Perguntas a JOËL LABRUYÈRE - 27 de agosto de 2010

Clique aqui para comentar esta publicação




“Lembremos que a verdadeira Espiritualidade consiste em se prover da Força Universal, da energia da Mãe Divina.”




No Apocalipse, está escrito: "Eu conheço as tuas obras. Eu sei que não és nem frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, e que nem és frio nem quente, estou a ponto de vomitar-te da minha boca".

Joël Labruyère certamente não é morno. Ele é um franco-atirador que combate o sistema e dinamita todos os ídolos ideológicos e religiosos adorados pela humanidade. No mundo da espiritualidade, este guerrilheiro pratica a estratégia da terra queimada. Mas se ele persegue implacavelmente o espiritualismo abreviado do Kali Yuga, Joël Labruyère permanece fiel a uma Gnose eterna e ao seu enigma: o eu das profundezas, a "consciência élfica".

"O eu das profundezas - escreve Jean-Louis Bernard -, é uma supraconsciência ou consciência paralela, inconsciente, que é aquela do duplo. Desconhecida da psicanálise de Freud, suspeitada por aquela de Jung, ela também está ausente da anatomia oculta própria das escolas de yoga - o que demonstra que a tradição hindu do yoga está hoje abreviada."

Um pouco de filosofia para começar. Imaginamos que o espírito élfico menospreza a nossa intelectualidade, mas é importante entender esta tendência muito diferente do modo de pensar que estamos acostumados em nossa cultura humana. A inteligência élfica é comparável à inteligência humana?
Resposta de Joël Labruyère: Não. A consciência élfica transcende o plano humano. A cultura humana considera que há apenas a sua representação do mundo e a sua maneira de pensar, mas há outras dimensões de consciência.

Será que os estados transcendentes, como aqueles que os místicos e os espirituais testemunham, atingem a dimensão élfica, como vocês a denominam?
Resposta: Não. Os estados transcendentes humanos permanecem humanos, mesmo exaltados a ponto de se imaginar atingir o divino. Os homens vivem em projeções mentais, emocionais e espirituais. Eles amam o seu próprio reflexo em uma lagoa estagnada que eles chamam de "além". Eles são vítimas de ilusões transcendentais.
O espírito élfico é uma consciência que vive no Éter. Este espírito não depende da mente analítica e das emoções astrais. A consciência humana é parasitada pelo pensamento de que é um espelho no qual o ser se torna consciente de si mesmo. É a sua maneira de se sentir existindo individualmente na dimensão terrestre onde ele caiu.
O espírito élfico é expresso através do corpo etéreo que é a dimensão crística descrita por alguns clarividentes. Para usar a linguagem espiritual, poderíamos dizer que o espectro de Cristo vem da dimensão élfica, ao passo que a mente humana está "satanizada", ou seja, é terrestre.


Um ser humano pode ascender a esta consciência crística etérea?
Resposta: Sim, se ele abandonar o que é antigo e um monte de coisas das culturas e das religiões.
A morte do que é velho parece ser um salto mortal no vazio. É por isso que muitos falam, mas poucos fazem isso. Gostaríamos de morrer para si mesmo a fim de encontrar o Eu eterno, mas não vemos como. Praticamos todos os tipos de disciplinas, seguimos gurus que afirmam ali terem chegado, mas os conselheiros não são os pagadores.

Por que é tão difícil se libertar?
Resposta: Os seres humanos não querem abandonar a sua prisão pelo medo do desconhecido. Eles preferem a segurança. Este é o obstáculo fundamental. O motivo é que eles não têm imaginação para entrever a vida real. Eles não têm a fé que move as montanhas dos preconceitos. Eles não querem a liberdade, mesmo dizendo isso. Se não, eles encontrariam a saída como um náufrago buscando desesperadamente o ar.

Nós temos crenças e sonhos que nos mantêm em vez da realidade?
Resposta: O além é o reflexo sutil da existência terrestre. Tudo o que existe aqui embaixo tem seu reflexo no além.
O mundo espiritual, com o paraíso e o inferno, é o reflexo dos pensamentos e dos desejos acumulados desde a origem da vida sobre este planeta. No além, o homem toma seus desejos por realidade, mas tudo está sujeito à dissolução, embora em um tempo muito estendido, dez vezes mais lento do que na matéria. Isso fez com que as entidades espirituais acreditassem ser imortais.
Mas quando um ciclo cósmico chega ao fim, há gritos e ranger de dentes nos paraísos artificiais do além. Há lamentos, pois é preciso escapulir, e aqueles que se dizem seres de luz que povoam as hierarquias luciferianas são dissolvidos, enquanto que todos os excluídos do invisível são lançados sobre a Terra, como acontece hoje em dia. No entanto, as aves de rapina do invisível mantêm-se firmes. Elas sobrevivem se adaptando.
Dizem que Satanás está preso, mas ele foi liberado novamente. Digamos que ele está de um jeito ruim, pois ele está com pressa de pôr em prática uma nova religião mundial. Mas há ainda bons milênios adiante, antes da superfície da Terra se tornar um campo de poeira.

E a ajuda dos anjos, dos santos, dos espíritos desencarnados que tomam os médiuns?
Resposta: São fenômenos que aparecem e se dissolvem. As hierarquias angélicas regulares vivem em dimensões que não estão contaminados pela nossa poluição psíquica. Quanto aos mortos, uma alma desencarnada não fica estagnada no além. Ou ela retorna à encarnação, ou ela é transferida para uma dimensão eterna, além do sistema planetário.
As mensagens "de cima" geralmente vêm do plano da ilusão astral. As hierarquias do além se mantêm artificialmente, roubando a energia dos seres humanos. Há egrégoras potentes que sobrevivem transferindo a energia das religiões da Terra, há organizações mágicas a serviço de entidades retrógradas que são resquícios de antigas civilizações.
Essas hierarquias vampíricas imaginam ser os benfeitores da humanidade. Estas entidades são por vezes boas, embora ignorantes e sem consciência do sofrimento que elas geram na terra - como os ricos neste mundo que não se preocupam com os necessitados, mas se empenham em boas obras para garantir sua segurança.
Os seres humanos sofrem para sustentar esses parasitas e as elites, servindo de retransmissores sobre a Terra, para todos os poderosos.
Ao emitir pensamentos triviais, eles nutrem as entidades inferiores, mas ao fazer orações, elas nutrem as entidades superiores.

Então, qual comportamento adotar para se libertar? Os sábios recomendam não mais negociar com o invisível. “Sejam a sua própria Luz”, dizia Krishnamurti. Há seres espirituais que não exploram a raça humana? Quem são os altos elfos e os imortais?
Resposta: Os elfos de grau mais elevado e os imortais de que falam as lendas não vivem no além do mundo, mas em uma dimensão mais elevada do Éter.
Para conectar com estas dimensões sublimes, é preciso sair do circuito de vida e morte, e construir um corpo imortal.
Está escrito: "o Pai está mais próximo do que as mãos e os pés". Isto significa que a dimensão da Eternidade não está exteriormente afastada no espaço.
Estamos espiritualmente naquela dimensão, aqui mesmo. Basta tomar consciência da nossa natureza interior real. Isto requer uma modificação total. Este é o grande problema ...

Como tomar consciência da nossa verdadeira natureza?
Resposta: Nós podemos fazer de várias maneiras. Parece que o que foi tentado por grandes mestres espirituais teve pouco impacto, pois estamos obtusos.
O ser humano escuta por um ouvido, e fica entusiasmado, mas ele esquece logo depois. Em um momento, ele fala de Deus, do absoluto e da libertação como um bem desejável e, no momento seguinte, ele cai de volta nas suas preocupações e nas trivialidades angustiantes. Se vocês tiverem que se preocupar com alguma coisa na vida, então, preocupem-se com a sua salvação eterna, e deixem o resto. Infelizmente, que trabalheira para manter o corpo, e que dispersão em um milhão de disparates!
Para tomar consciência da nossa verdadeira natureza é preciso abandonar a identificação com a nossa natureza ilusória. É preciso superar a identificação com o escravo, com este mísero humano, este simplório que foi seduzido pelas autoridades terrenas e que as obedece como uma criança. Às vezes, a criança se revolta. Empanturram-na, então, de pirulitos idealistas.
É possível, no entanto, deixar de se identificar com o escravo, ou seja, erguer-se acima do rebanho. Observem o que é ensinado pelas autoridades. O que eles dizem sobre a vida e a morte?
De forma mentirosa, têm feito lavagem cerebral desde o nosso nascimento e durante milênios.
Para nos explorar, mantendo-nos na ignorância sobre a nossa origem.
O meio mais eficaz para adestrar os escravos é através do temor e da crença de que eles são seres mortais.
O medo e a morte.
E o medo da morte.
Vocês acreditam que são mortais, e vocês têm medo da morte. Tendo medo, vocês obedecem para evitar agravar o caso. Esta obediência temerosa leva-os a submeter-se às autoridades em todas as áreas: filosófica, religiosa, social, médica, política, financeira, etc. ... ou a adotar os belos modelos que reservam aos recalcitrantes. A manipulação mais revoltante a que vocês têm sido submetidos, o engano mais fatal, é acreditar que vocês são um corpo de matéria com um princípio de alma esboçado. Na era moderna, esta alma sequer é mais útil, e os psicólogos têm comandado melhor com o inconsciente lúgubre.

No que podemos nos apoiar para nos tornarmos de novo conscientes da nossa verdadeira natureza? Se a consciência que resulta da nossa identificação com o corpo material é feita de crenças, sonhos e ilusões, onde nos apoiar?
Resposta: O pensamento é baseado em enganos, saltando de uma ilusão para outra e nos deixando finalmente desalinhados. Portanto, não podemos contar com isso. Deixamos com as suas travessuras, já que não podemos excluí-lo. Quanto à consciência identificada com a realidade corpórea, que é a nossa base tangível, a causa do nosso desaparecimento quando o corpo está desgastado, como transferir esta consciência para um suporte imortal? Você entende a pergunta? Não é suficiente acreditar que a consciência poderia ser liberada sem ter um corpo espiritual. A religião e a filosofia se contentam com abstrações e princípios insólitos: o espírito, a alma, etc..
O segredo escondido de nós é que nós já temos um corpo espiritual, o corpo etéreo, que, ao contrário do corpo material, está constantemente se regenerando. Ele poderia se tornar imortal se ...

Se...?
Resposta: Se ensinássemos às pessoas que elas são imortais! Se lhes disséssemos que elas podem encontrar a sua natureza eterna ao deixarem de se identificar com a sua estrutura psico-corporal mortal.
O segredo está no corpo etéreo - a forma élfica do Éter - o nosso duplo energético. Este corpo vital adota a forma do corpo físico.
Enquanto o corpo material segue diretamente em direção à decadência e à morte, o corpo etéreo, diferentemente da entropia natural, está em um estado de rejuvenescimento constante. Vocês podem imaginar que isso não é ensinado em parte alguma, ou então é de maneira muito secreta.
O corpo etéreo vive em uma fonte perpétua de juventude. Enquanto o corpo físico se desgasta, o corpo etéreo está em constante regeneração. Não é um processo interessante?

Poderíamos deduzir que é possível tornar-se imortal se encontrarmos um meio de transferir a nossa consciência para uma dimensão etérea onde agem as forças regenerativas. Isso está certo?
Resposta: Exatamente. Mas há um problema. A nossa consciência está fortemente identificada com o corpo e com a morte, devido à lavagem cerebral operada pelas autoridades terrestres e pelos Éons (ver a NOTA no final do texto).
Imaginem que um grande número de seres humanos fosse transferido à dimensão etérea, o que iria acontecer às hierarquias que vivem da exploração da energia humana? Seria uma cessação da atividade. A natureza inteira iria sublimar de forma acelerada em uma dimensão eterna.

Por que os ensinamentos espirituais de boa fé não ensinam este maravilhoso segredo sobre o funcionamento do corpo etéreo?
Resposta: Os alquimistas descreveram o processo de transmutação de forma velada, por meio de símbolos grotescos, porque eles não dispunham de uma linguagem adequada, mas principalmente porque era preciso temer as autoridades religiosas e civis - dois bandidos que andam de mãos dadas.

É mais fácil conceber essas coisas claramente, hoje?
Resposta: Sim. Há forças espirituais agindo nessa direção, e nós desfrutamos do avanço feito pelos antigos buscadores da verdade, os verdadeiros espirituais que imprimiram esta verdade no Éter, muitas vezes com o sacrifício de suas vidas. No entanto, seria errado afirmar que a imortalização do ser é fácil. É uma via de superação de si. Em princípio, é preciso colocar o nosso ego sob os nossos pés, se não, permanecemos identificados com o escravo humano.
Se pudermos antever que existe um corpo etéreo e não apenas um corpo de matéria putrescível, isso vai ajudar muito. Mas é justamente isso que a cultura terrestre esconde de nós. A ciência médica é uma farsa. Bastaria um clique para tomarmos consciência da nossa natureza imortal. O que seria da medicina, da ciência, dos lobbies, etc.?

Se o corpo etéreo se renova enquanto o corpo físico é usado, nós deveríamos estar em um estado imortal depois da morte, quando deixamos o corpo para trás. Entretanto, os ensinamentos esotéricos explicam que depois da decomposição do corpo físico, o corpo energético é gradativamente dissolvido na dimensão etérea. Então, ele não é imortal?
Resposta: Ele não pode se tornar imortal se uma transferência consciente da nossa individualidade não for efetuada durante a encarnação. Se o sinal do processo de imortalização não tiver sido enviado, o corpo etéreo do falecido acaba se fundindo no Éter, pois ele está agora privado do princípio da individualidade. É como uma nuvem que vai ficando sem contorno.
O Éter deve ser estruturado por uma consciência individual. É por isso que o princípio individual que chamamos de "crístico" deve ser salvaguardado através desta mutação.
A encarnação na matéria permite manter um princípio de individualidade coerente, pois o plano físico produz uma consciência com precisão - este é o seu papel.
O ser encarnado, dotado do princípio de individualidade, deveria consagrar-se à sua imortalização, mas ele fica disperso em atividades sem futuro. Ele serve de bateria de energia para as hierarquias e ele fornece alimento para as elites através das suas emoções e dos seus pensamentos.
É preciso despertar do sonho da existência (existare = estar fora). É preciso sair da hipnose cultural secular.

Como?
Resposta: Havia o ensinamento dos antigos maniqueístas. Eles ensinavam os seus alunos a verem lucidamente a realidade da exploração neste mundo. Eles arrancavam a máscara do mal cósmico e das autoridades que os serviam. Paralelamente, mostravam ao jovem iniciado a beleza do mundo original. Eles faziam assim a diferença entre a morte e a Eternidade.
A alma cheia de desejo pela vida mais elevada, descontente com o mundo mortal, entreviu então o caminho da Eternidade, e ali dedicou toda a sua força.
Hoje, enche-se a cabeça das pessoas com as delícias do astral sem mostrar o lado obscuro do mundo. Pior, isso é escondido, isso é negado, sob o falso pretexto de não-dualismo, de modo que não estamos indo a lugar algum. Por isso, muitos buscadores da verdade caem nas ilusões do além ou sob a influência do seu Satanás subconsciente. A maioria permanece nas crenças. Eles ficam estagnados ao se recusarem a VER.
A força dos maniqueístas foi olhar o mal de frente, desenvolvendo uma cultura artística leve e alegre.
Quem quiser conhecer a profundeza do Bem deve aceitar a profundeza do Mal. A visão lúcida da realidade impulsiona para cima. Se as pessoas não avançam espiritualmente, significa que elas não têm coragem de ir ao fundo das coisas. Elas flutuam na mornidão, nem quentes, nem frias. E a Verdade acaba por vomitá-las.

Qual é o critério para uma vida espiritual?
Resposta: Um verdadeiro caminho espiritual - o caminho certo élfico - ensina a Volta à vida original, a afastar-se do redemoinho da morte e das seduções das baixas hierarquias. Devemos praticar a transmutação do corpo material em um corpo imortal. Temos de sair da raça humana e da sua escravidão, para nos transformarmos em uma nova raça imortal.
Estas palavras são, por vezes, difícil de ouvir. Elas não se reportam a todo mundo. Apenas podemos dizê-las àquele que demonstra um interesse sincero pela alta espiritualidade.
O Absoluto não é característico do humano comum, e não pode ser confundido com qualquer idealismo. A vida divina é uma conquista heroica. É por isso que nós preferimos evitar qualquer ambiguidade ao falar de um caminho radical élfico, de um retorno à Eternidade, sem nos mesclarmos em meio à espiritualidade evolucionista e ao idealismo mundano.
A Terra não é um objetivo para o ser élfico. Ele sabe que o mundo físico está gradativamente prestes a se desgastar e que qualquer forma vai para a destruição final. Os materialistas pensam de forma diferente e nós podemos entendê-los, pois eles têm o material para adorar. Mas a salvação da natureza passa pela sua transfiguração na dimensão originária da vida real.
A luta para uma civilização terrestre é um combate na retaguarda nesta era das trevas. Um autêntico caminho espiritual é radicalmente Espiritual. Ele deve nos levar para a Terra prometida da Eternidade. É preciso saber o que queremos. Muitos se perdem na tentativa de preservar o que não tem caráter de Eternidade. Se sentirmos compaixão pelos seres, então, é preciso se apressar para protegermos as nossas almas, para ajudar os outros a partir de um plano superior. Caso contrário, todo mundo acaba se afogando.

Nós recebemos ajuda de uma dimensão mais elevada?
Resposta: Nós não poderíamos estar falando dessas coisas se inteligências superiores não mantivessem linhas de comunicação, e se elas não dessem sinais no sentido de resgatar este pobre planeta. Todavia, nós não queremos ser parasitas. Nós queremos a vitória pelos nossos próprios esforços, e, aliás, não iremos alcançá-la em um saquinho de surpresa. O tempo de embarcar chegou, e nós podemos confiar no fato de que as embarcações espirituais controlam a transferência das almas para as áreas universais onde reinam o Bem, o Belo e o Verdadeiro.

Há esperança de recuperar a civilização terrestre?
Resposta: Por que o ciclo da era das trevas iria mudar de rumo? Se vocês caminharem no campo, observem bem a paisagem. A cada dia, vemos que aqueles que se intitulam humanos cortam as árvores em torno deles, em seus jardins, e muitas vezes os mais belos exemplares do reino vegetal, como se estivessem obedecendo a um sinal coletivo de destruição. Eles apenas estão obedecendo a um impulso. Eles afirmam com uma audácia diabólica que a árvore que estava lá, há décadas, de repente começou a fazer sombra na casa, os seus ramos ameaçavam cair sobre o telhado, as folhas que caíam entupiam a calha, ou caíam na piscina, etc.. Na beira da estrada, é por segurança, e nas florestas, pelo lucro.
Ao chegar em casa, uma mulher vê com perplexidade que o seu marido cortou o grande salgueiro na frente da sua casa, como se ele tivesse sido tomado por um desejo de matar. Ele não conseguia encontrar uma razão para o seu ato. Estas são as pessoas que amam seu jardim e que estão aí para proteger o meio ambiente. O destruidor da natureza está por toda parte trabalhando, agarrado à sua motosserra que, uma vez em funcionamento, danifica tudo por onde passa. Vários hectares são cortados a cada minuto. Façam as contas por uma hora e durante um ano.
De que mundo melhor que você está falando? Vocês acreditam que os burocratas das florestas sentem compaixão pela natureza? Vocês vão convencê-los da vantagem de proteger o povo dos gnomos, das ondinas e dos silfos? Vocês vão tirar-lhes uma lágrima pelo desaparecimento das borboletas? Vocês vão se arriscar explicando que a borboleta é um ser espiritual que dança no êxtase das suas cores, iluminando assim a dimensão sutil em torno da Terra? Será que vocês serão ridicularizados nas reuniões ecológicas com a sua magia da natureza e a função espiritual de borboletas? Vários hectares de florestas são destruídos a cada minuto sobre a Terra. Façam as contas.
Quando a Índia não tiver mais um único feixe para queimar os seus mortos ritualmente, são as florestas virgens da Ásia e da América do Sul que serão sacrificadas para levar o cheiro doce às narinas de Shiva. Om Shiva! Jai Ma Kali! Por toda a parte o concreto está avançando. Antes de construir uma casa, hoje, destruímos toda a vegetação circundante. Esta é uma tendência geral inspirada no homem por algum tipo de demônio do materialismo. Esses demônios da matéria ficam eufóricos quando as árvores caem, pois a árvore é uma âncora espiritual para o ser humano. A árvore era um baluarte para a humanidade, pois é uma emanação da alma coletiva. A natureza inteira é uma exteriorização da vida interior. Assistimos então a um movimento de retirada das espécies em via de extinção. Ao perder o seu ambiente vegetal, o homem também perde a consciência. Por exemplo, sabemos que os gnomos que trabalham nas raízes, fornecem para nós um espírito de vigilância e estimulam o despertar interior. É isso aí, o guru do despertar não está no Himalaia, ele está no seu jardim. Os despertadores comerciantes anunciam a desertificação, a religião do deserto. É o anúncio da religião mundial midiática.

Se o materialismo é uma estratégia demoníaca para enfraquecer o ser humano, para robotizá-lo, e se o resultado final é a destruição do planeta, qual é o objetivo deste plano? O que vai restar quando a Terra se tornar um deserto?
Resposta: É preciso não se enganar com o adversário. As autoridades terrestres são apenas os representantes das hierarquias ocultas que vivem em outras dimensões, tais como as entidades espirituais de Marte. Vejam o estado físico do planeta marciano. As entidades desta área não vivem em um ambiente biológico. Eles podem querer possuir corpos orgânicos como utilizamos um carro, mas o seu mundo é espiritual. Para melhor se infiltrar em nossos corpos, esses espíritos destroem primeiramente o nosso ambiente natural protetor. Eles hipertrofiaram o mental analítico para estabelecer a civilização materialista que invadiu a Terra durante dois séculos. Eles são criaturas mentais superinteligentes cujos sábios materialistas, técnicos e matemáticos, são médiuns inconscientes. A ciência e a tecnologia servem ao seu plano de conquista. A natureza orgânica não tem qualquer utilidade para eles, e, pelo contrário, deve ser arrasada, como um vírus destrói a barreira imunológica para se estabelecer no corpo.
Esses marcianos são os verdadeiros espíritos-serpentes que estão por trás do mito da queda do homem do Éden. É a partir da esfera espiritual de Marte que o ataque começou. O homem terrestre adâmico transitou pela dimensão de Marte (no plano espiritual) antes da sua deportação para a Terra. O nome ADM (Adam = sangue) é o mesmo que M-ADM (Marte = o planeta vermelho). O sangue vermelho é polarizado pelo ferro de Marte. Nós somos primos desses invasores espirituais. O nosso sangue é um elixir etéreo que deve fornecer para eles uma energia vital diretamente assimilável. É por isso que, impulsionados pelo seu feroz instinto guerreiro, eles invadiram a nossa esfera psíquica, primeiramente se introduzindo no subconsciente humano, depois pondo em prática a civilização materialista científica. Enfim, eles acabam tomando posse do corpo, expulsando a individualidade humana que eles não podem destruir, mas apenas domesticar e robotizar.

Não há uma resistência instintiva por parte das castas dirigentes que prosperaram no antigo sistema, apoiando-se na religião e não no materialismo?
Resposta: Os espíritos de Marte inicialmente tornaram-nas impotentes. Eles atacaram as elites aristocráticas que mantinham o povo em um enraizamento tradicional. O primeiro ato foi assumir o controle das religiões, depois dos tronos, e finalmente das massas. Foi um gênio poderoso de Marte, encarnado no médium Inácio de Loyola, que lançou esta operação gigantesca. Tendo tomado posse da igreja católica, os invasores se espalharam por toda a Terra, infiltrando-se nos palácios e nos templos. Em seguida, eles lançaram o assalto revolucionário, primeiramente na França, graças ao dinheiro dos seus aliados encarnados nos banqueiros judeus que compõem a nova aristocracia planetária. No final, os demônios de Marte vão eliminar os banqueiros judeus quando eles puderem ficar sem os seus serviços leais.
O complô judaico internacional não é um mito, mas ele não funciona como os antissemitas imaginam. Os mestres do jogo exploram o messianismo judaico para canalizar os judeus no seu sonho atávico de dominação na Terra prometida. Os judeus exercem influência na mídia e no show business, mas a alta política permanece fechada para eles. De qualquer modo, existe uma aliança entre os lobbies ocultos para estabelecer a ordem mundial. Depois, eles vão começar novamente a brigar pela supremacia nas dimensões invisíveis. Tudo isso é, em última análise, gratificante. Os titãs vão se destruir mutuamente no Ragnarök final.

Sobre o complô jesuíta, alguns especialistas da conspiração não dão muita importância para isso. Nós não vemos como uma ordem eclesiástica poderia dominar o mundo e manter a egrégora judaica e os poderosos Rothschild sob controle.
Resposta: Não se deve julgar pelas aparências. Aqueles que analisam a situação planetária frente aos efeitos visíveis e midiáticos da política mundial, são ignorantes. A lógica comum é incapaz de identificar as causas. É preciso uma consciência esotérica refinada. É preciso conhecer a estrutura do mundo invisível onde estão os altos conselhos de tomada de decisão dos mestres da Terra. É preciso também conhecer a história oculta do mundo. Os maníacos por reptilianos que sempre voltam ao início da invasão na Suméria, parecem ignorar que várias civilizações arcaicas existiram antes dessa época. Cada civilização produziu hierarquias de entidades retrógradas que parasitam a esfera invisível do além. Suas egrégoras têm em comum o poder. Existem três centros de poder principais, em correspondência com os três centros energéticos internos do homem, dos quais estas egrégoras extraem o seu alimento espiritual.
 Enquanto não compreendermos este sistema de vampirização energética do homem a partir dos planos invisíveis, nada vamos entender da política. A política mundial é explicada apenas por esta base energética e pela guerra espiritual entre os lobbies vampíricos. De cima para baixo da grande Babilônia visível e invisível, reina uma exploração dos recursos energéticos e principalmente da preciosa essência extraída da alma humana. Esta essência especial permite às egrégoras invisíveis se manterem anormalmente no além, graças a retransmissão das centrais de alimentação energética que bombeiam a emoção e o pensamento coletivo da humanidade: antigamente, as religiões mágicas e, hoje, a religião catódica e midiática. Enquanto um amador da conspiração não admitir este processo, ele nada vai entender da política.
O enigma dos jesuítas, ou seja, a influência desproporcional de um grupo eclesiástico discreto e numericamente fraco, que acreditamos estarem ocupados com bugigangas religiosas, é uma ilusão extraordinária.
Inácio de Loyola conta em suas memórias que ele foi investido por uma serpente luminosa que "lhe deu um grande reconforto, pois esta forma era extremamente bela, e tinha todos os tipos de coisas que brilhavam como olhos". Foi ele que confessou isso através dos seus biógrafos oficiais. Isto não é um rumor de conspirador alucinado. Por clarividência, Steiner identificou esta serpente espiritual como sendo um "poderoso gênio de Marte" que possuiu Inácio de Loyola. Antes de se lançar na conquista de Roma, Inácio iniciou seus primeiros discípulos em uma gruta no bairro de Montmartre - a montanha de Marte (ver Rudolf Steiner / O Karma, Volume VI; para o aparecimento da "coisa em forma de cobra", ver o "Autobiografia de Inácio de Loyola” contada por ele mesmo ao padre Luís Gonçalves da Câmara / Capítulo III).
Podemos nos perguntar por que a biografia oficial do fundador da Ordem dos Jesuítas não esconde esse detalhe escabroso que parece ter escapado durante quatro séculos aos piores inimigos da Companhia de Jesus? Uma vez instalado em Roma, e seus primeiros discípulos lançados para a conquista da Ásia, Inácio declara a um diplomata francês que "sem ter que sair do seu escritório, ele controlava o mundo".

Como os jesuítas puderam se instalar na Índia, no Japão, na China e em todos os países do oriente onde os missionários cristãos não eram bem-vindos?
Resposta: A Companhia de Jesus estendeu sua teia em uma rede internacional já existente. O que era esta rede mundial capaz de se reunir aos jesuítas, esses talmudistas cristãos?
Eles são os judeus da diáspora internacional, instalados em países asiáticos há várias gerações. Inácio era um marrano de uma família judia convertida ao cristianismo e o seu secretário, o padre Lainez, era judeu de nascença. Presume-se que as recomendações dos rabinos do ocidente às comunidades judaicas do oriente, favoreceram o contato e a colaboração. O comércio e as operações bancárias foram o vector de penetração em todos os países do mundo, inicialmente para a diáspora judaica e, em seguida, para os seus primos jesuítas que se beneficiaram dessas relações de negócio para se enriquecerem no comércio internacional - mercadorias raras e escravos - mas também com o saque dos tesouros dos Incas e dos Maias.

A relação entre o judaísmo e a Companhia de Jesus está cheia de ambiguidade. É uma espécie de união artificial entre Israel e o Vaticano, com o antissemitismo como uma espada de Dâmocles sobre a cabeça dos judeus. O que é este grande segredo político?
Resposta: Nós sabemos, se nós formos perspicazes, que a política oculta é um jogo entre três poderes no plano cósmico: a classe de proprietários, as hierarquias sacerdotais e o poder passivo da massa que é uma força de inércia considerável. Ambas as castas dominantes têm o poder temporal e o poder espiritual pelos quais eles controlam a massa. A humanidade, como uma terceira força, serve de reservatório energético às duas castas dominantes. A humanidade é a bateria que alimenta as egrégoras sacerdotais do além, e ela fornece a riqueza material das classes proprietárias aqui embaixo. A casta dos chefes religiosos do invisível organiza a atividade religiosa e mágica, enquanto a casta política energiza a atividade industrial e econômica. No entanto, durante vários séculos, o banco internacional impõe a sua lei às religiões e às elites políticas. O poder é refém das finanças. O dinheiro tornou-se o cacife da política. A economia internacional controla o jogo, mas parece que um poder político superior manipula isso. A ordem oculta dos jesuítas age nos altos graus maçônicos, e influencia assim a sociedade civil. Há então um equilíbrio para preservar os interesses dos três titãs do mundo. Eles estão se dividindo, mas devem respeitar o status quo para manter a coerência do império mundial. Como conciliar os apetites vorazes dos demônios do materialismo com os interesses superiores das hierarquias sacerdotais que reinam na dimensão astral? Esta é a grande questão da política mundial.
A ordem mundial está então baseada em um contrato entre os três titãs. Para a massa humana haverá uma sociedade socialista, sufocada por uma elite defendendo os seus privilégios materiais, e todos serão envolvidos em um regime teocrático representado por uma religião mundial, encarregada da transferência de energia para os Éons do invisível. Se os titãs não chegarem a um acordo duradouro, cada um querendo uma fatia maior do bolo, isso será a guerra total, simbolizada pela queda da Grande Babilônia. Nós ainda estamos longe disso, e é preciso então esperar que o processo da crise se acelere em vez de tentar atrasá-los com lamentações idealistas e pacifistas para um dito "mundo melhor".
Neste jogo, a poderosa ordem jesuíta político-oculta - cuja Companhia de Jesus é apenas uma máscara - tem por missão assegurar o poder mundial em favor da casta sacerdotal, a fim de prolongar o reinado dos chefes sacerdotais do invisível, ameaçado desde que o ateísmo se espalhou sobre a Terra. Entretanto, a ordem jesuíta, ao defender a velha ordem sacerdotal, deve opor-se a uma renovação espiritual. É por isso que o jesuitismo colabora com a ciência material para manter o dogma de um universo material criado por Deus. Este é o dogma católico romano.
Os jesuítas são particularmente ciumentos por causa do seu monopólio sobre as áreas de astronomia, de mapeamento subaquático, de paleontologia, de arqueologia, etc.. Eles se opõem a qualquer revelação espiritual que iria destruir a visão material do universo. Você sabe por quê?
Porque eles planejam organizar o sistema solar de uma maneira racional e tecnocrática, para melhor garantir um controle burocrático. Aqui nós reconhecemos a poderosa vontade guerreira do gênio de Marte que inspirou Inácio: reduzir o sistema solar a uma forma de socialismo teocrático.

O que nós temos que ver com isso?
Resposta: A não ser balir a alegria por ser cortada pelos pastores do mundo, aqueles que desejarem a liberação têm uma coisa a fazer: virar as costas radicalmente para este mundo alienígena.
É por isso que nós falamos de consciência élfica para melhor denotar a nossa rejeição a qualquer identificação com a subconsciência do rebanho humano.
Por sentimentalismo, muitos idealistas se identificaram com a massa sem ver que eles cedem assim, inconscientemente, ao jogo dos titãs do mundo. Tomar partido é abdicar. É preciso sair do jogo.
O exame sério da política oculta apenas pode convencer um ser inteligente da necessidade de se retirar definitivamente do circuito terrestre - o campo da morte.
Quando muitos seres forem transferidos para uma dimensão de imortalidade, os Éons, desvitalizados pela falta de energia, serão destruídos para sempre. É por isso que eles resistem e fazem um combate implacável contra os desertores que se organizam para escapar da zona do confinamento planetário.
Para retornar ao ponto de partida, nós entendemos por que a cultura humana, com a sua filosofia, a sua religião e sua ciência, é um sistema de lavagem cerebral. Querem evitar que os seres encarnados descubram que a porta da sua gaiola está amplamente aberta no Éter universal.
Esta porta é o Coração. É o desejo da Liberdade absoluta. Aquele que buscá-la de forma sincera, necessariamente vai encontrá-la.

É possível um contra-ataque para recuperar o espaço planetário?
Resposta: É certamente possível, e acredita-se que as fraternidades secretas estão trabalhando nisso. Se essas forças conseguirem neutralizar os poderes constituídos, podemos, obviamente, acelerar os processos de resgate espiritual através da criação de uma cultura na Terra que iria ensinar o caminho de Retorno ao mundo original.
Para realizar esta "reconquista", seria preciso dispor de guerreiros altamente motivados, fortemente armados psiquicamente, dotados de uma energia interior que possa competir com a tecnologia e as ondas do adversário. Se houver tal organização, ela não vai deixar ser conhecida.
Nós não poderíamos olhar esses seres nos olhos, nós que só somos capazes de balir "paz, paz!", suplicando aos senhores do mundo para nos enviar um salvador. Nós que esperamos mudar o curso da história por uma cédula eleitoral. Nós que imploramos por segurança.

Não haverá salvador?
Resposta: Podemos ter esperança das embarcações da grande Fraternidade vindo ajudar as comunidades que poderiam ser eliminadas prematuramente pela perseguição, antes do seu processo de transmutação estar suficientemente avançado. Esta é uma possibilidade que não é dirigida aos mornos que olham para nós com ar irônico. Aquele que resistir não será abandonado pelas Forças Livres Galácticas.
Quanto ao "messias" da ordem mundial, podemos ter certeza de que os homens terão o salvador que eles mesmos chamarem.
Ele vai seduzir... no começo. Ele vai resolver os problemas urgentes para iniciar a sua campanha de sedução. Ele vai fingir salvar a Terra. Então, imperceptivelmente, uma tirania extrema irá se estender.
Não acredito que os titãs do mundo sejam sentimentais. Considerem os crimes do passado, e vocês podem imaginar algo imensamente mais aterrorizante. Vocês então têm uma ideia do que o líder da teocracia mundial está preparando para nós como uma nova era e uma sociedade ideal.

Como hipótese, o que podem fazer os seres que ainda não estão alinhados ao trabalho de transmutação, mas que estão cheios de ardor para resistir à tirania? Eu falo dos verdadeiros guerreiros, não de contestadores da Internet.
Resposta: Não é certo que haja agora um perfil combatente determinado para se engajar em um exército de resistência secreta, um ser desdenhando a sua própria segurança, e que teria potencial para se instruir no manejo de armas psíquicas. Por vezes ouvimos os jovens expressarem este desejo, mas, logo depois, eles estão novamente procurando uma distração.
Seria preciso que, primeiramente, eles fossem despoluídos do sistema cultural onde eles nasceram. Sem dúvida, os centros de formação estarão abertos aos guerreiros do futuro. De qualquer forma, será impossível sobreviver sem se proteger ativamente, e chegará um momento em que o desenvolvimento espiritual será como o armamento de um cavaleiro do passado.
Por enquanto, as pessoas ainda têm uma ideia mística da ação espiritual, e eles não podem ouvir a palavra "guerra santa" sem estremecer, por causa da conotação religiosa debilitante fornecida pela propaganda da mídia. Lembremos que a verdadeira Espiritualidade consiste em se prover da Força Universal, da energia da Mãe Divina.
Hoje, é a espiritualidade passiva dos "homens femininos" que domina, mas, no futuro, um impulso dinâmico será dado pelas mulheres, pelas novas Valquírias.

Amanhã, sempre amanhã...
Resposta: Cabe a cada um ver o que pode fazer, se quiser ser útil.

Fonte:
27 de agosto de 2010

***

NOTA: “Eu esclareço que os Éons - as potências que cercam o nosso contínuo espaço/tempo - são concentrações de um poder prodigioso porque a sua existência dura o tempo que dura um sistema solar. Essas formações são agregados psíquicos que concentram a quintessência do que a humanidade produziu em pensamentos, desejos e ações durante milhões de anos. Eles são de natureza psíquica e eletromagnética. Eles se tornaram autônomos ao longo do tempo, e a sua única preocupação é sobreviver. Estas deidades parasitas não têm consciência segundo o nosso entendimento moral. Estes Éons são inconscientes, pensando apenas em devorar a energia, e são estranhos ao nosso sofrimento. Eles são surdos ao nosso desejo de liberação, e eles ali se opõem com toda a sua força - é o que é simbolizado pelo grande Satã.” Sr. KEVIN (27.09.2013)

***

Colaboração: Nilton Manoel do Nascimento

***

Tradução: Zulma Peixinho

******


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário