, a partir de certo grau de desenvolvimento de sua Divindade, você se encontra confrontado, eu diria, a uma doença interior em relação ao trabalho que é feito, mas, também, referente a uma relação, qualquer que seja.
Convém parar, refletir e deixar emergir o significado profundo dessa doença: será que é o ego que, por exemplo, quer encontrar outro trabalho mais espiritual para sentir-se mais à vontade ou será que é, realmente, o destino da alma que requer uma mudança em profundidade?
Isso, é preciso, efetivamente, fazer a diferença entre os dois e pedir para isso que os sinais de sincronia, que os sinais espirituais, os sinais ligados aos seres de Luz, à Divindade manifestem-se, para iluminar nossos caminhos.
Mas o ato o mais importante a gerar para si mesmo é, obviamente, a autenticidade e a benevolência em relação a tudo o que faz a vida.

Questão: a que correspondem as descidas de energia nesse momento?
São energias que correspondem ao solstício de verão, o período que é uma semana, alguns dias antes do período do solstício de verão, o que se chama o São João de verão.
Isso corresponde ao máximo energético do Sol.
As energias solares são as energias espirituais, as energias Crísticas, que descem sobre a Terra.
Há, por trás, necessidades de modificar algumas estruturas em vocês, para os seres que são, entre aspas, ligados ou despertos à dimensão espiritual.
Esses reajustes correspondem a um afluxo de energia, mas a energia não é, necessariamente, metabolizada e considerada pelo corpo ou pelas estruturas como algo que vai energizá-lo.
O aumento de energia sobrevém uma vez que o processo de descida esteja encarnado e amortecido, o que pode tomar uma quinzena de dias.

A energia espiritual desce pelo sétimo chacra, diretamente, e irá tomar o canal médio da coluna vertebral, que vocês chamam a shushumna, e vai descer, progressivamente, para reforçar a irradiação energética de cada um dos sete chacras.
Entretanto, os chacras que devem receber esse afluxo de energia giram em forma de hiper-rotação, em especial os chacras do baço e o segundo chacra.
E esses chacras, que giram em excesso relativo de energia, provocam uma consumação e um consumo extremamente importantes de líquidos e de açúcar, o que provoca, efetivamente, súbitos cansaços, de maneira incisiva no dia, a impressão, de repente, de cair de sono, a impressão, de repente, de flutuar um pouco.
Isso é típico das energias que correspondem ao solstício de verão.

A mesma coisa produzir-se-á no solstício de inverno, desta vez, com uma energia mais telúrica, que remonta do Intraterra, mas que vem, entretanto, impactar, extremamente forte, o segundo chacra, o chacra do baço e o primeiro chacra, desta vez, um trabalho que dura uma quinzena de dias.
Convém beber muito mais do que de hábito e consumir açúcares, beber sucos de frutas que são muito pouco carregados em fibras, eu penso, em especial, no suco de uvas e no suco de maçãs, ao invés de suco de laranjas e suco de abacaxis, que aumentam o calor do corpo.
Mas o melhor é, de qualquer forma, beber água pura e, depois, comer açúcar, uma hora depois, ao invés de misturar água e açúcar através dos sucos de frutas.
Trata-se do açúcar, sob a forma, por exemplo, de uvas secas, sob a forma, por exemplo, de açúcares rápidos e não de açúcares lentos.

Questão: o chá de aubepine pode ser útil para integrar essas energias?
O aubepine intervém no chacra do coração, no setor cardíaco, o que não é o caso com essas energias.
Se vocês querem ingerir um chá, as coisas as mais agradáveis são os chás ligados à menta, que refresca o sangue e que limita o consumo de açúcar pelas energias.

Questão: poderia falar-nos da loja negra universal?
A loja negra universal corresponde a uma série de entidades que são o reflexo, o lado negativo da Luz.
É preciso, efetivamente, compreender que a Luz se criou, exteriorizando-se do nada, mas, criando-se a partir do nada, houve, também, a criação da Luz e da sombra no seu plano de manifestação (não mais nas Dimensões superiores nas quais, aí, isso não é possível), neste plano específico que é a terceira Dimensão.
A Luz é oposta à sombra, mas a sombra está também na Luz e a Luz está também na sombra, é o yin e o yang.
Disso, vocês sabem, vocês vivem e experimentam.
Mas existe, em planos intermediários – ou seja, na quarta Dimensão, que é o equivalente, se quiserem, ao mundo astral inferior – o reflexo do que acontece sobre a Terra, ou seja, a Luz e a sombra, as forças Crísticas, as forças astro-angélicas, as forças manifestadas da ordem de Melquisedeque ou de outras ordens de Luz que podem descer através das estruturas vibratórias até esse nível inferior, para entrar em contato com a sua realidade.
Mas existe também a contrapartida dessa Luz que é também a sombra.
Na gênese da sua Dimensão, na Kabbalah, há gênios, há arcanjos, mas há também forças invertidas, que são a parte negativa.
Há as forças do Arcanjo Uriel e Gabriel, mas há também um demônio que é a sombra disso, ele se chama Asmodée, que é uma realidade na sua Dimensão.

loja negra universal está ligada a entidades que se apresentam como seres de Luz (eles não vão dizer, obviamente, que eles são seres da sombra), mas cujo objetivo e única especificidade não são transmitir ensinamentos (que são falsos, obviamente), mas camuflar essa verdade ensinada através de uma finalidade que não é a Luz, em todo caso, a Luz Solar, mas cuja finalidade é desprendê-los desse plano desse planeta, ou seja, fazê-los perder a noção de sacralidade da vida na terceira Dimensão, mas, também, do planeta Terra, para levá-los para o é chamado de ilusão luciferiana.

Esses Mestres foram chamados de Mestres de sabedoria, mas eles nada têm de sábio, pois eles os afastam da dimensão Crística.
Tudo o que os afasta de Cristo, do Sol, da dimensão essencial Terra-Sol (ou seja, das raízes na Intraterra, mas, também, das raízes celestes no Sol) faz parte também do que é chamado de loja negra universal.

A fim de diferenciar do que é denominado forças de involução que, elas, não são luciferianas, mas são plenamente diabólicas e querem fossilizá-los, pô-los e deixá-los na Terra, privando-os da espiritualidade.
Atualmente há, de um lado, as forças Crísticas (são as forças da Luz autêntica) e, do outro lado, as forças da loja negra universal (ligadas, portanto, às energias luciferianas, que fizeram aliança com as forças que querem a fossilização e o abandono da espiritualidade).

É um pouco complexo de compreender, mas essas duas forças estão unidas em um mesmo objetivo que é o de privá-los da influência de Cristo, da influência do Sol e isso dá no que vocês veem sobre a Terra, atualmente.
Tudo o que vocês observam no exterior ilustra esse combate, no plano da quarta Dimensão, entre a sombra e a Luz, mas, também, os seus próprios combates interiores entre suas sombras e sua Luz.
Assim, a loja negra universal é constituída por entidades que foram humanas, mas que cortaram, de maneira voluntária, em determinados momentos da sua história de encarnação, o Antakarana, ou seja, o Cordão de Luz que as reuniam às suas almas.
Eles se cortaram, voluntariamente, da sua alma, de maneira a não sofrer as consequências dos seus atos no nível cármico.
Eles se cortaram do seu carma, mas, cortando-se do carma, eles se cortaram também do mundo Solar, do mundo Crístico.
Eles evoluem, portanto, permanentemente nesses mundos intermediários, que podem, por vezes, tomar um corpo para descer na encarnação, mas sem que este esteja religado à alma.
Eles são, portanto, seres que cortaram a comunicação divina e cujo objetivo é o de fazê-los, também, cortar essa comunicação divina, de arrastá-los a caminhos que são separados da dimensão Crística.

Quando eu falo de Cristo eu não falo, obviamente, da religião católica, eu falo da essência de Cristo, do Amor incondicional, da Fraternidade Branca Universal (não confundir com a Grande Fraternidade Branca), da ordem de Melquisedeque, da ordem das Águias, da ordem de Órion, que é ligada à Luz autêntica.
Há uma filiação da Luz autêntica, cujo objetivo é o de espiritualizar a matéria.
Então, obviamente, eles não vão se servir de ensinamentos que são falsos, eles vão lhes falar de psicologia, eles vão lhes falar de raios, eles vão lhes falar de um monte de coisas que está em relação com dados importantes da tradição, como a Kabbalah, como a astrologia etc., etc., mas cuja finalidade é, pouco a pouco e sub-repticiamente, cortá-los, concretamente, dessa dimensão Solar Crística.
Será que está mais claro para você, cara amiga?

Questão: como explicar que alguns canais possam, ao mesmo tempo, veicular mensagens Crísticas ou Oriônicas e da loja negra universal?
A diferença é difícil de fazer, pois, se vocês fizerem a diferença pelas palavras, obviamente, as entidades da loja negra também vão lhes falar de Cristo (elas não vão dizer que Cristo não existe, bem ao contrário, elas vão colocá-lo como um Mestre de sabedoria, por exemplo), mas o importante não são as palavras que são empregadas, não são os ensinamentos através de palavras, mas, obviamente, a Vibração que se propaga durante a canalização.

Como vocês podem explicar que alguém fale as palavras de Cristo ou da Virgem sem que haja a energia da presença de Cristo ou da Virgem?
Isso é impossível

Vocês sabem, efetivamente, que a presença de tal entidade espiritual, de tal nível vibratório, de tal intensidade vibratória que passa por canalização, ou seja, por incorporação, é algo de silencioso, é algo que emana uma vibração Luz.
Se vocês não sentirem essa vibração como um amor, como algo que os preenche (obviamente, sejam quais forem as palavras empregadas), isso não é da Luz.
Portanto, não se deve fiar nas palavras e não se deve fiar no que dizem as pessoas.
É preciso fiar-se no que vocês sentem, vibratoriamente, é preciso fiar-se no que lhes diz o seu ser interior.
Isso é a coisa, eu diria, essencial.
Caso contrário, como vocês vão fazer a diferença?
Não através das palavras, pois, obviamente, as entidades da sombra não vão dizer-lhes que elas são da sombra, elas vão dizer-lhes que elas são da Luz, elas vão exaltar o culto da personalidade, elas vão, através, às vezes, de palavras muito mais rebuscadas, eu diria (mais na new-age, no seu sentido pejorativo, tal como é reconhecido, hoje), transmitir-lhes ensinamentos que falam da Luz angélica, que falam de coisas maravilhosas que devem chegar-lhes, a vocês, esses seres que são tão maravilhosos.
Eles vão, de algum modo, bajular o seu ego, bajular a sua personalidade interior e não revelar a sua alma.
A diferença está nesse nível.

Há, também, graus extremamente importantes, que permitem fazer a diferença:jamais um ser mestrado, que chegou às Dimensões superiores, irá intervir para modificar o seu livre arbítrio.
Ele poderá dar-lhes conselhos.
Ele poderá, se vocês pedirem, efetivamente, agir nos seus casulos de Luz e modificar o seu caminho terrestre, mas sempre respeitando o seu livre arbítrio.
Jamais um ser da Luz autêntica virá dizer-lhes para deixar tal pessoa ou fazer o seu caminho em tal foco.
Ele poderá apenas guiá-los para pô-los frente à sua própria Luz, do seu próprio caminho interior.

Por vezes, há também médiuns que absolutamente nada canalizam, isso também acontece.
Quando vocês estão com um ser da Luz autêntica, ele os preenche de energia.
Quando vocês voltam, vocês se sentem com o coração leve, vocês são inflados da energia espiritual que lhes foi fusionada.
Por outro lado, quando vocês estão lidando com entidades ligadas à loja negra, o que vai acontecer?
Primeiro, elas vão transformar a Luz em sombra e, portanto, vão retirar a sua energia, vocês vão se sentir realmente fatigados, vocês vão se sentir mal-humorados, sem saber por quê.
Isso não é no sentido de dor, pois um ser da Luz pode desencadear uma dor no coração, já que ele força a Irradiação do coração, já que ele força a Irradiação dos chacras, pela Vibração dele, sem querer, então isso pode provocar, em alguém que não está preparado, alguma dor.
Portanto, não é a dor que vai diferenciar a sombra da Luz: é, sobretudo, a leveza de coração e o sentimento profundo no qual vocês serão tomados por uma canalização real de uma entidade da sombra ou de uma entidade da Luz.
Isso é extremamente importante.

Questão: há uma ligação com o fato de que um canal pareça ter um olhar «vazio»?
Mas o olhar e o olho são o reflexo da alma.
Em todas as tradições, um olho apagado, uma irradiação apagada vê-se primeiro no nível físico, no nível da cor da pele, não há mais fogo, há apenas a terra, há apenas a água.
Não há mais leveza, não há mais fogo e, portanto, o olhar é como que vazio, isso é uma característica essencial.
Há um lado pleno ou um lado vazio, isso é extremamente importante, pois um canal, mesmo se ele estiver extremamente, eu diria, desconectado pela intensidade da vibração que ele vivenciou, progressivamente, ele se preenche de amor, ele se preenche de autenticidade, ele se preenche de clareza, e isso se vê nos olhos, na pele, em todos os níveis.
Se não for o caso, efetivamente, é algo que é do domínio da posse e não mais da canalização.

Questão: poderia falar-nos de constelações familiares?
Quando há energia de grupo, para que é voltada a energia do grupo?
Se a energia do grupo é voltada para a individualidade pessoal e não a individualidade da alma, cuidado com questões de sofrimentos do passado, de sofrimentos do presente.
A manifestação desses sofrimentos, bem, isso pertence à sombra.

Lembrem-se do que dizia Jesus: «quando vocês forem três, reunidos em meu nome, eu estarei entre vocês».
Por quê, quando vocês estão em um grupo, haveria necessidade de trabalhar em uma emoção, em um sofrimento do passado, em algo que faz mal?
Não.
Trabalhem na Luz e a Luz virá.
Toda a diferença entre a sombra e a Luz está nesse nível, e aí está porque eu sempre recusei, em minhas intervenções, salvo caso excepcional como esta noite, intervir em questionamentos pessoais.
Porque não é questão de exprimir o temor, é questão de exaltar, em vocês, a realidade da Luz Crística de seu ser interior, de sua Divindade.
Se se deixa os seres humanos exprimir seus sofrimentos, o que aconteceria?
A emoção seria gerada em todo o grupo, e isso provocaria um desperdício de energia espiritual.
A emoção nutre-se de emoção, ela não se nutre de Divindade.
A Divindade nutre-se de Divindade, a Luz nutre-se de Luz e não de sombra.
Por que fazer sair a sombra?
«Busquem o reino dos céus e o resto ser-lhes-á dado em acréscimo»dizia Jesus, e é completamente verdadeiro e, ainda mais verdadeiro, a partir do momento em que há grupo, em todos os trabalhos que se pode imaginar ser assim chamadas ferramentas de liberação que se fazem em grupos, nos quais cada um vai exprimir seu sofrimento, mesmo se há resultados que possam parecer, às vezes, surpreendentes.

Há seres que fizeram esses trabalhos de maneira autêntica, eu penso, por exemplo, em uma grande dama que está morta, agora, e que eu vejo, frequentemente, porque ela é do mesmo plano vibratório que eu, que trabalhou no acompanhamento de pessoas em fase terminal, que era essa querida alma que se chamava Elisabeth KÜBLER ROSS.
Essa dama fez um trabalho no qual ela fazia exprimir as emoções às pessoas, mas era em circunstâncias específicas ligadas à morte, ou a morte desses seres que participavam do seminário, ou de seres que haviam sido tocados pela morte de um próximo, quando, aí, era preciso sair desse sofrimento ligado à morte, que não é um sofrimento, mas o medo, a separação, o abandono ligado a tudo isso.
Mas o quadro é diferente.
Ali, era específico para a emoção ligada à morte, de si ou de alguém de muito próximo.

Em contrapartida, as outras emoções que vocês geram através de todas as terapias new-age, são terapias que vão fazer subir as emoções de seu passado e, além disso, vocês vão fazê-las subir, veiculá-las, exprimi-las no grupo e transferi-las aos outros.
Onde está a Luz aí?
Não há Luz, há apenas a sombra.
Aí está a diferença essencial: um trabalho de grupo deve ser voltado, unicamente, para a Luz, e não na manifestação de sofrimentos, porque é tempo perdido (mesmo se não é da sombra) e o tempo perdido pertence à sombra.

Questão: como fazer, à parte coisas em tudo o que é proposto para ajudar, justamente, a superar os sofrimentos, uma vez que há muitas ferramentas propostas e pessoas autênticas, também, na vontade de superar esse sofrimento.
Perfeitamente, mas vocês não poderão resolver um sofrimento ao nível em que ele está situado.
Infelizmente, é assim.
Vocês não poderão resolver o câncer ao nível em que ele está situado, ou seja, ao nível da matéria.
Vocês não poderão resolver um sofrimento ligado ao abandono pelo pai ou à violência do pai trabalhando no pai.
Vocês não poderão resolver qualquer sofrimento assim.
Vocês terão a ilusão da resolução do sofrimento, e inúmeras pessoas atuam nisso.
Faz, agora, mais de um século que vocês estão no erro psicológico; faz, agora, um século que vocês erram, de terapia em terapia, de vida em vida, através de técnicas de aproximações psicológicas que são uma heresia.

Por quê, em minha vida, eu falei apenas da espiritualidade em relação à psicologia?
Porque a solução para todos os males da encarnação situa-se ao nível espiritual.
Não há solução nem em uma agulha de acupuntura, nem em um blá-blá em relação a um sofrimento passado.
É preciso, no sofrimento, colocar o bálsamo do amor, o bálsamo da reunificação.
Qualquer outra coisa é um trabalho de perda de tempo.

Mesmo se vocês tenham a impressão de liberar algo, vocês não liberam, vocês cristalizam, ainda mais, os sofrimentos.
E disso, inúmeros cientistas, hoje, aperceberam-se, ao nível do cérebro, ao nível da compreensão de mecanismos sutis, entretanto, reais, da vida,
Isso é muito importante a compreender: vocês não conseguirão, jamais, fazer desaparecer algo que vocês tenham vivido; o único modo de fazer desaparecer, totalmente, todos os sofrimentos, é perceber a mestria de autenticidade, a unidade da Divindade que vocês são.
É a única solução, não há outras.
Estejam certos disso.

Vocês podem passar vidas e vidas, como o faziam alguns monges tibetanos, a tentar purificar o carma.
Eles passavam uma vida a purificar um carma que eles haviam feito há quarenta vidas, cinquenta vidas e, no entanto, será que eles estavam realizados?
Certamente não porque, à força de querer purificar-se, eles se esqueciam da Luz.

O trabalho não é um trabalho de purificação em seu passado, o trabalho é um trabalho de autenticidade, no instante presente, em relação à Fonte da Luz que vocês são.
Não é, de modo algum, a mesma coisa.
Então, efetivamente, enquanto vocês não tiverem essa lucidez, essa consciência disso, bem, vocês continuarão a errar de terapia em terapia, de técnica em técnica sem, contudo, avançar um milímetro, porque vocês darão ainda mais tomada ao passado, às coisas cristalizadas, porque vocês portam sua consciência sobre a sombra e não sobre a Luz.

Vocês não têm que trabalhar nas cicatrizes do passado, vocês têm que trabalhar na Luz.
Compreendam, efetivamente, que, mesmo se seja louvável querer explicar um sofrimento – e todo ser humano tem necessidade disso – na finalidade, quanto mais vocês subirem ao nível de consciência da Luz, mais o que vocês se tornarão irradiará a Luz e, naquele momento, não haverá mais necessidade de compreensão do passado, qualquer que seja.
Então, inclinar-se sobre o passado dessa vida, sobre o passado de vidas passadas é algo que vai contra a Luz.
Isso é preciso, efetivamente, compreender.
É um fato sedutor saber que se foi isso, que se foi aquilo, mas vocês devem esperar que essa memória volte a tornar-se, eu diria, espontânea, em função de sua evolução espiritual, mas não ir procurar despertá-la, artificialmente, ou para poder explicar um sofrimento do presente em relação a uma explicação do passado, que existe.
Eu não digo que ela não existe, eu digo, simplesmente, que a solução está na Luz.

Então, efetivamente, há seres que não estão prontos a serem confrontados à própria Luz interior e que têm necessidade de passar por períodos de análises, de compreensões do passado, mas isso, saibam, a certo grau de evolução, é antiespiritual.

Questão: como se podem partilhar esses ensinamentos?
É, efetivamente, o problema, é que você não pode fazê-lo partilhar enquanto o ser não está engajado no caminho e tenha chegado à porta desse estado vibratório.
Porque o mental mente-lhes, permanentemente, o mental tenta, a cada vez, prendê-los a explicações lógicas do que vocês foram no passado, tenta, a cada vez, levá-los a caminhos ligados ao passado e referenciar seu ser vivo, tal como vocês são hoje, em relação a algo que vem do passado.
Sempre, vocês definem o presente pelo passado ou pelo futuro, também, para aqueles que se conectam no futuro.
Mas a vida define-se, unicamente, pelo instante presente.
A Divindade está no instante, ou seja, fora do tempo.
E vocês vão procurar as referências no passado, no futuro, e vocês balançam de um ao outro e creem encontrar a Divindade, mas é impossível.
A Divindade encontra-se apenas no momento presente.
Se vocês conseguissem parar a linearidade do tempo, ainda que apenas um bilionésimo de segundo, vocês seriam, instantaneamente, transformados em Luz, vocês não teriam, mesmo, mais corpo.

Questão: você pode falar-nos do xamanismo e de um de seus ramos, que é chamado o caminho dos guerreiros?
Essa abordagem é, certamente, aquela que mais se aproximou, eu diria, da Divindade no estado bruto, ou seja, que abordou, sem rodeios e sem desvios, a tradição primordial, para além, mesmo, de referenciais da tradição como a Kabala, mas que foram, diretamente, ao coração e à própria essência da consciência.
Mas é um caminho extremamente rude, que necessita de um despojamento total e poucos seres realizaram esses caminhos em sua totalidade.

Questão: o que é dos outros ramos do xamanismo?
Há xamanismos de inspiração astral e há xamanismos ligados às manipulações de forças elementares da natureza.
Há xamanismos que são ligados a outras manifestações.
Eu repito, são movimentos que, para a maior parte (exceto o caminho do guerreiro, ligado à tradição tolteca, que muito específico), não está em relação com a vida Ocidental, que se encaixa mal com uma configuração cerebral e energética, eu diria, Ocidental.
Entretanto, por que não?
Inúmeros seres podem ser atraídos por esse caminho.
Eu repito, é, certamente, eu diria, menos perigoso, talvez mais direto, do que as terapias que nascem atualmente, no Ocidente.
Eu lhes agradeço, a todos.
Se quiserem, poderíamos talvez parar agora para dar lugar ao reino da Mamãe.
Eu, no momento, eu lhes dou a minha bênção e lhes digo até muito em breve, e eu lhes agradeço por essa troca.

****************

Mensagem do Venerável OMRAAM (Aïvanhov) no site francês:
22 de junho de 2006


Traduzida para o Português por Célia G.
Extraído de:
****
Colaboração de André
Site M.A.

************


***
Elisabeth Kübler-Ross
Elisabeth Kübler-Ross, M.D. (8 de julho de 1926 — 24 de agosto de 2004) foi uma psiquiatra que nasceu na Suíça. Ela é a autora do livro On Death and Dying, no qual ela apresenta o conhecido Modelo de Kübler-Ross. Após uma série de derrames cerebrais, Elisabeth falece aos 78 anos em Scottsdale, Arizona. Em 2007 ela foi eleita para o National Women's Hall of Fame dos Estados Unidos.

A publicação de seu livro mais famoso em 1969 "On Death and Dying" (Sobre a morte e o processo de morrer) marcou o rumo de seu trabalho, enriquecido posteriormente com contribuições de especialistas de uma área específica da profissão médica, a tanatologia. Nesse livro, ela identifica fases nos períodos que antecedem a morte e cria métodos para médicos, enfermeiros e familiares acompanharem e ajudarem um paciente terminal.


Elisabeth foi pioneira no tratamento de pacientes em estado terminal[carece de fontes]. Ela deu o impulso para a criação de sistema de asilos específicos para doentes nos Estados Unidos, que são estabelecimentos para internar e cuidar de pessoas em estagio terminal.

No final de sua carreira, Elisabeth dedicou sua pesquisa à verificação da suposta "vida após a morte", fazendo, com sua equipe, milhares de entrevistas com pessoas que relataram experiências de uma suposta morte (pessoas que morreram por alguns instantes e voltaram).
Esse novo interesse da especialista foi recebido com ceticismo pela maioria dos cientistas e médicos.

Vida pessoal

Em 1958 ela se casou com um colega médico vindo da América, Emanuel ("Manny") Ross e se mudou para os Estados Unidos.

Ela teve dois abortos espontâneos, finalmente, teve um filho, Kenneth , e uma filha, Barbara, em 1960. [10] O marido dela pediu o divórcio em 1979.
Um de seus maiores desejos era seu plano para construir um hospital para bebês e crianças infectadas com HIV para lhes dar uma última casa onde eles poderiam viver até a sua morte, inspirada no apoio a projetos do médico britânico Saunders Cicely. Em 1985, ela tentou fazer isso na Virgínia, mas os moradores locais temiam a possibilidade de infecção e bloquearam o necessário re-zoneamento. Em 1994, ela perdeu sua casa e bens para um incêndio criminoso que é suspeito de ter sido definido pelos opositores de seu trabalho contra a AIDS. [11]

Obras
KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a Morte e o Morrer. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1969.
KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Morte – estágio final da evolução. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1975.
KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Perguntas e respostas sobre a Morte e o Morrer. São Paulo: Martins Fontes, 1979.
KÜBLER-ROSS, Elizabeth. A morte: um amanhecer. São Paulo: Pensamento, 1991.
KÜBLER-ROSS, Elisabeth. A roda da vida: memórias do viver e do morrer. Rio de Janeiro: GMT, 1998.


 Graus de honra

  • Doutor em Ciências, HC, Albany Medical College, New York 1974
  • Doutor em Direito, Universidade de Notre Dame, em., 1974
  • Doutor em Ciências, Smith College 1975
  • Doutor em Ciências, Molloy College, Rockville Centre, Nova Iorque, 1976
  • Doutor em Humanidades, Colégio Santa Maria, Notre Dame, IN. 1975
  • Doutor em Direito, Universidade de Hamline, MN. 1975
  • Doutor em Humanidades, Amherst College, MA. 1975
  • Doutor em Letras Humanas, Universidade Loyola, IL 1975
  • Doutor em Humanidades, Hood College, MD 1976
  • Doutor em Letras, Colégio Rosário, IL. 1976
  • Doutor em Pedagogia, Keuka College, NY 1976
  • Doutor em Humane Ciências da Universidade de Miami, FL 1976
  • Doutor em Humanidades, Bard College, NY 1977
  • Doutor em Ciências, Weston MA., 1977
  • Grau Honorário, Anna Maria College, MA., 1978
  • Doutor em Humanidades, Union College, New York 1978
  • Doutor em Humanidades, D'Youville College, New York 1979
  • Doutor em Ciências, Fairleigh Dickinson University, 1979
  • Doutor em Divindade, 1996


Bibliografia selecionada

  • Em Morte e Morrer, (Simon & Schuster / Touchstone), 1969
  • Perguntas e Respostas sobre Death & Morrer, (Simon & Schuster / Touchstone), 1972
  • Morte: A Etapa Final do Crescimento, (Simon & Schuster / Touchstone), 1974
  • Perguntas e Respostas sobre a Morte eo Morrer:. Memórias de Viver e do Morrer, Macmillan, 1976 ISBN 0-02-567120-0. .
  • To Live Until We Say Goodbye, (Simon & Schuster / Touchstone), 1978
  • A Carta-A Dougy Carta a uma criança morrer, (Celestial Arts / Ten Speed ​​Press), 1979
  • Biografia Quest, de EKR (Escrito com Derek Gill), (Harper & Row), 1980
  • Trabalhando nisso, (Simon & Schuster / Touchstone), 1981
  • Vivendo com a Morte e Morrer, (Simon & Schuster / Touchstone), 1981
  • Lembre-se do Segredo, (Celestial Arts / Ten Speed ​​Press), 1981
  • Sobre Crianças e morte, (Simon & Schuster), 1985
  • AIDS: O Desafio Final, (Simon & Schuster), 1988
  • Sobre a Vida Após a Morte, (Celestial Arts), 1991
  • A morte é de vital importância, (Out of Print-Now O Túnel ea Luz), 1995
  • Desdobrar as asas do amor (somente para a Alemanha - Silberschnur), 1996
  • Tirar o máximo do Inbetween, (Foreign Diversos), 1996
  • AIDS & Amor, A Conferência de Barcelona, ​​(Espanha), 1996
  • Desejando voltar para casa, (Alemanha só - Silberschnur), 1997
  • Working It Through: Um Workshop de Elisabeth Kübler-Ross sobre a Vida, a Morte de transição, e, Simon & Schuster, 1997. ISBN 0-684-83942-3.
  • A Roda da Vida: A Memoir de Viver e do Morrer, (Simon & Schuster / Scribner), 1997
  • Por que estamos aqui, (somente para a Alemanha - Silberschnur), 1999
  • O Túnel ea Luz, (Avalon), 1999
  • Lições de Vida: Dois especialistas em Morte nos ensinar sobre os mistérios da vida e de estar, com David Kessler, Scribner, 2001. ISBN 0-684-87074-6.
  • Em Dor e luto: Descobrindo o significado de luto pelos cinco estágios de perda, com David Kessler. Scribner, 2005. ISBN 0-7432-6628-5.
  • Verdadeiro sabor da vida: Um jornal fotográfico



Referências

  1. ^ Broom, Sarah M. (Aug. 30, 2004). "Milestones". TIME.
  2. ^ "Women of the Hall : Elisabeth Kübler-Ross". Official website.
  3. ^ Turn on, tune in, drop dead by Ron Rosenbaum, HARPER'S, July 1982, pages 32-42
  4. ^ Newman, Laura. Elisabeth Kübler-Ross. (2004). British Medical Journal, 329 (7466), 627. Retrieved November 17, 2006.
  5. ^ de.wikipedia
  6. ^ Sex, Visitors from the Grave, Psychic Healing: Kubler-Ross Is a Public Storm Center Again by Karen G. Jackovich. In People, October 29, 1979, page found 2011-03-05.
  7. ^ a b Playboy Interview with Elizabeth Kubler-Ross Playboy Magazine, May, 1981
  8. ^ TIME.com, The Conversion of Kubler-Ross, TIME, November 12, 1979
  9. ^ Elisabeth Kubler-Ross in the Afterworld of Entities by Kate Coleman, New West, 30 July 1979
  10. ^ Kübler-Ross, Elisabeth
  11. ^ Kinofenster.de (German)


Leitura mais adicional



  • Busca: A vida de Elisabeth Kubler-Ross, por Derek Gill. Ballantine Books (mm), 1982. ISBN 0-345-30094-7 .
  • O Trabalho Vida do Dr. Elisabeth Kübler-Ross e seu impacto sobre o movimento de conscientização da Morte, por Michèle Catherine Gantois Chaban. E. Mellen Press, 2000. ISBN 0-7734-8302-0 .
  • Elisabeth Kubler-Ross: O encontro com a Morte eo Morrer, de Richard Worth. Publicado por Fatos em Arquivo, Inc., 2004. ISBN 0-7910-8027-7 .
  • Chá Com homenagens Elisabeth para Hospice Pioneer Dra. Elisabeth Kubler-Ross, respeitado por Fern Stewart Welch, Rose Winters e Ken Ross, Publicado por Qualidade de Vida Publishing Co 2009 ISBN 978-0-9816219-9-9





Enviado por em 30/06/2011
Elisabeth Kübler Ross, la pionera de la Tanatología, de su libro "La muerte un amanecer". Asociación Mexicana de Tanatología, A.C. http://www.tanatologia-amtac.com Tels. 55.75.59.95 y 55.75.59.96

Extraído de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Elisabeth_K%C3%BCbler-Ross

http://en.wikipedia.org/wiki/Elisabeth_K%C3%BCbler-Ross


****

Espinheiro-branco

Espinheiro-branco Resumo
Espinheiro-branco:
Planta Medicinal indicada em caso de problemas cardíacos, é apresentada quase sempre em forma de gotas, comprimidos ou cápsulas.

Nomes
Nomes em português: Espinheiro-branco, espinheiro-alvar, pilriteiro, crataegus, crataegos, cratego
Nome latim: Crataegus laevigata, oxyacantha, monogyna
Nom inglês: hawthorn
Nome francês: aubépine

Nome alemão: Weissdorn
Nome italiano: biancospino

Família
Rosaceae
Componentes
Flavonóides (vitexina...), glicosídios, proantocianidinas e epicatequina.
Partes utilizadas
Folhas, frutos (bagas) e flores secas.
Efeitos do espinheiro-branco
Anti-arritmíco, cardiotônico, inotrópico positivo, hipotensor, vaso-dilatador e vaso-constritor.

Indicações do espinheiro-branco
Problemas cardíacos: por exemplo, em caso de palpitações, sensação de opressão na região próxima ao coraçã, problemas cardíacos de origem nervosa, hipertensão, ansiedade, distúrbios do sono (origem nervosa), estresse.

A tomar desde os primeiros sintomas. Eficaz após um tratamento em longo prazo.

Atenção!
Este medicamento pode aliviar em caso de problemas cardíacos leves a moderados, no entanto, somente um médico poderá fazer um diagnóstico exato e curar o seu problema cardíaco. 
Efeitos secundários
Na compra de um medicamento queira ler a bula e pedir conselhos a um especialista.

Contra-indicações
segundo advertência médica é contra-indicado em casos gravidez e aleitamento. Na compra de um medicamento queira ler a bula e pedir conselhos a um especialista.


Interações
Possíveis interações com outros medicamentos. Na compra de um medicamento, queira ler a bula e pedir conselhos a um especialista.
Preparações à base de espinheiro-branco
- comprimido ou drágea de espinheiro branco

- cápsula de espinheiro branco

- infusão de espinheiro branco (chá de espinheiro branco)
- gota de espinheiro branco (à base de tintura de espinheiro branco)
- decocção de espinheiro branco
Onde cresce o espinheiro branco ?
O espinheiro branco cresce na Europa, na Ásia e na América, nas regiões temperadas.

Quando colher os compostos do espinheiro branco ?
As bagas vermelhas de espinheiro branco (frutos ou bagas de espinheiro branco) são colhidas principalmente no outono. Parece que as folhas de espinheiro branco podem ser colhidas na primavera, verão ou outono. As flores de espinheiro branco (utilizadas em caso de problemas cardíacos) são colhidas na primavera ou no verão. 

Observações
Planta útil no tratamento de problemas cardíacos leves, nos primeiros estágios da doença. (estágios I e II – segundo a NYHA: associação de cardiologistas de Nova Iorque - isto é, de dores e problemas cardíacos após um esforço importante). Diversos estudos clínicos comprovaram a eficácia desta planta. A tomar desde os primeiros sintomas e de preferência em forma sólida (comprimido, cápsula, drágea). Trata-se de um tratamento eficiente em longo prazo.


Atenção! Este medicamento pode aliviar em caso de problemas cardíacos leves a moderados, no entanto, não hesite a consultar o seu médico, pois somente ele poderá fazer um diagnóstico exato.


***

Asmodeus





Asmodeus é normalmente representado com asas e três cabeças: uma de homem com hálito de fogo, uma de touro e uma de carneiro, símbolos de virilidade e fertilidade.
Asmodeus (em grego: Asmaidos, em latim: Asmodaeus, Asmodäus, em hebraico: Aschmedai (Talmud) é um demônio da mitologia do Judaísmo (Livro de Tobias 3,8,17).


História

É considerado um dos sete príncipes do inferno abaixo somente de Lúcifer (o Imperador do Inferno). É o demônio representante do último pecado, a Luxúria, concepção dada ao considerado pior dos pecados.
Sua origem difere muito conforme a fonte, alguns considera-o como um anjo caído, porém alguns escritos judaícos indicam Asmodeus como o "Rei Esquecido de Sodoma", nesse conto Asmodeus é visto como o homem mais impuro já nascido, e aquele que guiou Sodoma à lúxuria. Alguns teólogos consideram a destruição de Sodoma como meio de matar Asmodeus, e não como prelúdio do Dilúvio.
Já no livro deuterocanonico de Tobias, é citado como o assassino dos noivos de Sara. Deus envia o Arcanjo Rafael para guiar Tobias, encontrar Sara e prender o dêmonio nos mais altos picos terrestres. Depois de completar sua missão, o Arcanjo cura Tobit pai de Tobias e retorna para a Corte celeste.

Segundo seitas satânicas, a letra inicial de seu nome é parte integrante do acrônimo Baal, nome de deus pagão citado tanto nas escrituras sagradas do Torá (judaísmo) quanto na Bíblia (cristianismo), que se traduz nos nomes dos demônios Belzebu, Astarot, Asmodeus e Leviatã.

Asmodeus é normalmente representado como uma espécie de chimera, com asas e três cabeças: uma de homem com hálito de fogo, uma de touro e uma de carneiro, símbolos de virilidade e fertilidade. Porém, pode ser representado também como uma espécie de feiticeiro capaz de adotar a forma de aranha. Por se tratar de um humano que virou demônio e não um anjo caído, Asmodeus possuí o livre arbítro, negado aos anjos, sendo considerado a Arma de Lúcifer para derrotar o Messias.

Na Literatura

No livro Encruzilhada (Literata, 2011), do escritor paulistano Ademir Pascale, Asmodeus é um poderoso demônio que é libertado por um padre através de um ritual macabro. Sua intenção é causar a discórdia entre os humanos, além de garantir mais almas para o inferno.

Extraído de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Asmodeus



***

leia também

Pilriteiro - espinheiro-alvar (A ÁRVORE DO CORAÇÃO!!! )
& Ogham: Huath


****



Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

Um comentário:

  1. OBRIGADA POR PARTILHAR TEXTOS TÃO INTERESSANTES COM OS LEIGOS , NÓS. SÃO LINDOS E ESCLARECEM MUTO AS COISAS QUE OCORREM CONOSCO.
    SEM ESSE ENSINAMENTO ESTARÍAMOS MIS PERDIDOS DO QUE REALMENTE ESTAMOS. [email protected]

    ResponderExcluir