Especial: O.M. AÏVANHOV (2011) - Autres Dimensions - Parte 3

Clique aqui para comentar esta publicação





Áudio da Mensagem em Português

Link para download: clique aqui

Nota MA: Para procurar uma determinada mensagem para ler que foi citado na mensagem, entre em nossa seção das Mensagens "Separadas por intervenientes".
O grande anúncio da gazeta de hoje é que eu posso dizer que o Sangue da Terra está borbulhando de maneira pré-Ascensional, ao nível coletivo e ao nível da Terra.
Eu os lembro que a condição precisa, o estado no qual vocês vão estar (vocês, aqui, na Europa e em outros lugares), no momento em que a Onda de Luz final da Terra (ou seja, a erupção Solar total) chegar ao contato da Terra condicionará, em certa medida, sua Evolução Vibratória.
Essa aceleração não é linear, ela é exponencial, o que quer dizer que, aí, tudo o que aconteceu durante os meses de agosto, setembro, ao nível geofísico da Terra (e, também, no Interior de vocês, uma vez que é a mesma coisa) está tomando um andamento Apocalíptico, no sentido de Revelação a mais fulminante que seja.
Então, é claro, nesses processos Vibratórios, alguns de vocês, qualquer que seja seu Despertar, qualquer que seja seu acesso possível à Unidade, ainda têm malas a pôr e a depositar; têm ainda fardos, medos, que arrastam.
Lembrem-se (e isso foi dito, mas eu os lembro, porque é muito importante para os dias que vêm, as semanas que vêm): estejam, o mais possível, na vigilância Interior.
Permaneçam, o mais possível, na Luz e com a Luz.
***
Lembrem-se de que é primordial, o que quer que lhes aconteça em sua vida, o que quer que vocês tenham que viver nesse corpo, o que quer que vocês tenham a viver na cidade, no ambiente familiar, profissional, afetivo no qual vocês estão, pode-se dizer que, doravante, vocês podem e devem (se o desejam), cada vez mais, contar com a Luz e com essa famosa Inteligência da Luz, que é capaz de resolver, em vocês, tudo o que pode ainda permanecer como malas: os medos disso ou daquilo, as interrogações, o mental, as emoções, tudo o que deve eliminar-se, inteiramente, e que pode, para alguns de vocês, explodir-lhes na cara, nesse momento.
***
Lembrem-se de que, se vocês querem reagir (o que é próprio de todo ser humano em face de um evento), digam-se que é sempre a personalidade; que se, em contrapartida, entregam à Luz o que está acontecendo a vocês, a Luz, por sua Inteligência, por sua Vibração e pela Consciência que será a de vocês, naquele momento, permitir-lhes-á escapar das consequências do que pode produzir-se – qualquer que seja o nível – em sua vida.
É muito importante recordar-se disso, quaisquer que sejam os eventos.
***
É através do que vocês realizam, agora, em Consciência e em total lucidez, que vocês tecem, de algum modo, sua Evolução final. E é, também, desse modo, que vocês vão realizar, para aqueles que ainda não o fizeram, sua Unidade com o conjunto do Criado, a Realização ou a Abertura do Si.
Não é dizendo: eu quero viver o Si, que vocês viverão o Si, porque isso os afasta; isso é a vontade do ego.
Em contrapartida, se vocês acolhem a Luz, se sua Consciência volta-se para a Luz nas diferentes circunstâncias de que acabo de falar, vocês vão, verdadeiramente, viver essa Unidade.
Sem esforço, simplesmente porque vocês estão Abandonados à Luz e decidiram tornar-se Transparentes à Luz. E, para isso, efetivamente, é necessário deixar cair todas as malas, compreender que para nada serve ter medo, porque vocês não são o medo.
Enquanto vocês vivem um medo e dizem: tenho medo, a Unidade não pode estar aí, porque a Unidade não é o medo. E enquanto vocês dizem: quero lutar contra um medo, quem é que luta?
É a personalidade.
Enquanto a Luz fará o trabalho, de qualquer modo, muito melhor do que vocês.
Portanto, o objetivo que é o seu é o de estabelecer-se, inteiramente, na Luz, agora. E isso pode ser feito, eu repito, em suas atividades, quaisquer que sejam.
Não é um momento preciso em que vocês vão meditar e alinhar-se.
É claro, há momentos privilegiados, mas é necessário que cada minuto de sua vida torne-se um instante privilegiado agora.
É necessário que vocês tenham a Consciência dessa Luz que chega a vocês, em vocês, que nasce no Interior de vocês, de maneira cada vez mais aguçada, de maneira cada vez mais aumentada, de maneira a, verdadeiramente, viver essa Transparência, que é a chave do acesso à Unidade.
Naquele momento, vocês não terão qualquer questão a colocar-se para saber: será que cruzei a Porta Estreita, será que reencontrei o CRISTO ou não?
Porque vocês estarão vivendo-o, vocês não estarão mais nos questionamentos do ego e da personalidade. Vocês terão Transcendido, e isso vai tornar-se cada vez mais fácil, na condição de que vocês aceitem, como eu disse em diferentes momentos, soltar os amendoins que vocês têm no bocal, hein?
Os amendoins são o mental, são todos os medos, todas as certezas, todas as crenças que vocês têm, que os impedem de viver a experiência do Instante Presente.
Lembrem-se de que a Luz não estará, jamais, no passado; Ela não estará, jamais, no futuro; Ela está, sempre, no Instante.
E a consciência que é a sua deve estar totalmente centrada no Instante, o que quer que vocês façam.
***
Eu repito, na França, vocês ainda não foram tocados por isso, mas, em outros países, isso já está se produzindo e eles o estão vivendo.
E eles descobrem que há como que uma espécie de milagre, ou seja, como se seu mundo desabasse, de um modo ou de outro, pela economia, por uma guerra, por parentes, por sismos, por vulcões, por inundações, por tudo o que se possa imaginar e, bem, no entanto, esses seres descobrem, alguns deles, o acesso à Unidade, através do que eles vivem.
Mas, talvez, vocês tenham, ao redor de si, quem tenha perdido isso ou aquilo ou um parente ou um grande amor ou um trabalho, ou quem tenha decidido todo soltar e que vivam, de repente, o acesso ao Si, à Serenidade e à Paz.
Porque não há mais questionamento.
E é nesses momentos em que, justamente, sua personalidade vai aceitar tudo soltar. E, eu repito, quando eu digo tudo soltar, isso não quer dizer que seja necessário abandonar o marido, a mulher, o trabalho ou o que quer que seja: é uma atitude Interior.
Há os que podem tudo soltar fazendo mil coisas.
Há os que nada podem soltar enquanto não soltaram tudo.
Cada um é diferente em relação a isso.
Mas, quaisquer que sejam as circunstâncias, vocês constatarão, muito rapidamente, vocês também, que vocês vivem a Unidade, e isso vai cair-lhes por cima, como um ladrão na noite, a título individual. Mas essa preparação individual, aí também, é extremamente importante, para a Terra e para o conjunto de Irmãos e de Irmãos da Terra.
Tomem tudo, não na zombaria, mas no humor da Unidade, e vocês verão que tudo passará. O que quer que lhes aconteça, o que quer que lhes anunciem, se vocês estão na Luz (e Ela está por toda a parte), não haverá mais problema algum.
Façam essa experiência e vocês verão.
Aivanhov - 23 de outubro de 2011

Questão: como se pode abandonar-se à Unidade quando se é agredido?
Quando é que se foi agredido?
É no instante presente?
Não, era ontem.
Será que ontem existe no instante presente?
Isso quer dizer o que?
Isso quer dizer que o ser humano, enquanto não é Unificado, está sempre referenciando-se ao passado, mesmo sobre as coisas muito agradáveis.
Isso se chama a memória e a lembrança.
A Unidade dissolve e pulveriza o conjunto de memórias.
É necessário compreender que, enquanto vocês falam de agressão, vocês não estão no presente. Portanto, agora e já, vocês não podem viver a Unidade se não estão no presente.
Portanto, considerar que se tem uma ferida é, já, identificar-se a essa ferida e, portanto, identificar-se a essa ferida é permitir a ela poluir o instante presente.
Aquele que está no presente não tem nem passado, nem futuro.
Ele tem a Eternidade para si.
Ele é o Amor.
Ele é a Luz.
Ele é a Unidade.
Portanto, não há que se colocar questões, porque é um álibi.
O único modo de viver o instante presente é estar no presente.
Como diz o Arcanjo ANAEL: «HIC e NUNC».
Enquanto vocês não estão HIC e NUNC, vocês serão parasitados – possuídos, se preferem, se gostam de imagens fortes – por seu próprio passado.
Mas vocês não são nem o passado, nem o futuro.
A Eternidade está no presente.
É por isso que URIEL intervém, sempre, nessa noção de presente, de Presença. Tudo o que ele lhes diz, há meses, é unicamente ligado, no plano Vibratório, à Vibração do instante presente.
O importante é o instante presente.
Enquanto vocês não estão imersos no instante presente, o que isso quer dizer?
Não há culpado.
Não há algoz.
Não há vítima e não há, tampouco, salvador.
Vocês estão sós para cruzar a Porta Estreita.
E cruzar a Porta Estreita quer dizer abandonar todos os álibis, sem qualquer exceção. Mas, enquanto vocês estão identificados a uma preocupação, vocês não podem estar no presente.
O presente nada mais é do que o presente e, no presente, nada há que não o que vocês são. Portanto, se há algo que os agrida ainda, que vem de um passado ou de um futuro, no instante, o que isso quer dizer?
Isso quer dizer que, em vocês, existem medos não resolvidos, que, em vocês, existem feridas que não evacuaram e às quais, de certa maneira, com complacência (ainda que vocês recusem vê-las), vocês as deixaram instalar-se em vocês.
Ninguém os obriga a viver, no presente, o que foi vivido no passado.
É claro que há estruturas cerebrais que vão martelar-lhes o mental , mas não o Espírito, não a Consciência.
É o mental que é perturbado.
Não pode ser a Consciência.
Não pode ser o Si.
Mas apenas vocês é que podem cruzar essa última Porta da Porta OD.
Não há ninguém que o fará em seu lugar e vocês devem apressar-se em fazê-lo agora.
Aivanhov - 26 de outubro de 2011

Questão: CRISTO disse: «o que vocês fazem ao menor de vocês, vocês o fazem a mim».
Porque vocês são, todos, Um.
E nós somos, todos, Um.
Bem além dos próprios princípios de amor ou de não amor ou de Ira de qualquer um. E isso nada tem a ver com a noção de bem e de mal, aliás, porque o «nós somos, todos, Um» é válido, também, no bem e no mal. Mas isso não está inscrito, exclusivamente, no bem e no mal, é bem além, isso pertence ao Espírito.
Do mesmo modo que Ele dizia: «eu e meu Pai somos Um».
Portanto, pode-se dizer, também: o que vocês fazem ao menor de vocês, vocês fazem ao Pai, ou seja, à FONTE.
***
Questão: CRISTO disse: «o mais importante é o que sai de sua boca, e não o que ali entra».
Sim, porque a língua é um punhal.
Vocês podem matar com palavras.
Portanto, o que é importante, é a atitude e o comportamento.
Mas você prejulga que o bem e o mal aplicam-se a isso.
O que isso quer dizer?
Isso quer dizer que, em algum lugar, você considera que, se você diz boas palavras, você está no bem, e se você diz más palavras, você está no mal. Mas não se esqueça de que você pode dizer, também, palavras muito agradáveis e ter desejos de assassinato no interior de você, não é?
Portanto, a palavra é o que vocês dão a ouvir ao outro, mas é, raramente, a Verdade do que vocês pensam.
Portanto, o que é importante não é o que vocês comem, não são as palavras que vocês dizem, é o que vocês pensam.
Portanto, o importante é o que sai de vocês.
O que é que sai de vocês?
A questão está aí.
Mas, aí também, é você que colore isso com o bem e o mal.
Agora, quando você me diz: «o CRISTO disse», nós também o dizemos.
Mas nós estamos, talvez, numa outra Vibração.
Por mais que você repita, toda a vida, esse princípio e considere que você deve estar atento às palavras que emprega (ou aos pensamentos que emite), isso não o fará, em momento algum, sair da Dualidade.
Isso lhe permitirá, talvez, limitar a famosa lei de ressonância, na parte inferior, que eu evoquei há pouco, na Ação/Reação. Mas, em momento algum, você poderá sair, com essa frase, da Ação/Reação.
Eu lhe digo que o Cristo, sobretudo, disse: «Seu Reino não é desse mundo. Vocês estão sobre esse mundo, mas vocês não são desse mundo».
Aivanhov - 01 de novembro de 2011

Questão: como fazer para integrar as próprias zonas de sombra e seus lados negativos?
Cara amiga, a resposta que vou dar foi diferente há algum tempo.
Hoje, a quantidade de Luz que se deposita em vocês, sobre a Terra (sobre o manto da Terra, como foi dito há pouco tempo, e não unicamente no Céu), essa Luz age no Interior de vocês.
É claro, em alguns casos, ela virá iluminar as coisas que vocês não têm, verdadeiramente, vontade de ver.
Mas essas coisas não requerem, como dizer..., uma reação da personalidade.
Não é porque a Luz vem mostrar-lhes as últimas zonas de sombra que podem existir no Interior de vocês, que seja necessário arregaçar as mangas e dizer que se vai trabalhar nisso.
O que lhes pede a Luz é, simplesmente, deixá-la trabalhar no Interior de vocês.
O que isso quer dizer?
Isso quer dizer que nada há a fazer.
Isso não quer dizer, é claro, que não seja necessário trabalhar.
O único trabalho que vocês têm a fazer, agora, é, justamente, deixar fazer, ou seja, não querer fazer e deixar a Luz, a Vibração, as Partículas Adamantinas trabalharem no interior da estrutura desse corpo, dessa personalidade, de maneira a que a transmutação da Luz seja completa em vocês.
Vocês não têm que culpar, vocês nada têm a pedir, vocês têm que Ser.
E, para Ser, é necessário, sobretudo, nada fazer.
Portanto, não é como fazer; é aceitar que a Luz mostre-lhes o que, até o presente, vocês não haviam visto, sem culpa, sem negação, tampouco, mas, simplesmente, aceitando o trabalho da Luz que se realiza em cada um, hoje, sobre esta Terra.
Vocês sabem, a Luz penetra.
Ela penetra onde está aberto, ou seja, onde Ela pode.
Portanto, se vocês percebem a Luz em alguns momentos (seja pelas Vibrações, seja nos Alinhamentos, seja em momentos específicos de sua vida), é evidente que, naquele momento, há uma abertura, em algum lugar, seja na cabeça, seja no chacra do Coração, seja no triângulo do sacrum, não é?
Naquele momento, a Luz vai penetrar por um desses pontos e, conforme o local onde ela penetra, ela pode, portanto, ou fazer vibrar o Coração, ou descer para o Coração, ou voltar a subir para o Coração.
Vocês nada têm a fazer.
Vocês têm apenas que deixá-La agir, porque o que age, nesse momento, não é sua vontade pessoal, não é, tampouco, a vontade de bem, isso, nós já explicamos.
É necessário deixar trabalhar a Graça e a ação de Graça.
Hoje, vocês estão numa época em que nós demos, uns e outros, nesse período específico, elementos que lhes permitem viver a Comunhão e a ação de Graça.
Então, se a ação de Graça está aí, em alguns momentos, quando vocês levam sua Atenção, sua Intenção, quando vocês estão alinhados, porque é que Ela não agiria, nos momentos em que vocês têm subidas, como vocês dizem, de sombra ou de manifestações de sombra que lhes explodem na cara (sejam suas sombras Interiores ou sejam os últimos limites impostos pelo mundo exterior)?
Vocês, sobretudo, nada têm a fazer.
Isso não quer dizer ficar desocupado, porque, para deixar fazer e para deixar agir a Luz é a demonstração, justamente, de que vocês aceitam a Graça e de que vocês aceitam a ação e o trabalho da Luz em vocês. É o famoso Abandono à Luz, de que falava o Arcanjo ANAEL e de que outros Anciãos, entre nós, já lhes temos falado.
O período é extremamente importante para compreender isso: que quanto mais vocês deixam a Luz trabalhar em sua vida, no interior de seu corpo, mais a ação da Graça vai manifestar-se e mais tudo se fará de maneira simples e evidente, mesmo se, para isso, seja necessário quebrar algo no corpo ou quebrar um apego específico.
Vocês não têm que culpar, mas, simplesmente, acolher a ação da Luz porque, se vocês a deixam trabalhar, o que quer que aconteça à sua vida, a esse corpo, à sua personalidade, vocês o viverão numa forma de serenidade Interior e, efetivamente, numa fluidez e numa ação de Graça.
Porque, quem é que pode recusar a Luz?
Quem é que pode pôr em rebelião, durante este período, se não são, efetivamente, os restos da personalidade que quer lutar, que quer compreender, que quer apreender-se de algo que não tem que se apreender, mas que deixar trabalhar.
Portanto, o melhor modo de fazer é deixar fazer, porque a Luz É, de qualquer modo, muito mais Inteligente do que a personalidade, qualquer que seja, como vocês chamam isso..., o Q.I.
O Q.I. não se importa com a Luz.
Mas a Luz, tampouco, não se importa com o Q.I.
Felizes os simples de espírito, não é?
Sobretudo durante este período.
***
Questão: as borboletas parecem estar prontas, mas continua-se aqui, por quê?
É uma questão muito interessante, cara amiga.
Eu vou responder que as borboletas estão extremamente prontas, uma vez que, eu mesmo disse, já, desde abril: é agora. Então, o que isso quer dizer, dado que, até prova em contrário, vocês têm, sempre, certa densidade, não é?
Vocês podem tocar-se, fisicamente, vocês ainda estão aí e as estruturas em que vivem estão, ainda, aí, não é?
Sim, mas nós dissemos que havia, sempre, momentos individuais e um momento coletivo. Ao nível de outras Dimensões, como os Arcanjos já disseram, tudo está consumado, tudo está realizado.
Todo o mundo espera, de maneira coletiva, estar num momento zero: puf, de um único golpe, não há mais nada e há outra coisa que tomou o lugar.
É uma mudança, efetivamente, de frequência Vibratória.
Mas alguns de vocês já são borboletas (num corpo de lagarta, concordo).
Mas vocês estão prontos, coletivamente.
Vocês sabem que a massa crítica foi atingida há muito tempo.
Então, vocês vão responder-me: mas o que se espera?
Eu vou responder que não somos nós que decidimos, nem vocês.
E nós sempre dissemos isso.
É por isso que nós dissemos que havia, efetivamente, limites.
Eles são astronômicos, calendários, porque lhes foram dados por diferentes povos, por diferentes tradições, por diferentes profecias. Mas há um elemento essencial: é que não são nem vocês nem nós que decidimos o momento preciso, coletivo, porque isso depende de quem?
Da Terra.
A Terra está pronta, também.
Mas vocês saberão, quando é o momento.
Quando é que vocês saberão?
Vocês não poderão mais duvidar disso porque, naquele momento, o Som do Céu e da Terra – que muitos ouviram sobre o planeta – tornar-se-á permanente.
O Céu, para aqueles que têm a chance de ver o Sol azul, a Lua, também, que está diferente, e a cor das Partículas Adamantinas, essas luzes brancas que são visíveis à noite e que começam a arranjar-se, a alinhar-se, a formar uma treliça de um novo éter, mesmo no exterior, não unicamente quando vocês estão no leito, no teto, mas no exterior do Céu.
Tudo isso está instaurando-se, mas está pronto.
Nós estamos todos prontos.
Vocês estão todos quase prontos.
A Terra está pronta, mas é ela que dá o ritmo, nesse âmbito, é claro (como dizer..., e eu empreguei essa palavra de propósito), de certa elasticidade.
Vocês estão nessa zona de elasticidade.
Então, aproveitem dela para aperfeiçoar o que havia sido explicado, há um ano, por SRI AUROBINDO, sobre o choque da humanidade, porque, vocês que estão prontos, como vocês dizem, de diferentes modos, vocês viverão isso com extrema facilidade.
A única diferença é que os momentos, no dia, em que vocês estão desconectados da ilusão desse mundo e estão conectados à Verdade vão tornar-se cada vez mais importantes.
Mas, a um dado momento, isso será sincrônico.
Mas dessa sincronia, vocês têm os elementos, de qualquer forma, que foram importantes, que lhes foram dados: generalização do Som do Céu e da Terra, Canal Mariano que está cada vez mais perto e modificação dos sons Interiores, que se tornam cada vez mais potentes e, depois, Anúncio de Maria.
Isso deve produzir-se nesse sentido.
Mas, agora, será necessário, também, que vocês escutem o que vão dizer-lhes os Anciãos e as Estrelas, sobre as diferentes formas possíveis de Ascensão.
Porque não há apenas uma forma.
Há, como foi dito, muito numerosas Moradas na Casa do Pai.
E por que é que vocês quereriam que todo o mundo fosse ao mesmo lugar?
Isso, vocês já sabem.
Mas, mesmo nos mecanismos individuais e coletivos da Ascensão, vocês têm, todos, percepções, independentemente, é claro, das Estrelas, das Coroas.
A própria Consciência vive-o, diferentemente.
E tudo isso merece, agora, porque estamos em pleno interior, certo número de explicações, que serão dadas por outras pessoas além de mim, durante este final de semana.
Aivanhov - 12 de novembro de 2011

Lembrem-se de que o elemento importante é a Liberdade.
Vocês não podem dar a Liberdade à pessoa, se a pessoa na qual vocês pensam não quer a Liberdade.
***
As reações e as transformações, a transmutação que é a sua não é aquela do seu vizinho.
E isso, vai ser preciso aceitá-lo.
Como isso vai se traduzir?
É muito simples.
Eu vou ser extremamente prático, porque, talvez, já, muitos de vocês, aqui e em outros lugares, aperceberam-se de que havia um processo de densificação e de aceleração, extremamente denso e extremamente importante, da Luz.
Evidentemente, ainda uma vez, há outros que dizem que eles nada sentem.
Para eles, a vida continua como antes.
Então, é claro, eles estão, ou frustrados, ou eles vão se desviar do que nós lhes dizemos e eles terão total razão, porque, por que escutar velhos tagarelas se vocês não vivem o que eles lhes dizem?
Obviamente, seria preciso ser um pouco estúpido para aderir e viver as transformações da Consciência que não lhes dizem respeito.
Deste modo, então, vocês irão me dizer: “mas todos os seres humanos querem a Luz”.
Nada há de mais falso, e nós o dissemos.
***
Querer que toda a humanidade vá para o mesmo lugar é uma heresia.
Vocês não irão, todos, ver o mesmo filme, no mesmo momento, sobre a Terra.
Vocês não se levantam, todos, na mesma hora.
Vocês não se deitam, todos, na mesma hora.
Nesse momento, vocês vivem a finalização da Ascensão, mesmo aqueles que lhes dizem: “eu nada vivo”.
No momento, eles nada vivem, mas chegará um momento em que haverá uma sintonização.
Esse momento da sintonização é o momento em que o desdobramento da Luz, e a passagem da Consciência na Luz, não poderão fazer de outra forma senão serem revelados, mesmo para aqueles que lhes voltam às costas.
Mas lembrem-se: nós sempre dissemos que a Consciência era Vibração.
***
Então, é preciso não colocar mais, como eu disse, martelo na cabeça, porque, é claro, os primeiros serão os últimos, os últimos serão os primeiros, etc., etc..
Isso foi dito em várias ocasiões.
Então, vocês têm seres, hoje, que captaram esta Luz, mas ao invés de se abrirem, ao nível do Coração, eles levaram esta Luz a sua cabeça, e naquele momento, eles continuam os mecanismos de projeção, em meio ao mental.
Vocês sabem muito bem, para aqueles que vivem as Vibrações, que, quanto mais vocês entram na Vibração (que é a Essência e que é sua natureza de Ser, no sentido o mais multidimensional), mais nada tem importância.
Vocês não estão demissionários deste mundo: é o que chamamos de Renúncia.
A Renúncia não é um ato mental.
Por mais que vocês renunciem intelectualmente a tudo o que vocês quiserem, não é isso que vai fazê-los Vibrar.
O que é que vai fazê-los Vibrar?
É o acolhimento da Luz, no Coração ou na cabeça.
É a capacidade para, primeiramente, ter se abandonado à Luz e para tornar-se, cada vez mais, Transparentes.
Vocês não podem, e não poderão, cada vez mais, manter o estado Vibratório e manifestar qualquer personalidade. E eu entendo por personalidade, tudo o que poderia ser da ordem dos apegos, quaisquer que sejam, ou dos medos.
Então, é claro, isso foi dito, e eu o repito: não é questão de abandonar a Terra para viver sua Luz, sozinho em seu canto, já que nós lhes dissemos que é preciso comungar.
***
Cada vez mais, a Luz vai chamá-los para viver a Luz.
Cada vez mais, a Luz vai chamá-los para tornar-se esta Luz, porque é sua natureza e é nossa natureza, de todos.
Então, é claro, para aqueles que não vibram, ainda, a esta Luz, o que é que vai acontecer?
Vocês os veem, talvez, ao redor de vocês, eles vão dizer-lhes: “você viu, eu bem disse que não tinha fim do mundo. Você viu, eu disse que não tinha Ascensão”.
Mas, obviamente, já que eles nada vivem.
Evidentemente, estes seres, no momento, vocês não têm que julgá-los, vocês não têm, tampouco, que convencê-los, porque isso seria um diálogo de surdos.
Vocês não falam a mesma linguagem.
Um fala a linguagem da Luz e da Vibração, e o outro fala a linguagem da personalidade e da razão, mesmo espiritualista.
***
E as informações que vocês terão não se referem mais, de qualquer maneira, em última instância, eu diria, à evolução desta 3ª Dimensão.
É por isso que nós lhes dissemos para não procurar a data, ao nível coletivo.
CRISTO virá como um ladrão na noite.
Então, é claro, eu semeei alguns elementos.
Eu disse, por exemplo, que os três dias iriam ocorrer após uma noite de muito frio e há quem busque ainda, em pleno verão, datas, então é um pouco bizarro, mas é normal.
E um outro Ancião lhes falou da espera e da esperança.
Porque a espera é estéril, ela os coloca na negação e na recusa.
A esperança resulta diretamente da Vibração.
Quanto mais vocês penetram a Vibração da Unidade, mais vocês estão na Alegria ou, em todo caso, na Serenidade, o que quer que chegue a esse corpo, propiciando-lhes, de algum modo, o que muitos Anciãos disseram durante sua vida, ou seja, uma forma de compreensão e de vivência, porque não se trata de dizer que eles não eram esse corpo.
***
Se vocês quisessem verificar, por vocês mesmos, como a Luz se ocupa de tudo, vocês ficariam extremamente surpresos. Então, há quem vá levantar a mão e que vai me dizer: “sim, mas eu, eu estou cheio de problemas, eu, eu tenho tal doença, eu, eu tenho tal problema com meu marido, eu tenho tal problema com meu trabalho”.
Será que vocês acreditam que um ser que vive a Vibração da Unidade está preocupado com este tipo de coisas?
Obviamente, se vocês decidem, vocês mesmos, negar um problema, ele vai dar às caras ainda mais veementemente, com mais força.
Mas se a transformação for real, tudo isso vai desaparecer, por completo.
Aqueles que vivem a imersão em meio à Vibração, que acederam à Vibração da Unidade, ou que acederam ao seu Estado de Ser, sabem muito bem do que eu estou falando. Mas os outros, eles não podem sabê-lo, porque a única realidade deles, naquele momento preciso, em que não há Vibração neles, é o quê?
É a personalidade, com tudo o que foi construído pela personalidade, mesmo a personalidade a mais amorosa, a mais gentil, porém integrada neste mundo.
***
Então, é claro, aquele que não Vibra as Estrelas da cabeça, ele vai dizer: “isso não existe”.
Para ele.
Mas esse campo de ressonância Vibratória existe desde já vários anos.
Aqueles que o vivem o sabem, já que é sua Verdade.
Mas não façam da sua Verdade a Verdade da humanidade.
A Verdade da humanidade é o planeta-grelha coletivo e os mecanismos de estase [catalepsia], que vocês não sabem em que ordem eles vão se dispor, porque isso virá como um ladrão na noite, em uma noite de muito frio.
***
Pergunta: como fazer quando estamos parasitados por entidades, e como se proteger?
Primeiramente as entidades, o que isso quer dizer?
Elas apenas existem e elas apenas se manifestam a você porque você deu a elas sua Atenção e sua Intenção.
É muito diferente de agir contra as entidades (fazendo um descarrego, um desencantamento, pouco importa os nomes empregados) porque, se você se volta para isso, você permanece na dualidade e você permanece na personalidade.
Eleve sua Vibração para a Unidade e para o Coração.
No Coração não há qualquer entidade.
Isso, isso pertence ao mundo astral e isso o remete a você mesmo.
Ou seja, às suas próprias emoções, às suas próprias perturbações.
O único local onde não existem perturbações, nem entidades, é o Coração.
Obviamente, todos vocês, quando vocês são sensíveis à energia, vivenciaram ataques, ondas negativas, ondas nocivas. Mas se vocês colocam sua Consciência nisso, o que é que isso significa?
Isso significa que vocês permanecem ao nível da Ação/Reação.
Como fazer para desvencilhar-se disso, daquilo?
Subir a Vibração, e as entidades não poderão mais penetrar em parte alguma.
Então, o Canal Mariano irá se abrir, no lado esquerdo, e, naquele momento, as entidades, vocês as verão passar rindo e não estando no medo.
Existem, é claro, cristais que permitem proteger.
Existem rituais, exorcismos.
Mas vocês não estão mais nesse jogo.
Vocês querem Vibrar ou vocês querem permanecer na não Vibração?
Se vocês Vibram e se a Coroa Radiante do Coração Vibra, nenhuma entidade pode o que quer que seja contra vocês. É sua Atenção e sua Intenção e suas próprias falhas Interiores que permitem esse tipo de manifestação.
Nada mais.
Enquanto vocês concebem que existe algo exterior a vocês, vocês estão na dualidade.
É inexorável, inelutável e implacável.
E, isso, vocês irão tomar, como eu dizia, na cara.
Isso não é uma punição.
Isso é o que denominamos lei de Atração e de Ressonância.
Se um problema se manifesta a vocês, isso quer dizer o quê?
Hoje, vocês não estão mais nos tempos onde era preciso ainda, como desde alguns meses, aceitar ver os problemas e deixá-los, pela Inteligência da Luz, dissolver-se.
Hoje, é muito mais importante do que isso.
São vocês que decidem, em sua Consciência.
Onde vocês se colocam?
Mais como nos tempos passados, ou na época em que eu era vivo (onde, nesta encarnação, éramos obrigados a combater).
O princípio da Unidade é, justamente, exatamente o oposto disso.
É o contrário de querer saber isso ou aquilo, ou como se desvencilhar de tal entidade.
Porque nada há para desvencilhar.
Como os Arcanjos lhes disseram, todos eles estão, e todos nós estamos, no Interior de vocês.
Enquanto sua Consciência é projetada no exterior, ela não está no Interior, é tão simples assim. Mas se vocês vão ao Interior, vocês irão se aperceber de que, o Interior e o exterior, não existe mais um do que o outro.
Naquele momento, vocês vivem o Si e a Unidade.
Vocês acham que IRMÃO K, vocês acham que UM AMIGO foi, em seu estado Vibratório, mesmo em sua época, atacado pelo diabo?
Isso nada significa.
Para mim foi diferente porque, durante minha vida, eu tinha uma função neste país, que era um pouco diferente.
Então, sim, durante minha vida, eu tive que combater, obviamente.
Mas vocês não estão mais nesse tempo.
As Vibrações da humanidade (e, aí, eu falo coletivamente), mesmo se vocês não Vibram, vocês são, de longe, muito mais elevados do que o que foi o caso nos anos 80, porque a partir de 84, o Espírito Santo desceu.
Vocês tiveram as Núpcias Celestes: a quantidade de Luz e a densidade de Luz são muito mais intensas, cada vez mais presentes. Mas, naturalmente, se vocês se desviam da Luz, vocês permanecem nos modos usuais de funcionamento da 3ª Dimensão e vocês não estão mais de acordo com a Inteligência da Luz.
Então, é claro, vocês irão me responder: “sim, mas eu vejo a Luz quando eu fecho os olhos”.
Qual Luz?
Vocês não podem trapacear com a Consciência.
Vocês estão na Alegria, ou vocês não estão na Alegria.
Vocês estão no Fogo do Coração, ou vocês não estão no Fogo do Coração.
Por mais que vocês digam que vocês estão na Unidade disso, daquilo, na adesão a isso, àquilo, mas aderir a isso, àquilo, não é viver isso.
É-lhes preciso ir ao essencial, agora, vocês não têm mais tempo de ser ambíguos.
Vocês não têm mais tempo de se colocar questões exteriores: “como eu posso fazer para eliminar uma entidade, ou como eu posso resolver tal problema?”.
Porque, se há um problema, é justamente porque não há Luz o bastante.
Porque, se vocês estão na Luz, não há mais problema.
Lembrem-se: aí onde vocês colocam a Atenção e a Intenção, a Luz acompanha.
Por outro lado, se vocês querem utilizar a Luz por sua vontade pessoal dizendo: “eu vou enviar a Luz a alguém”, vocês estão na Ação/Reação e, aí, vocês irão pagar o preço.
Vocês não estão na Transparência, vocês não estão na Comunhão e vocês não estão no Abandono à Luz.
Cabe a vocês saber onde vocês querem ir e, sobretudo, o que vocês querem ser.
Minhas palavras são, talvez, um pouco duras, mas a Luz vai ser cada vez mais penetrante. Portanto, ou vocês se tornam Luz, ou vocês irão, como dizer, viver as resistências à Luz.
Eu os remeto ao que disse IRMÃO K há alguns meses sobre o Fogo elétrico do corpo (Fogo Prometeico, ou Luciferiano) e o Fogo do Espírito.
É a mesma Luz que penetra, agora.
Mas conforme ela for “dirigida”, entre aspas, o efeito será estritamente ao oposto.
Ou seja, as coisas vão explodir na Consciência, de maneira cada vez mais violenta.
Não como uma punição (não há punição, com a Luz, não há dualidade): há apenas necessidade de iluminar, de maneira cada vez mais cruel e mais crua, eu diria.
Mas o que é cruel é para a personalidade, não é para a Luz, naturalmente.
Tudo depende do ‘ponto de vista’.
Aivanhov - 19 de novembro de 2011

Pergunta: poderia desenvolver sobre o princípio da Liberdade?
Então, caro amigo, a Liberdade pode se inscrever de vários modos.
Há (vocês sabem, isso são palavras que nós todos empregamos) a Liberdade deste mundo, por exemplo, de pensar.
Ninguém, a priori, pode impedi-los de pensar, mas todo mundo tenta fazê-los pensar segundo uma determinada direção. Mas o ser humano tem, a priori, a capacidade para exprimir seu pensamento, como ele o crê, eu diria, independentemente de constrangimento.
Mas vocês sabem, evidentemente, que nesse mundo moderno, o conjunto do que vocês podem ver, o conjunto do que vocês podem escutar, tende a dirigir seu pensamento no sentido que é desejado por aqueles que querem conduzi-los, aí onde vocês não têm necessariamente desejado ir, mas onde vocês se submetem, de uma maneira ou de outra (que isso se chame de egrégoras ligadas a crenças, etc., etc..).
Nós lhes falamos, nós, de uma outra Liberdade, e eu volto, de novo, em particular, àquele (talvez) dos Melquizedeques que melhor lhes exprimiu (de algum modo) o que é a Liberdade.
A Liberdade de que lhes falamos é a Liberdade do Espírito.
Que não é a liberdade de pensar, que não é a liberdade de escolher ter um filho, ou de não ter um filho, ou a liberdade de se estabelecer em tal região ou em tal outra região do mundo. Porque, isso, é uma liberdade em meio à prisão: é a possibilidade de ir a uma janela ou a outra.
E IRMÃO K lhes disse que a Liberdade não era deste mundo (ndr: ver, particularmente, as intervenções do IRMÃO K de 1º de abril e de 3 de julho de 2011).
Ou seja, que existia um outro estado da Consciência que era fortemente ligado ao que chamamos de Consciência Turiya (isto é, a Consciência do Estado de Ser, a Vibração, se vocês quiserem, da Luz), que os leva a descobrir outros Espaços de Consciência, outros Espaços de Vibração.
Obviamente, esse corpo é apenas acessível de maneira efêmera (para todos nós, quando nós vivemos), desde o nascimento até a morte.
Portanto, esse corpo é, por essência, efêmero.
Ele está inscrito em uma realidade, que nós vivemos, que nós chamamos de encarnação.
Progressivamente, nós introduzimos, em vocês, a noção de que existia, não somente (é claro, o que muitos de vocês, que estão aí, conhecem, ao menos por ter lido) a reencarnação, mas que existia, além da alma, a Liberdade do Espírito. E que o Espírito não é deste mundo, e que vocês podiam viver a Verdadeira Liberdade.
Nós sempre lhes dissemos que a Liberdade, é o quê?
É não ser tributário de um tempo, é não ser tributário de um corpo, é não ser tributário, exclusivamente, dos sentidos.
Evidentemente, vocês compreendem que isso é perfeitamente o inverso do que nós vivenciamos, uns e outros, quando nós estamos em um corpo de carne. Então, é claro, como vocês sabem, houve vários testemunhos (das Estrelas, dos Anciãos, e depois de muitos outros, que não são nem Estrelas, nem Anciãos) referindo-se ao acesso a estados da Consciência específicos, diferentes.
Que nada mais tinham a ver com este mundo, e que não tinham, tampouco, mais nada a ver com o mundo astral, mas que falavam (de algum modo) de Espaços que apenas podíamos conhecer através da Realização da Consciência dita Unificada, ou seja, da Consciência do Si ou do Estado de Ser. E, naquele momento, a Liberdade era real, porque ela os fazia (de alguma forma) sair, em Consciência, desse corpo.
Não para escapar a esse corpo, mas para percorrer Espaços que nada mais tem a ver com as regras conhecidas da encarnação, do carma, da reencarnação, ou, ainda, das leis da alma, mas fazê-los penetrar as Leis do Espírito.
As Leis do Espírito, naturalmente, assim que falamos, elas não são mais as Leis do Espírito, como disse IRMÃO K. Mas existe uma diferença considerável: na Liberdade, vocês não são mais assimiláveis ao Corpo no qual vocês Estão, vocês não estão mais localizados em um idade específica, em uma dada identidade (nome, prenome, qualidade, profissão, casado, não casado, divorciado, viúvo).
Quer dizer que vocês não estão mais submetidos às leis deste universo, às leis deste mundo. Nós lhes dissemos, também, em várias ocasiões, que seria um pouco estúpido acreditar que as Leis, do outro lado, ou seja, ao nível do Espírito, fossem as leis deste mundo tais como elas aparecem sob os sentidos (em particular a visão e a lei de ação/reação, ou seja, a gravitação).
No Universo existem múltiplos Mundos.
E esses múltiplos Mundos podem ser, efetivamente, considerados como inseridos uns nos outros.
Mas isso não é inteiramente verdadeiro, porque, se eu digo: ‘inseridos uns nos outros’, vocês irão pensar no princípio das bonecas russas, e vocês irão achar que vocês estão confinados em estruturas mais ou menos diferentes.
Não é perfeitamente isso.
Quando vocês descobrem o Si, quando vocês vivem o Estado de Ser, a Realização (chamem isso como vocês quiserem), através da Vibração, hoje, ou através dos testemunhos que lhes deram algumas Estrelas, vocês escapam à sua condição.
Quando dizemos a condição humana, é claro, é uma condição: não podemos ser Livres desde que estamos em uma condição. Mesmo se, em meio a esta condição, podemos imaginar a Liberdade: sim, vocês são livres para se levantar de manhã ou, se vocês não trabalham, para permanecer na cama, mas isso (é obvio) não é desta liberdade que nós falamos.
A Liberdade (que nós abordamos, uns e outros, com vocês) é a capacidade que se atinge quando vocês saem, justamente, da sua condição.
Isso quer dizer que vocês poderão viver uma Consciência que não está mais limitada a este corpo, a esta vida, a esta encarnação e a este mundo.
Porque nós sempre dissemos que, nos Mundos Livres, não havia qualquer limitação.
A Liberdade é o Ilimitado (mas, isso, é difícil para conceber por um cérebro, isso não pode ser vivenciado pela própria Consciência), ou seja, que vocês não estão mais limitados a um corpo, que vocês não estão mais limitados a uma idade, que vocês não estão mais limitados a uma profissão, que vocês não estão mais limitados ao que vocês veem.
Mas vocês penetram em um Universo, ou em Universos, onde vocês não são mais limitados pelos sentidos, vocês não são mais limitados por um corpo, mesmo das outras Dimensões. E vocês não são, sobretudo, mais tributários do que vocês chamam, aqui, de concepção linear do tempo.
Nas outras Dimensões, o tempo, tal como é conhecido, não existe mais (como o é sobre esta Terra). A própria densidade do Espírito nada mais tem a ver: nada é imóvel, nada é fixo.
Admitam-no que isso é, de qualquer modo, estritamente o inverso do que nós vivenciamos, uns e outros, enquanto estamos encarnados.
Então, é claro, disseram que um dia vocês iriam descobrir, do outro lado, a Luz.
Ou disseram que, se vocês melhorassem seu carma, vocês iriam se beneficiar, que vocês iriam viver coisas agradáveis, em outras vidas, é claro.
Ou, então, que vocês iriam viver experiências onde acederiam a poderes incríveis, através do 3º olho (como ver o que é invisível, como aceder a mundos particulares).
E, depois, um dia, vocês têm seres, como nós, que lhes falamos para esquecer tudo isso. Porque isso não era a Verdade, e que a Verdadeira Liberdade não pode ser concebida como algo que vocês podem viver neste mundo.
E o paradoxo é que não é preciso sair deste mundo para vivê-lo, já que vocês devem vivê-lo nesse corpo (sem isso, se fosse tão simples, nós iríamos riscar tudo com uma traçada de lápis, e nos reencontrar, todos, em meio ao Ilimitado).
Mas o problema é que há uma consciência limitada, confinada, que é a personalidade, que é, ela, fundamentada no medo, fundamentada nas crenças, fundamentada em uma série de concepções Ilusórias, ligadas à própria evolução da matriz e da personalidade.
Porque os fizeram crer que vocês iriam encontrar a Luz, e quando vocês fecham os olhos, se vocês veem uma luz, isso quer dizer que vocês vivem a luz e a liberdade.
Sim, mas até que se prove o contrário, vocês não são livres para deslocar-se até Sírius, ou para se deslocar aonde vocês querem, não é?
A Liberdade que nós falamos é justamente não mais estar limitado: tornar-se Ilimitado, não unicamente no pensamento, mas, ainda, na própria Consciência.
Ou seja, não mais ser tributário de um confinamento, que este confinamento tenha o nome de coração, que ele tenha o nome de relações amorosas, que ele tenha o nome desse corpo (porque nós sempre dissemos que esse corpo é um Templo, mas vocês não São esse corpo, vocês não São a realidade que vocês vivem).
Então, nós empregamos, uns e outros, diferentes linguagens para tentar fazê-los compreender.
Mas, compreender, de nada serve: é preciso, sobretudo, vivê-lo.
Dessa maneira, eu empreguei expressões engraçadas, feitas para diverti-los: a imagem do macaco que tem a mão dentro do pote de amendoins, e que não entende porque ele não pode comer os amendoins.
E ele compreende que, se ele deixa os amendoins, e bem, a mão sai, sem os amendoins. Mas o problema é que vocês não São nem o pote, nem o amendoim, e que nada que esteja nesse pote pode satisfazê-los.
É a própria Consciência, quando ela está Liberada, que se liberta (de algum modo) dos condicionamentos, das crenças, das concepções, e Liberada também desta personalidade (que é constituída de emoções, de mágoas do passado).
É apenas naquele momento que vocês podem viver a Liberdade, ou seja, o acesso ao Ilimitado.
Então, é claro, vocês têm seres que vão dizer-lhes: Tudo é Um.
E eles vão aderir à Unidade, conceitualmente.
Mas, no entanto, eles não vão viver a Unidade, porque, se vocês vivem a Unidade, isso quer dizer que vocês estão, efetivamente, presentes nesse corpo, mas que vocês têm também a Consciência de que se está em todas as Dimensões ao mesmo tempo.
Portanto, não é unicamente uma invenção da imaginação, ou a adesão a algum conceito: não é uma crença, a Liberdade, é um estado de fato, que é vivenciado ou que não é vivenciado.
Vocês começam a viver a Liberdade a partir do momento (e nós lhes dissemos) em que vocês começam a perceber algumas transformações, em vocês.
Mas eu deixarei o Arcanjo ANAEL, e eu deixarei uma Estrela particular exprimir-se sobre isso.
Aliás, para aqueles que o vivem, vocês sentem bem que este estado Ilimitado apenas pode muito mal (e cada vez pior) acomodar-se com a vida da personalidade.
Eu exprimi isso também: vocês não podem permanecer com as nádegas em duas cadeiras, é a personalidade ou o Estado de Ser.
E tudo o que vai lhes dizer, mais tarde, depois de mim, pode se resumir a isso: vocês querem deixar os amendoins no pote, ou vocês querem continuar mantendo e comendo os amendoins?
Ou então: vocês querem estar na personalidade, ou no Estado de Ser?
Então, nós sabemos, pertinentemente, que há muitos seres que ainda estão convencidos que eles podem viver a Luz prolongando esse corpo eternamente.
Porque, é claro, o que é efêmero, ou seja, a personalidade, ela se crê eterna. Mas ela não pode ser eterna, vocês sabem, já que vocês nascem, vocês crescem e, todos, morremos.
Obviamente, mesmo se, às vezes, alguns deixam um corpo (como dizer) eterno (ndr: em outros termos, a imputrescibilidade da carne), mas a Consciência, ela não está mais aí. Portanto, é claro, a Liberdade que nós falamos nada tem a ver com a liberdade de fazer isso ou aquilo.
A Liberdade, em meio à Unidade, não é unicamente esperar fazer o bem para colher o bem, não é evitar fazer o mal para não elevar o mal.
É estabelecer em outro estágio da própria Consciência.
Para ser Livre, é preciso já aceitar e apreender-se de que, nesse corpo, vocês não têm qualquer liberdade. Então, há múltiplas formas de liberdade, mas, é claro, a Liberdade que nós falamos nada tem a ver com isso.
É a Liberdade espiritual, aquela do Espírito que é (como dizem, sem parar, os Arcanjos) sua Essência e nossa Natureza comum. Então, é claro, o ser humano, à força de se reencarnar, à força do confinamento, à força da queda, à força do isolamento, tem saudade, em algum lugar, desta Liberdade.
Mas ele chegou a um estado onde ele espera a Liberdade sobre este mundo. Mas vocês não podem encontrar a Liberdade no efêmero, não é possível: a Liberdade é Eterna, mas a Liberdade não é deste mundo, isso foi dito de diferentes maneiras.
Aivanhov - 26 de novembro de 2011

Reflitam um pouco.
E coloquem-se, realmente, a verdadeira Questão: se vocês não estão Vibrando, qual é o medo que está em vocês?
Qual é a vontade que quer se exprimir?
Qual é a ilusão que os impede de viver o Amor?
Não nas projeções quiméricas, astrais, mentais, mas na Vibração do Si, da Unidade, do Estado de Ser.
Olhem-se.
Isso apenas podem ser os medos.
Isso apenas podem ser os apegos que ainda estão presentes.
Vocês não ousam ir ao desconhecido.
Vocês não ousam, como disse IRMÃO K, atravessar o rio, ir ao outro lado, porque vocês têm medo.
Há apenas isso.
Ninguém é responsável.
Hoje, a Luz está por toda parte.
***
Todos vocês estão convidados, sem qualquer exceção, a viver o Amor.
Mas viver o Amor é não mais viver o medo.
É não mais viver os apegos.
É não mais viver o medo da falta.
É não mais viver a necessidade de controlar outro ser humano.
É respeitar a Liberdade, e tudo isso vai ser desenvolvido para vocês, com palavras certamente mais bonitas do que as minhas.
***
Quando o CRISTO dizia: “deixem os mortos enterrarem os mortos”, será que isso queria dizer que Ele não amava os mortos?
É claro que não.
Mas vocês não podem forçar ninguém.
Quando Ele dizia: “seja eu”, isso não queria dizer para segui-lo, Ele.
Ele queria dizer assim: “seja eu, seja você mesmo”.
Não no sentido de seguir, mas no sentido de Ser.
Ser a Luz que é a Verdade do Espírito.
Ou seja, tornar-se multidimensional.
Não mais ser limitado por este corpo, por esta vida, enquanto estando neste corpo.
***
Pergunta: quando estamos preocupados ao nível da personalidade, por emoções, por exemplo, como retornar ao estado de Graça, à Luz?
Hoje, mais do que nunca, se uma emoção vem preocupá-lo, isso quer dizer que a Luz não é bastante o suficiente, em você. Então, ela não vem lhe pedir para combater tal emoção, mas para olhá-la, deixá-la passar, porque você não é esta emoção.
Chegará um momento em que, quanto mais a Graça se instalar, menos poderá ali haver emoção. Não pode ali haver a Graça da Luz (o Amor Luz, o Amor Vibral) e emoção, porque a emoção é uma gama de frequências que pertence à personalidade.
Então, é claro, muitas coisas ditas espirituais atuaram sobre esta emoção.
A emoção é o que vem da alma, mas da alma voltada para a personalidade, não da alma voltada para o Espírito.
Então, é normal ter ainda momentos em que uma raiva pode chegar, em que uma tristeza pode aparecer, mas é justamente para mostrar-lhes o que resta, em vocês, como apego e, então, para pedir-lhes para ascender, ainda mais, na Vibração da Graça, da Luz e do Amor.
Nós sempre dissemos que a Luz ia penetrar, no ser humano, aí onde ela podia.
Se as Portas se abrirem, tanto melhor.
Mas imaginem uma pessoa, mesmo nos meios ditos espirituais, com o segundo chakra, por exemplo, muito aberto (um centro de confiança, de vontade e de poder extremamente ativo), e bem, a Luz, ela vai penetrar por aí já que ela não tem como penetrar em outros lugares.
E isso vai desencadear o quê?
Tomadas de poder, raivas terríveis, uma falta de estabilidade ou a guerra, tão simplesmente, em si, como no exterior de si.
Será que podemos dizer que foi a Luz que desencadeou isso?
Absolutamente não.
Foi justamente a Luz que não pôde se instalar no Coração.
Mas lembrem-se: quanto mais vocês são numerosos a viver esta individualidade da Unidade da Luz (ou seja, seu momento individual), quanto mais o coletivo se aproximar, quanto mais a Comunhão se estabelecer, de próximo a próximo, e se difundindo, de Consciência em Consciência, mais isso será fácil, esta noção de ‘choque da humanidade’.
Quanto mais o tempo passa, melhor é (o tempo em termos humanos).
Aivanhov - 3 de dezembro de 2011

Pergunta: como dialogar, com os próximos, sobre o que vivemos?
Então, aí, cara amiga, como vocês constatam e como esta pessoa vive, ao redor de vocês, entre o seu círculo, vamos dizer, familiar, ou afetivo o mais próximo, vocês constatam que vocês têm a impressão, cada vez mais, de viver em dois planetas diferentes.
Nós lhes dissemos que havia seres, hoje (e isso se refere, quando mesmo, à maioria da humanidade), que não estão, absolutamente, nos processos de transformação, no momento, que estão em andamento.
Faz muitos meses que eu digo que tudo está consumado e vocês se dão conta, para aqueles que vivem as Vibrações, de uma maneira ou de outra, que muitas coisas estão prestes a acontecer, no Interior de vocês, mas, também, no seu exterior.
Então, é claro, se vocês estiverem na frente de um próximo que não está, de qualquer maneira, na mesma interrogação, nem na mesma vivência que vocês, vocês jamais, jamais, jamais poderão fazê-lo compreender, eu diria mesmo, aceitar, o que vocês vivem.
Então, o que vocês podem fazer?
E bem, absolutamente nada.
Isso é, para vocês, um desafio, de qualquer forma.
Porque, se lembrem, nós sempre lhes dissemos que vocês estavam, estritamente, no lugar que deve ser o seu, nesse momento.
Então, é claro, há quem tenha uma vida perfeita, ou seja, eles não trabalham, eles não têm um ambiente que os obrigue ao que quer que seja, eles não têm mais filhos para criar, eles praticamente não têm família e eles passam seu dia, praticamente, em Samadhi.
E, depois, há outros que são obrigados a “batalhar”, com seu trabalho, com seus próximos, com a família, porque aqueles que estão ao seu redor não vivem, de forma alguma, a mesma coisa.
E, por sinal, para eles, vocês são loucos, não é?
E, aliás, quando vocês falam de Vibração, eles olham vocês com olhos que dizem: “será que eu chamo ou não o médico?”, não é?
O que é que vocês podem ali fazer?
Estritamente nada.
Mas, através disso, vocês têm uma lição a aprender e esta lição, é uma dupla lição: a primeira é compreender que vocês não podem compartilhar o que vocês vivem.
Tanto quanto podemos compartilhar um conhecimento, isso, os Arcanjos lhes falaram ontem: por exemplo, alguém que se interesse pela astrologia, se vocês são astrólogos, vocês podem ensinar-lhe astrologia.
Por exemplo, se vocês são terapeutas e se vocês se interessam pela energia, vocês podem ensinar o outro a sentir a energia e a compreender o que é a energia.
Mas, pela Vibração da Luz Vibral, vocês, estritamente, nada podem.
E vocês se apercebem de que, por mais que vocês sejam gentis, tentando explicar o que vocês vivem, o outro vai entrar em reação cada vez mais intensa.
Mas isso é normal.
Porque, imaginem que vocês têm, ao seu lado, alguém que diz que vive algo extraordinário.
E se coloquem no lugar do outro que nada vive.
Primeiramente, ele não pode compreender.
Em segundo lugar, mesmo se ele quisesse vivê-lo, é ainda pior, porque ele não compreende porque, ele, ele não vive e vocês, vocês o vivem.
Especialmente se é alguém que está na sua família próxima e que, além disso, está em um processo espiritual. Porque, naturalmente, aquele que está em um processo espiritual, tem algo de magnífico: é o que chamamos de ‘ego espiritual’. Porque o ego espiritual, ele sempre quer gargarejar algum tipo de conhecimento.
Ele quer ser aquele que sabe das coisas e, então, ele não compreende que, hoje, há seres que jamais se interessaram, nem pelo esoterismo, nem pela espiritualidade e que, de um dia para o outro, começam a viver estados Vibratórios, porque têm o Coração simples.
Então, tentem explicar isso a alguém que está no ego espiritual.
Ele vai, sem rodeios, ter vontade de estrangulá-los, não é?
Isso é perfeitamente lógico.
Portanto, a lição que vocês têm de aceitar, em relação a isso, se isso se refere a vocês, é ficar em silêncio.
Vocês não podem compartilhar, pelas palavras, nem por impressões, nem por explicações, o que vocês vivem. E vocês precisam compreender, também, que vocês devem aceitar que cada caminho é diferente.
Não sei quantas almas encarnadas há sobre esta Terra, sete bilhões, dizem.
Vocês têm, todos, um caminho diferente.
E em relação, até mesmo, vocês sabem muito bem, à Luz Vibral, há, entre vocês, quem tem o Canto da alma ou o Canto do Espírito, outros que têm mais a atividade ao nível do sacro, outros ao nível do Coração, outros ao nível da cabeça. Outros, dentre vocês, vão sentir tal Estrela, tal outra Estrela, ou tal frequência ao nível do Ponto AL.
E outros vão sentir o Ponto KI-RIS-TI, ao passo que um outro não o sente.
Porque, nesse processo de transformações, vocês têm todas as etapas, mesmo se os sinais, os sintomas, as manifestações, estejam em um todo coerente, que está perfeitamente estruturado.
Isso é o que nós lhes explicamos ao longo dos anos.
Mas vocês devem se colocar no lugar daquele que está, talvez, em uma vida extremamente material, onde os valores morais, afetivos, da 3ª Dimensão são muito mais importantes para ele do que qualquer outro plano que ele tenha a fazer.
É isso que cabe a vocês respeitar.
Então, isso vai ser ainda pior para o que eu chamei de ego espiritual, ou seja, aquele que está, por exemplo, em um processo de conhecimento exterior, que vai lhes dizer: “eu, eu estudei durante vinte anos”, “eu pratiquei durante trinta anos”, “faz muito tempo que eu me interesso pela energia”. E ele não vai compreender porque, ele, ele não vive isso, porque ele está no ego.
Vocês, vocês estão no Coração, não é?
Portanto, respeitem o ego do outro.
É isso, também, estar no Coração.
Eis a lição que é para assimilar, mesmo se isso possa ser, por vezes, muito estranho e muito contraditório: cada um está no lugar correto, nós sempre lhes dissemos.
E vocês não podem julgar, tampouco, porque, quem lhes diz que aquele que está na frente de vocês (seja o mais obstinado, o mais fechado, o mais oposto ao que vocês vivem) não vai, a um dado momento, nesta fase final, revelar-se na Luz?
Vocês não o sabem.
Do mesmo modo que, mesmo se vocês tiverem um Coração enorme, vocês não podem saber o que está por trás da aparência daquele que lhes dá a ver algo que não vai ao mesmo sentido que vocês.
Principalmente se for um próximo, porque, se for um próximo, o que existe?
Há relações, há comunicações, afetivas, sociais, profissionais, etc..
E essas relações, esses condicionamentos, se vocês preferirem, eles são, de qualquer forma, obstáculos à percepção do Coração do outro.
São, também, obstáculos à Comunhão.
Porque, por mais que vocês falem de Comunhão, se o outro não quer vivê-la, vocês podem tentar comungar quanto quiser, ele não poderá vivê-lo, mas é o caminho dele.
Portanto, se vocês são confrontados com isso (que isso seja com seus filhos, com seus pais, com relacionamentos próximos), significa que vocês têm algo a compreender e a transformar, em vocês.
Porque, a principal lição, é vocês aprenderem sobre o desapego.
Quando lhes dissemos, sem parar, que vocês não são esse corpo, que vocês não são essas emoções, que vocês não são esse mental, mas vocês não são o outro, também, em sua personalidade.
Por outro lado, vocês são o outro, no Si.
Então, vão ao Si do outro.
Mas o Si do outro não é, necessariamente, o que lhes dá a ver.
Naturalmente, porque há relações e interações que são como véus, de algum modo, ligados ao afetivo (em relação a um cônjuge, a um filho, a um pai ou a convenções, sociais, morais), que impedem, se vocês quiserem, a Comunhão.
Portanto, permaneçam na comunicação, com essas pessoas, mas não lhes falem do que vocês vivem, porque vocês irão, ainda mais, fazê-los girar a bicicleta (ndr: O.M. AÏVANHOV chama de bicicleta, o mental).
Isso será dramático, para elas, mas também para vocês, na reação.
Portanto, vocês não podem fazer melhor do que ser o que vocês são e Irradiar, como lhes dissemos, o Amor e a Luz.
Mas nenhuma palavra poderá explicar o que vocês vivem.
Vocês podem mostrar-lhe a localização das Estrelas, ou das Portas, e dizer que vocês sentem a Kundalini, e tudo mais.
E ele, imaginem (porque ele leu textos sobre a Kundalini): vocês irão lhe dizer que vocês, sem nada fazer, vocês vivem a Kundalini, ao passo que, nos textos, está escrito que é preciso fazer uma ascese, que é preciso não comer isso, que é preciso não comer aquilo.
A época é profundamente diferente e, durante esta época, como nós já lhes dissemos há vários anos, há uma espécie de separação, mas esta separação, ela não está ligada à personalidade, ela está ligada, justamente, ao Amor, porque a Luz Vibral, ela vem colocá-los e prepará-los para viver, muito exatamente, sua Vibração.
E é preciso aceitar que a Vibração, mesmo daquele que vocês chamam de próximo, hoje, que não vive a mesma coisa que vocês, é sua liberdade imprescritível.
E se vocês aceitam esse princípio, já, vocês verão, isso apenas poderá ir cada vez melhor. Então, é claro, se vocês estão na Alegria a mais total e que, mesmo em relação aos acontecimentos que (no plano de convenções morais, sociais ou da personalidade) são traumatizantes, vocês sorriem com um ar de felicidade (quando lhes disserem que esta pessoa acaba de perder seu trabalho), ela pode levar a mal, não?
Portanto, tentem evitar atingir os outros.
Permaneçam no que vocês são, ou seja, Irradiem, mas, naquele momento, se vocês veem que a comunicação não avança, de nada serve insistir.
Voltem a Comunhão para o seu próprio Coração e evitem manifestar, no exterior, o que vocês vivem. É uma garantia, e a lição que há, naquele momento, é para vocês aprenderem a não oprimir ou controlar, mas para ir, ainda mais, ao Interior de vocês, porque no Interior de vocês há a certeza, há a Alegria e há, sobretudo, a ausência de vontade de fazer compreender o que o outro não pode compreender.
Porque, efetivamente, aqueles que Vibram, para os outros vocês são extraterrestres, vocês são loucos, como podemos dizer.
Porque eles não podem vivê-lo, no momento, ou jamais.
Mas é o caminho deles.
E isso faz parte, também, para vocês, do seu desapego, que isso seja um cônjuge, um filho ou um pai.
É exatamente a mesma coisa.
Eis o que podemos dizer.
Aivanhov - 11 de dezembro de 2011

Pergunta: eu tive problemas cardíacos, brônquicos, bloqueios do diafragma, crises de taquicardia e de ansiedade que me levaram ao atendimento de urgência onde me disseram que os exames gerais cardíacos e sanguíneos estavam bons. Ao que isso corresponde?
Então, caro amigo, isso não é uma urgência médica, é uma urgência espiritual.
Isso significa que todos esses sintomas (e vocês são muitos a vivê-los sobre a Terra), que isso seja as modificações do ritmo cardíaco, que isso seja as dores em diversos pontos, em diversas zonas do peito, que isso seja as dificuldades respiratórias ou os problemas de garganta, estão, muito precisamente, conectados à ativação, eu diria, quase final, da Lemniscata Sagrada.
Correspondendo, às vezes, ao rompimento do pericárdio e, também, à transformação que foi denominada (eu creio) a Passagem, pela terceira vez, da Porta OD.
Então, é claro, a personalidade, ela coloca-se questões porque vai ali ter palpitações, vai ali ter paradas cardíacas, vai ali ter o que vocês chamam de inflamações do pericárdio. Mas tudo isso está, muito exatamente, em ressonância direta com os processos de Passagem da Porta Estreita e com sua Ascensão.
Como vocês creem que irão Ascensionar?
Portanto, tudo que atinge, ou os brônquios, ou o chakra da garganta, ou o chakra do coração, ou o próprio coração (em seu ritmo ou nas dores torácicas), é estritamente normal no período que vocês vivem.
E isso irá (eu diria) amplificando-se e aumentando.
Mas lembrem-se de que não há qualquer razão para ter ansiedade, porque, gradualmente e à medida que esse processo é desencadeado (se ele é desencadeado para vocês), vocês irão constatar que, se vocês desviam sua Consciência (sua Atenção, sua Intenção) do que vive o coração (ou os brônquios, ou o tórax), vocês irão penetrar, justamente, nesses processos de Deslocalização da Consciência, deste corpo, deste espaço, deste tempo e da sua vida. É por meio dessas experiências, que vocês realizam, que vocês vivem sua Ascensão.
A garganta é uma zona extremamente importante.
Vocês se lembram, há pouco mais de um ano, houve a Passagem da garganta, que foi dirigida (se podemos dizer) por URIEL: era a Reversão da garganta, a eliminação de algumas Sombras, foi uma Passagem.
Hoje, a Abertura da Porta OD é, também, outra Passagem que vocês fazem.
É a Passagem da consciência dissociada, fragmentada, à Consciência Unificada.
É diferente do que ocorreu durante as Núpcias Celestes, onde alguns deixavam o corpo para ir ao Corpo de Estado de Ser.
Hoje, a Multidimensionalidade vive-se diretamente nesta Dimensão, onde vocês ainda estão. É o que nós ilustramos (uns e outros, e, também, os Arcanjos), quando nós lhes dissemos que nossa Dimensão, nossas Dimensões, estavam, agora, como encaixadas umas nas outras.
A precipitação das Partículas Adamantinas no manto da Terra, o desdobramento da Luz em meio às suas estruturas, é responsável (é claro) por esses processos corporais, ou por esses processos de consciência, ou (e nós o esperamos, muito em breve, para muitos de vocês) de maneira conjunta.
Vocês constataram que é nos momentos em que há esses processos Vibratórios, extremamente intensos, que, se vocês não entram em resistência (ou seja, se vocês não têm ansiedade para o seu corpo, se vocês não têm ansiedade para a sua pessoa), se vocês eliminam tudo isso, não combatendo, mas mais se concentrando sobre o que vive a Consciência (ajudem-se pelo Som, ajudem-se pelos movimentos da cabeça), vocês poderão Liberar o que pode resistir em vocês, ao nível do corpo ou das ansiedades, como vocês dizem (ndr: as indicações sobre os movimentos da cabeça utilizáveis são dadas por O.M. AÏVANHOV no final de sua intervenção).
Permitindo-lhes viver, de qualquer forma, plenamente, a fase final da ativação da Lemniscata Sagrada, ou seja, a chegada do fluxo (digamos) do ego e da personalidade, e do Plexo Solar, ao Coração.
Dando-lhes a viver a Unidade, a Paz, o Samadhi e, sobretudo, o que é fundamental, a Deslocalização do seu próprio corpo e da sua própria pessoa.
É uma experiência que é, de fato, a aprendizagem da Ascensão, em seu momento coletivo.
***
Pergunta: como articular “vocês não são este corpo” e “estejam alertas sobre o seu Templo”?
O que se chama de Templo não é o corpo.
O que é importante (e isso foi dito) não é o Templo: o Templo pode estar vazio, mas o Templo, ele está pleno de sua Presença.
Portanto, nós chamamos sua Atenção sobre as Estrelas, sobre as Portas, sobre os chakras (sobre as Lâmpadas), sobre o Fogo do Coração, sobre a Kundalini, sobre o conjunto do corpo e das Vibrações do Supramental, por qual razão?
Especificamente, para levá-los a compreender que a ‘alquimia’, ela acontece neste corpo, neste Templo.
Mas, o que é importante, não é o Templo, é o que está no Templo, não é?
Não é minha culpa se a visão da personalidade assimila o Templo como um ornamento, não é?
Mas é o que está no Templo que é importante, não é o Templo: o Templo é o que abriga o que está no Interior, não é?
Portanto, vocês não são este corpo, é fácil de dizê-lo, agora: vocês fazem a experiência.
Vocês irão dar-se conta (se isso já não é fato), por vocês mesmos, da cena de teatro na qual vocês estão. É muito exatamente isso que vocês são Chamados a viver, e que muitos de vocês começam a viver, ou vivem, de maneira cada vez mais certeira, atualmente.
Então, eu digo que muitos seres humanos pensavam, mesmo tendo seguido o que nós dissemos desde alguns anos, que eles podiam viver a Ascensão e continuar sua pequena vida tranquila (em sua pequena casa, em sua pequena relação afetiva, em sua pequena relação familiar), porque eles iam considerar isso como a única verdade.
Mas isso é tudo, exceto a Verdade.
Isso faz parte do teatro, é um cenário de teatro.
E, agora, vocês fazem a experiência.
Não há melhor maneira de viver isso do que fazer (como dizer) o “luto”.
Mas não é um luto, já que é sair da Ilusão, mas estar prontos para desapegar-se, na totalidade, do que vocês podem crer.
Seus filhos não são seus filhos.
Vocês escolheram, hoje, como companheiro ou companheira, alguém que, em uma vida passada, lhes fez o mais terrível dos males. Mas mesmo as vidas passadas nada querem dizer, porque, quando vocês se Deslocalizam, que isso seja simplesmente estando ao lado do seu corpo, que isso seja conversando com outras Dimensões, que isso seja indo ao Sol, ou indo a uma outra Consciência que está presente sobre este mundo (pela Comunhão, pela Fusão, pela Dissolução), vocês são obrigados a compreender (mesmo pelo mental, como eu dizia) que vocês não São o que vocês acreditam ser, neste corpo.
O Templo é uma vestimenta.
Que protege o quê?
A Luz que está no Interior.
Mas vocês São a Luz, vocês não são este corpo.
E, no entanto, é neste corpo que isso se realiza a tomada de Consciência.
Portanto, não há, nem paradoxo, nem antinomia.
Simplesmente, isso chega pelo fato de que muitos seres humanos, ainda uma vez, foram persuadidos de que eles iriam viver a Luz enquanto mantendo as condições de vida (digamos) habituais. Mas isso é (como vocês denominam isso?) a new age [nova era]: é uma visão completamente falsa da Verdade.
Muitos, ainda, são persuadidos de que não haverá Ascensão, e de que a Ascensão é simplesmente viver, em outras condições, a vida deste corpo.
Mas isso é arquifalso.
Nós lhes dissemos que a Terra iria passar para a 5ª Dimensão, então vocês, o que vocês irão fazer?
Eu lhes disse: “eu sou Um”, mas há também: Aqui e Agora.
E para aqueles que não vivem as Vibrações, é preciso reforçar-se na Humildade, na Simplicidade.
Naquele momento, CRISTO virá bater à Porta, sem qualquer problema.
Mas enquanto vocês estão identificados, de uma maneira ou de outra, ao seu corpo, à sua pequena vida, às suas pequenas experiências, ao seu pequeno desenrolar do cenário de teatro, e bem, vocês não podem sair, é tão simples assim.
Nem na Consciência, nem no Estado de Ser.
O que acontece agora não é, realmente, um acesso ao Estado de Ser.
Para aqueles que tiveram a oportunidade de vivê-lo, desde alguns anos, não há problema.
Mas para todos aqueles que, até agora, apenas vivenciaram, em graus diversos, as Vibrações (seja ao nível da cabeça, seja ao nível do sacro, seja ao nível do Coração, ou os três), que vivem momentos de alinhamento onde eles se dissolvem (de alguma forma) na Luz, onde eles vivem momentos de Fusão com a Luz, resta, ainda, outra coisa a fazer, mesmo se a finalidade última (o absoluto, como podem dizer alguns orientais) for esta Luz.
É-lhes preciso, primeiramente, fazer a experiência, aqui mesmo, de que vocês não são este corpo, nem esta vida, nem seus sofrimentos, nem o passado, nem amanhã.
Vocês nada são de tudo isso.
Mas entre dizê-lo, aceitá-lo e vivê-lo, há uma distância enorme, e é esta distância que está prestes a desaparecer. Então, é claro, espero que não haja muitas questões em relação a dores, em relação a vivências profundamente diferentes do habitual, que podem ir a agonias extremas, é claro, porque a personalidade, ela tem medo de não mais existir.
Mas vocês não são a personalidade.
Os processos e os mecanismos da Luz, hoje, é a Passagem da Porta Estreita, é passar da fragmentação à Unidade.
A Unidade não é uma palavra em vão, é também Fusionar com todas as Consciências, é Dissolver-se com todas as Consciências.
Aivanhov - 27 de dezembro de 2011

Pergunta: sentir carícias no alto da cabeça é um contato com Seres de Luz?
Nem sempre.
Isso podem ser contatos, efetivamente.
Mas lembrem-se: são áreas como as orelhas.
É o mesmo processo.
A impressão de afagar, de acariciar, é o Reencontro da Luz com este corpo.
É a conscientização deste Reencontro.
É a Obra no Branco.
É a Luz Branca que deve transmutar a totalidade das células (como dizia SRI AUROBINDO, durante a sua vida).
É o Supramental.
É a ação do Supramental, em vocês.
Todas as questões que vocês colocaram correspondem a isso, sem qualquer exceção.
Não há questão que saiu disso.
Mas isso está muito bem.
***
Pergunta: como uma pessoa que, hoje, sente que está perto de sua Passagem, pode se preparar, ao melhor, para essa Passagem?
Então, aí, a resposta está dada: se esta pessoa sente que ela está pronta, ela não tem que se preparar já que ela está pronta.
Não pode haver melhor preparação do que se sentir pronta.
É preciso provar cada minuto da Vida.
Eu não falo da vida deste corpo, desta pessoa.
Mas da Vida: a Essência da Vida, a Luz e o Amor.
Isso é tudo.
Não há outra preparação.
Estar plenamente consciente e estar plenamente no seu Presente, na totalidade, mais do que nunca.
***
Pergunta: as últimas Chaves Metatrônicas serão reveladas antes ou depois do choque coletivo da humanidade?
Depois.
Elas serão reveladas àqueles que terão utilidade.
As 5 Chaves (primeiras) Metatrônicas (OD – ER – IM – IS – AL) são a restituição da integridade do DNA do ser humano.
É a possibilidade (que foi enunciada) de reviver a Multidimensionalidade.
É o que vocês vivem agora.
As outras Chaves (as 7 últimas Chaves) são as ferramentas Vibratórias que lhes permitem, não fazer a experiência do Estado de Ser ou da Deslocalização, mas ficar deslocalizados, permanentemente.
Aivanhov - 27 de dezembro de 2011
***
Trechos extraídos das mensagens do site francês Autres Dimensions:
http://www.autresdimensions.com
Traduzidas do francês para o português por:
Célia G. - http://leiturasdaluz.blogspot.com.br
Zulma Peixinho - http://portaldosanjos.ning.com
Seleção e edição: Elizabeth Rodrigues
Formatação e edição: Beto Junior - www.despertardaluzinterior.blogspot.com
André MA - www.mestresascensos.com

Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário