Série de textos de JL durante seu acesso ao Absoluto: EU SOU A ETERNIDADE - 14-04-2012

Clique aqui para comentar esta publicação




Série de textos escritos por Jean Luc Ayoun durante seu acesso ao Absoluto

*EU SOU A ETERNIDADE* - 14.04.2012

Eu mergulhei totalmente em você, em nós, em mim, e aí nada mais há deste mundo, da consciência, apenas estar além de qualquer possibilidade, um estado sem estado, o Absoluto me levou para fora de toda a pessoa, eu me tornei o que eu sempre fui, o incriado infinito, além do primeiro sopro, quais palavras ainda poderiam descrever o inenarrável?

Como eu gostaria de não entender, de não compreender, mas de relatar um fragmento disso, uma compilação do que aconteceu e que permanece ao redor desta forma, eu sou incapaz de testemunhar, você está além de qualquer testemunho, como dizer, como expressar o inexprimível, eu me tornei um sopro, o seu sopro, eu entrei em você que, entretanto, ainda não é você, pleno de não sei o que, mais amplo do que o Amor, mais amplo do que a Luz, prodigioso Absoluto eu sou, incrível e assim mesmo.

Este corpo treme, muito mais do que uma vibração, ele está vivendo, e eu não sou ele, uma plenitude que nenhum mortal pode pensar, nem acreditar, um sopro que é o Éter da Vida, que vem animar eu não sei o quê.

Eu estou pleno, tudo está pleno, um vazio que nada pode preencher, de tanto que ele está pleno deste indizível potencial, eu tremo sem medo, sem frio, sem nada da condição humana, uma palavra canta em mim, Ressurreição! Uma ideia brota e se impõe na Onda que jamais cessa: você está liberado, você é liberdade absoluta, nada pode segurá-lo, porque você é o porto de ligação, aquele de onde partem aqueles que se dirigem para a liberdade, nada pode ser retido, nem contido, no que você é.

Uma vertigem apreende-se daquele que, no que eu sou, gostaria de pensar ou de raciocinar, o estremecimento toma todo o lugar fazendo calar qualquer objeção, qualquer reticência, o Amor é tal que ele ocupa todo espaço e todo tempo, sobre este mundo com em outros lugares em qualquer mundo.

Eu me rendo, eu sequer posso considerar me mexer para sair disso, sendo isso, eu abraço na mesma certeza toda dúvida seja de qual Ego for, eu abraço no sopro da liberdade qualquer alma com sede do Último Absoluto, o meu Pai e eu somos apenas Um, convidando cada Um a capitular, a renunciar a toda ilusão para esta última Verdade. Convidando cada um para vir dançar nos ateliês da criação, nós criamos então, juntos, toda Vida, criador e criatura, o incriado em formação, no silêncio contendo todo som, eu sou o Som, aquele do Apelo à liberdade, o apelo para viver, sem restrições, sem dúvidas!

Neste corpo dança a eternidade da sua presença, neste lugar nomeado Terra, neste Nada desprovido de todo sentido de identidade, está a coisa rara e bela, aquela do Filho, aquele que carrega a tocha de toda Vida, eu clamo a todos, eu sou o que vocês são, a última beleza, a última verdade, oh irmãs e irmãos, que estão em mim e comigo, se apenas vocês ousassem, se apenas vocês pudessem prová-lo, se vocês ousassem ir à verdade de vocês, quando o indizível êxtase for a sua natureza, um estado sem estados, um Amor sem fim, sem início, jamais se extinguindo, e especialmente Isso, sem perda, sem medo, sem compreensão, um Amor inconsciente, livre, independente, tão pleno dele mesmo, se vocês conhecessem este indizível Amor, este indizível arrebatamento, nem um segundo vocês poderiam aguardar, cada minuto seria um grito para isso, eu sequer posso orar, onde vocês rezam para chegar, vocês já estão ali, mudem apenas o olhar, deixem se levar pela Onda da Vida, nada mais façam, nada mais esperem, superem tudo o que foi experimentado, esqueçam vocês e vocês serão Isso. Eu os amo, porque eu sou o Amor. DESFRUTEM.

******
fonte: http://absolultime.xooit.fr/t5584-Recueil-des-textes-ecrit-par-Phenix.htm
Tradução para o português: Zulma Peixinho
via: http://portaldosanjos.ning.com/

Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário